Álvares Machado, SP -

Apresentação da lição em power point

Mais apresentações em:http://www.slideshare.net/ailtonsilva2000/presentations

quinta-feira, 26 de maio de 2011

A pureza do movimento pentecostal. Plano de aula.

CRENTES DE 2ª CLASSE
PALAVRA + PODER = PENTECOSTES
REVESTIMENTO OU INVESTIMENTO?
O QUE QUER ISTO DIZER? – ATOS 2”12
NOVA UNÇÃO, NOVO MOVER? DO Deus IMUTÁVEL?
ARMADURA DE SAUL OU REVESTIMENTO DE DAVI?
RIR QUANDO O ESPÍRITO SANTO É FEITO DE TOLO
NEOIGREJAS PENTECOSTAIS OU IGREJAS NEOPENTECOSTAIS?

INTRODUÇÃO
Apesar de testemunharmos o grande avanço dos movimentos, não podemos classificá-los como pentecostais, pois muitos não apresentam as principais características do verdadeiro pentecostes, ou seja, não seguem a essência cristã vivida pela Igreja primitiva.

O verdadeiro Movimento Pentecostal está fundamentado sobre duas colunas vitais:
• A Palavra;
• Poder de Deus (ação do Espírito Santo)

O inicio do século XX, foi testemunha do surgimento de uma verdadeira renovação espiritual, que teve inicio no Estados Unidos, se espalhando depois por toda a América, atingindo depois o restante do globo.

Este movimento pentecostal que percorreu o mundo é:
• comprovadamente bíblico;
• ortodoxamente teológico;
• Não sofre atuação do tempo.

Mas constantemente sofre ataques do:
• desconhecimento bíblico (ignorância acerca da atuação do Espírito Santo);
• ignorância acerca da origem do verdadeiro avivamento;

I. A ORIGEM DO PENTECOSTES CRISTÃO
1 – O ponto de partida
• Do grego pentekoste (cinqüenta, quinquagésimo);

a) A festa de Pentecostes (Lv 23:15-25):
• 2ª das três grandes festas judaicas (Pães asmos, Pentecostes e dos Tabernáculos);
• Festa das Semanas (Ex 34:22), Festa das primícias (Nm 28:26).
• 50 dias após o dia seguinte ao sábado da Páscoa (após a ressurreição);
• O molho da oferta movido no primeiro dos 50 dias (ressurreição);
• 1 dia de oferta voluntária em gratidão pelas bençãos recebidas (Dt 16.10);
• Todos os judeus, da Palestina e os dispersos se reuniam para esta festa;
• Todos deveriam estar em Jerusalém nesta ocasião, seriam testemunhas;
• Inclusive o que estava na sua 3ª viagem missionária (At 20:16).

b) A primeira grande colheita mundial – At 2:1 (Nota de rodapé da BAP)
• A festa era uma referência à efusão do Espírito sobre toda a carne (Jl 2.28; At 2.1-13)
• 10 dias após a ascenção de Cristo, 120 crentes estavam esperavam a promessa;
• Na 3ª hora (9 horas da manhã), Jesus cumpriu a promessa.

O Pentecostes em grego pentekostes (cinqüenta), também conhecido como a Festa das Semanas. Era celebrada cinqüenta dias após a Páscoa em Jerusalém, quando todos o judeus, tanto os que habitavam na Palestina quanto aqueles que estavam dispersos por todas as partes do mundo de então, se reuniam para comemorarem esta festa. Para esta ocasião, eles deveriam estar em Jerusalém para servirem de testemunhas. Inclusive aquele que estava em sua 3ª viagem missionária.

A Festa de Pentecostes era uma santa celebração em que o adorador oferecia ao Senhor uma oferta voluntária proporcional às bênçãos recebidas do Senhor (Dt 16.10), mas no contexto profético, ela é uma referência à efusão do Espírito sobre toda a carne (Jl 2.28; At 2.1-13). Foi neste momento que Jesus cumpriu sua promessa. Novos tempos para a humanidade, a partir de Jerusalém, a capital religiosa do judaísmo, que ora convergia para o cristianismo.

Dez dias após a ascenção de Cristo ao céu (50 dias após a Pascoa), 120 crentes estavam esperando no cenáculo, unânimes, a promessa. Na 3ª hora (9 horas da manhã) deu-se inicio a inauguração do movimento pentecostal (At 2:15). As nações ouviram a mensagem de Deus e entenderam, cada uma na sua própria língua. Aquela, realmente, foi a festa de Pentecostes, pura gratidão pela colheita iniciada.

A lei Mosaica, com todas as suas cerimônias, ritos e prescrições, serviu de sombra às coisas que estavam para vir (Cl 2:16,17; Hb 10:1), assim a festa judaica de Pentecostes é uma figura, um símbolo, um tipo do derramamento do Espírito Santo. Não foi coincidência o derramamento, do Espírito Santo, ter acontecido justamente no dia desta festa, pois ela representou:
• Ano aceitável do Senhor (Lc 4:19) – o tempo em que haveria a pregação do evangelho. Este ano se iniciou com a morte de Jesus. A Páscoa (I Co 5:7) inaugurou este ano do Senhor;
• Oferta da prímicia – no dia seguinte ao sábado da páscoa, era oferecido um molho das primícias da colheita ao sacerdote (Lv 3:10), esta primícia é o primogênito dentre os mortos (aquele que ressuscitou no dia seguinte ao sábado da páscoa);
• Inicio da colheita do ano (ano aceitável do Senhor) – 50 dias após a páscoa ocorria a festa de Pentecostes, que indicava o início da colheita no ano, ou seja, a ocasião que demonstra o início da salvação da humanidade através da Igreja, o início do movimento do Espírito Santo, baseado no sacrifício de Cristo, com poder e eficácia, em prol da colheita das almas para o reino celestial.

Assim, a descida do Espírito Santo somente poderia ocorrer, mesmo, nesta festa. Era o começo do movimento e o Espírito Santo sempre esteve relacionado com o mover, como vemos desde a Sua primeira aparição no texto sagrado (Gn 1:2).

A expressão pentecostalismo passou a ser utilizada na década de 60, nos Estados Unidos, e serve justamente para distinguirmos os movimentos:
• Tradicionais – igrejas históricas;
• Pentecostais – grupos dissidentes das igrejas histórica;
• Carismáticos católicos;
• Neo pentecostais – dissidentes dos movimentos pentecostais

2 – Como surgiu o termo pentecostalismo:
a) Fundamento bíblico:
• Dia de Pentecostes (At 2);
• Casa de Cornélio (At 10:46). Pedro reconheceu a legitimidade daquele evento (At 11:15);
• Em Éfeso os que ainda não conheciam o Espírito Santo receberam o batismo (At 19”1-6);

b) Fundamento histórico. Outros tantos vultos da histórias também testemunharam esta doutrina:
• Justino Mártir (100-165);
• Irineu de Lyon (115-202);
• Teófilo de Antioquia (?-181);
• Tertuliano (160-220);
• Orígenes (180-254);
• Eusébio de Cesaréia (260-340)
• João Crisóstomo (304-407);
• Agostinho (354-430);
• Gregório o Grande (540-604);
• Simeão, o Novo Teólogo (949-1022);
• Hildegard de Bingen (1098-1179);
• Gregório Palamas (1296-1359);
• Francisco de Assis (1182-1226);
• Inácio de Loyola (1491-1556);
• Martinho Lutero (1483-1546);
• Jonathan Edwards (1703-1758);
• John Wesley (1703-1791)

3 – Do Pentecostes judaico ao cristãos - Transição do judaísmo ao cristianismo:
Após o exílio na Babilônia, o culto judaico ficou concentrado no Templo em Jerusalém. Isto deu as festas judaicas a importância devida e prevista na lei mosaica.

Os primeiros cristãos judeus logo associaram a Festa de Pentecostes ao cumprimento da profecia de Joel, pois foi a ele que Deus revelou com mais detalhes do derramamento do Espírito Santo nos últimos tempos (Jl 2.23-32).

Como ocorreu a transição do judaismo ao cristianismo:
• Destruição do Templo (70 dc) – contribuição do império romano para a transição;
• Impossibilidade e ou proibição de uso do Templo para sacrificios e rituais, devido a grande dispersão;
• Dependência total da atuação do Espírito Santo.

II. A TRAJETÓRIA DO PENTECOSTALISMO
1 – A promessa da efusão do Espírito:
• Cumprimento da profecia (Jl 2”28-32);
• Disponível a todos quanto o Senhor chamar;
• Agindo continuamente e renovando;

Um dos pontos essenciais do pentecostalismo é a crença de que o avivamento da Igreja é contínuo, ou seja, Deus não cessa de intervir no meio de Seu povo. Teve inicio em Jerusalém, se estendendo depois a Samaria, Antioquia da Síria, Éfeso e aos confins da Terra, alcançando a todos a quanto o Senhor chamar, conforme testemunhado por Pedro durante sua primeira pregação (At 2:16-39). Nesta dispensação, o Espírito habita em toda pessoa por Ele regenerada e salva por Jesus (Jo 14.16,17; 1 Jo 4.13; Rm 8.9).

2 – O movimento pentecostal tem o testemunho dos séculos:
Na história da Igreja, observa-se nitidamente que Deus sempre avivou ou reavivou a sua Igreja em várias ocasiões diferentes. Esses períodos da Era Cristã foram marcados por reavivamentos maravilhosos, onde Deus se manifestou aos seus servos de forma sobrenatural. A doutrina do verdadeiro avivamento não nasceu nos arraiais pentecostais suecos ou norte americanos, mas teve precedentes biblicos-históricos importantes. Por isto esta doutrina, a crença na atualidade da concessão e utilização das operações do Espírito Santo, seja tão polêmica.

Durante todos os avivamentos ocorridos nestes dois milênios, tem havido muitos registros de manifestação do batismo com o Espírito Santo e dos dons espirituais. A partir da Reforma Protestante, quando a Igreja se livrou dos dogmas romanistas, a história registrou com maior intensidade o fenômeno de falar em línguas estranhas. Na Grã-Bretanha, Alemanha, Estados Unidos, foram verificados intensos avivamentos. Grandes homens pregaram com ousadia, sem temerem as represálias das igrejas tradicionais históricas.

Estas mensagens avivadas percorreram o mundo e chegaram ao Brasil em 1910, por intermédio dos missionários Daniel Berg, Gunnar Vingrem (Batistas) e Louis Francescon (Presbiteriano), sendo que os dois primeiros se instalaram ao norte do país, no Pará fundando a centenária Assembléia de Deus, enquanto que o terceiro dedicou seu tempo no sul e sudeste com colônias italianas, dando inicio, tempos depois, aos trabalhos da Congregação Cristã.

3 – O genuíno pentecostalismo:
O genuíno pentecostalismo prima pela ortodoxia bíblica e no cuidado da sã doutrina. As suas principais caracteristicas são:
• Contrição total pelo Espírito Santo;
• Amplo perdão e reconciliação (At 4.32);
• Santidade de vida, dentro e fora da Igreja;
• Renovação espiritual; zelo pelo modelo bíblico (Sl 119.25, 154), e amor;
• Zelo e frequência à casa do Senhor.
• Crença única na Bíblia como Palavra de Deus, inpirada, inerrante e infálivel.

Através destas caracteristicas e do conhecimento da fonte de todo e qualquer movimento, seremos capazes de distinguirmos o verdadeiro do falso, o certo do errado e o santo do profano.

No genuíno pentecostalismo não há espaço para comodismo e indiferença (Ez 37.9), para a sonolência espiritual (Ef 5.14), para a insensibilidade (Cl4.17; 2Tm 1.6), nem para o secularismo (Rm 12.2).

a) Classificação do Pentecostalismo:
• 1ª geração ou históricos – Surgidos na primeira década do seculo XX (Assembléia de Deus e Congregação Cristã do Brasil);
• 2ª geração - surgidos a partir da década de 50 (Quadrangular, Brasil para Cristo, Casa da Bênção, Deus é Amor);
• Neopentecostais – surgidos a partir da década de setenta sendo a principal a Universal do Reino de Deus. Estes novos movimentos se baseiam em uma doutrina conhecida como a confissão positiva, também chamada Teologia da Prosperidade.

Os neopentecostais formam um grupo coexistente com os pentecostais, mas com uma identidade distinta. Possuem uma forma muito sobrenaturalista de encarar sua vida religiosa, com ênfase na busca de revelações diretas da parte de Deus, de curas milagrosas para doenças e uma intensa batalha espiritual entre forças espirituais do bem e do mal, que afirmam ter consequências diretas em sua vida cotidiana. São, em geral, mais flexíveis em questões de costumes em relação aos Pentecostais tradicionais.

A confissão positiva se refere literalmente a trazer à existência o que declaramos com nossa boca, uma vez que a fé é uma confissão. Caracteristicas da confissão positiva:
• Pobreza e doença são resultados visíveis do fracasso do cristão;
• Batalha espiritual, confronto direto com os demônios;
• Maldições hereditárias;
• Possessões de crentes.

III. O VERDADEIRO PENTECOSTALISMO
1 – Caracteristicas das igrejas pentecostais:
• Aceitam a soberania e os mistérios de Deus (At 2:2-13);
• Conservam e aplicam com pureza a sã doutrina (At 2”42);
• Acreditam na atualidade da concessão e uso dos dons Espirituais;
• Cumprem o ide sem restrições, com coragem (At 2:14);
• Comprometimento com a santidade e aperfeiçoamento dos santos;
• Aguarda nas promessas de Deus (Lc 24:49);
• Obedecem aos mandamentos de Deus ( At 2:1) - reunidos no mesmo lugar, anulação da vontade própria;
• Cresce numericamente e em qualidade (At 2:37-42). As conversões vieram pela pregação de Pedro e não pelas línguas estranhas.

a) Doutrinas cristãs pentecostais básicas:
• pecado original;
• penas eternas;
• salvação pela fé;
• escatologia;
• santificação;
• ênfase a doutrina do batismo com o Espírito Santo;
• ensino da atualidade dos dons espirituais;
• aproveitamento do leigo na igreja;
• liturgia informal com oportunidades para testemunhos, cânticos acompanhados ou não por palmas;
• arrebatamento da igreja e dispensa da grande tribulação;
• vinda de Jesus em duas fases distintas;
• ênfase a doutrina bíblica da santificação (Ef 4.13);
• algumas igrejas são rigorosas nos usos e costumes.

b) O Falso pentecostalismo e suas principais características - I Rs 18:20-40 e Ex 32:1-5
• É seguido pela maioria (Ex 32:1; I Rs 18:22, 25) – cresce em número, invenções, mas perde em santidade, em caráter e fidelidade. A maioria perde, como nos dias de Noé;
• Possui fogo falso (Ex 32:24; I Rs 18:25) - fogo de entusiasmos, novidades e caprichos de muitos animadores;
• Culto extenso, repetitivo, muitos movimentos (Ex 32:6, 17-18; I Rs 18:29);
• A divindade invocada no falso culto pentecostal não responde (Ex 32:20; I Rs 18:26-29), pois se trata apenas de movimentações físicas, teatro, show. O falso culto pentecostal é um culto sem ética.

c) Como enfrentar o falso culto pentecostal:
• Convicção (Ex 32:19-21, 27; I Rs 18:17-21) – Elias estava convicto, sabia que servia o verdadeiro Deus;
• Definição (Ex 32:21-24) – o povo estava na duvida, Elias não. “Se baal é o senhor então segui-o. Se Deus é o Senhor, segui-o” - É hora de definição!

d) O que fazer para restabelecer o verdadeiro culto pentecostal:
• Restauração do antigo altar (Ex 32:19-20, 34:1, 4; I Rs 18:30) - Elias restaurou o altar de seus pais. O mesmo altar em que adoravam os seus antepassados;
• Culto com base na palavra de Deus (Ex 34:10, 27-28; I Rs 18:31) - Elias usou doze pedras. Não utilizou outro material para a restauração do altar. Não fez uso da criatividade;
• Ordem no tempo do culto (Ex 34:31-33; 35:1, 20; I Rs 18:36) - Deus havia determinado a hora do sacrifício e Elias obedeceu a Deus quanto ao horário;
• O culto deve ser dirigido a Deus (Ex 34:5-9; I Rs 18:36) e não ao individualismo (aquele irmão, aquela Igreja, aquele missionário, cantor, aquele pregador, pastor);
• Deve haver clamores e orações (Ex 32:30-33, 33:11-23; Ex 34:8-9; I Rs 18:36-37);
• Deve haver fogo do céu (Ex 24:16-18; I Rs 18:34, 38 cf Hb 12:18-20, 29) - Elias derramou água sobre e em volta do altar, a fim de que o povo cego, visse;
• Os empecilhos devem ser eliminados (Ex 32:27-29; I Rs 18:40) - Os falsos profetas podem causar danos, mas não têm poder para destruir o verdadeiro culto pentecostal dirigido ao verdadeiro Deus.

2 – Novos movimentos - Neopentecostais:
• Frutos de dissidências;
• São segmentos esotéricos, místicos;
• Praticam o sincretismo religioso;
• Incorporam em suas liturgias práticas místicas e antibiblicas.

O pentecostalismo é um movimento bíblico, e suas doutrinas também são, portanto, estão com razão aqueles que não aceitam a aplicação da palavra neopentecostalismo. O correto seria neoigrejas pentecostais.

CONCLUSÃO
Salvar ou assegurar a pureza do Movimento Pentecostal é conservá-lo intacto, mantê-lo genuíno, ou seja, fazer permanecer as suas características, as suas finalidades. O derramamento do Espírito Santo tem como objetivo transmitir o poder de Deus ao Seu povo até o fim da dispensação da graça, a fim de criar condições para que haja a evangelização do mundo bem como o aperfeiçoamento dos santos até a volta de Cristo. É esta a finalidade do Pentecostes.

Devemos manter estes propósitos constantes das Escrituras, pois o poder de Deus é transmitido para a glória do Senhor, para a salvação das almas e para o aperfeiçoamento dos santos. Qualquer outro intento que se apresente deve ser repudiado.

Não se pode adotar o misticismo estéril (porque não gera frutos para o reino de Deus) que tanto tem invadido as igrejas locais, nem tampouco se dispensar o verdadeiro Pentecostes por conta de uma “ortodoxia” que, em verdade, representa um formalismo vazio, oco e que, não raro, revela um descrédito no Evangelho completo e poderoso, tal qual constante nas páginas sagradas.

Como é notório, muitas inovações, modismos e práticas descabidas e antibíblicas vêm afetando o genuíno Movimento Pentecostal.

Resumo extraído do conteúdo proposto na lição 9 (Revista Lições Bíblicas) e dos subsídios disponibilizados nos sites abaixo:
http://www.subsidioebd.blogspot.com/ acesso em 24/05/2011
http://auxilioebd.blogspot.com/ - acesso em 23/05/2011
http://www.subsidioebd.blogspot.com/ - acesso em 24/05/2011
http://atitudedeaprendiz.blogspot.com/ - acesso em 25/05/2011
http://luloure.blogspot.com – acesso em 24/05/2011
http://ebdistas.blogspot.com/ - acesso em 24/05/2011
http://www.ebdweb.com.br - acesso diários
http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com – acesso em 24/05/2011
Bíblia de aplicação pessoal – nota de rodapé Atos 2”1

Nenhum comentário:

Postar um comentário