Presidente Prudente (SP),

Apresentação da lição em power point

domingo, 30 de outubro de 2011

pós aula - lição 4 e 5

1. O pensamento dos nobres era o seguinte: Se algo der errado mudamos para outros lugares levando os nossos títulos. O povo se vira e a cidade que continue em escombros;

2. Testemunho real: Aconteceu aqui perto. Um presbítero recebeu uma igreja, sofrida, com poucos membros, mas estava animado. No dia da posse foi dada uma oportunidade para um obreiro local que disse: “Vamos orar irmão, se for de Deus fica, e presbítero por presbítero aqui tem aos montes”. Neemias ouviu o mesmo quando chegou em Jerusalém, pois havia tantos homens fortes, trabalhadores, faltava apenas um que tivesse a chamada e direção de Deus;

3. No caso dos nobres eles se mudariam e levariam seus títulos, já este pastor, citado, se não fosse recebido naquela igreja certamente assumiria outra e continua o seu ministério;

4. Uma boa profecia: “não temas, que Eu estou neste negócio, dentro de 2 meses sua vida mudará, os inimigos serão expulsos, as portas serão abertas. Em exatos 52 dias tu cantarás o hino da vitória”, oh Glória, nunca pensaram nisto? Pelo menos referência biblica teriam;

5. Uma boa campanha: “Participem! 52 dias de oração e jejum! Muros edificados e portas erguidas! Sua vida nunca mais será a mesma”;

6. A igreja deveria submeter a profecia ao crivo da Palavra, assim como fez Neemias quando recebeu a mensagem do falso profeta, ele disse: “e quem há, como eu, que entre no templo e viva? Foi neste momento que ele percebeu a origem da profecia. O profeta ficou calado, não respondeu, pois contra a Lei não havia argumentos;

7. Caso Neemias se refugiasse no templo, profanando-o, certamente os opositores reuniriam o povo para presenciarem a cena, então desta forma todo o trabalho estaria comprometido. Eles diriam: “Este é o líder que nos encorajou? E agora ele está ai infringindo a Lei e profanando o templo somente para preservar a sua vida. Os inimigos foram muito espertos, foi muito bem elaborado este plano;

8. Quando Saul resolveu se antecipar (I Sm 13), será que pensava que o Samuel havia esquecido de suas atribuições? Quem esqueceu foi Saul, pois ele era rei e não sacerdote ou profeta;

9. No capítulo 7 Neemias resolveu resgatar as genealogias dos verdadeiros nobres (nobres foram aqueles que voltaram do exílio, nos três grupos, e os que colaboraram na obra), Sambalate, Tobias e Gesem mereciam algum tipo de citação? Ao menos para lembrar Israel da oposição sofrida? Neemias havia orado (2”20) que eles não teriam memória em Jerusalém;

10. Exemplo de profecia fora do contexto bíblico: “Não temas, eu já visitei o seu pastor e avisei que você largou sua congregação e foi cooperar em outro lugar, não se preocupe, servo meu”, mas se crivarmos a profecia na Palavra chegaremos a conclusão que somos ensinados de outra forma, mesmo que tenhamos muitas interpretações para Hb 10”25, certamente esta mensagem fere esta referência;

11. Esta eu ouvi semana passada: “Deus me disse que eu veria com os meus olhos e eu creio que acontecerá (ATÉ AQUI TUDO BEM, MAS A PESSOA CONTINOU). Eu verei o cumprimento desta promessa, mesmo que Deus tenha que me ressuscitar para contemplar (Hb 9”27 – “E AOS HOMENS ESTÁ ORDENADO MORRER UMA VEZ”, MAS RESSUSCITAR VÁRIAS VEZES PARA CONTEMPLAR AS PROMESSAS QUE NÃO VIU EM VIDA?). Será um vai e vem de crentes morrendo, ressuscitando, porque profecias que não se cumpriram e que não se cumprirão temos ao monte.

Por: Ailton da Silva

minha rotina semanal

A partir desta semana estarei postando os planos de aula e apresentações em power point somente nas sextas, pois as segunda estarei envolvido com os trabalhos da Secretaria da Igreja. Nas terças temos o culto de Ensino da Palavra na nossa sede Regional (Prudente).

Por: Ailton da Silva

lição 6 - proposta

Sejam bem vindos a segunda parte do trimestre. Para Neemias foi tão difícil quanto a primeira. Reconstrução dos muros, passamos por ela. Agora será a luta para resgate dos valores morais, espirituais, resgate de obreiros, ministérios, adoração, fervor religioso, gosto pela Palavra e pelo Ensino do nosso povo.



Por: Ailton da Silva

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Fotos de Sambalate, Tobias e Gesém

Exclusivo: Consegui fotos recentes de Sambalate, Tobias e Gesém. Vejam como eles estão hoje.

A primeira foto foi na ocasião da reunião, após a chegada de Neemias. Eles já estavam traçando os planos.

A segunda foi quando incitaram o exército de Samaria.

A terceira não consegui identificar direito, mas parece que faltava um deles.

A quarta, eu creio foi no término da obra, quando viram que não tinha mais como impedirem os judeus.

Vejam abaixo as fotos:





Por: Ailton da Silva

A conspiração dos inimigos contra Neemias. Plano de aula.

A CONSPIRAÇÃO DOS INIMIGOS CONTRA NEEMIAS

OS INIMIGOS E OS NOBRES
NEEMIAS E OS FRACOS JUDEUS
VAMOS AO VALE? NÃO TENHO TEMPO
DEUS NÃO QUER A OBRA PELA METADE
FESTA EM JERUSALÉM, TEMOR AO REDOR
VAMOS AO TEMPLO? NÃO SOU SACERDOTE
CIDADE COM MUROS – CIDADE SEM PORTAS

PROPOSTA DA LIÇÃO:
• Os muros estavam edificados, mas faltavam as portas nos portais;
• Os inimigos armaram a cilada, mas Neemias disse não ao convite;
• Ele não perdeu o foco, não desceu ao vale e não perdeu seu tempo;
• Neemias não era sacerdote ou levita, era apenas um trabalhador;
• O perigo estava dos dois lados do muro: fora e dentro;
• Os nobres e influentes enviavam relatórios sobre o andamento da obra;
• Em 52 dias concluíram a obra, mesmo com a oposição;
• Espanto entre os gentios. Deus está no meio de Israel.

INTRODUÇÃO
Foram vários os artifícios usados pelos inimigos de Neemias para impedirem a execução da obra. Mesmo diante desta pesada artilharia não alcançaram êxito:
• Desagrado (2”10);
• Zombaria (2”19);
• Ira, indignação e escárnio (4”1)
• Humilhação (4”2);
• Incitação a violência (4”8)
• Boatos (4”12);
• Conspiração contra Neemias (6”2);
• Levantaram falsas acusações (6”6-7);
• Subornaram (6”12);
• Espionaram (6”17-19);

Neemias, em nenhuma destas circunstâncias se deixou intimidar pelas ações dos seus inimigos, antes pelo contrário, se fortalecia a cada ataque, pois a sua liderança se destacava em cada uma de suas decisões. Como um autêntico líder sabia que não teria condições de fugir destas investidas.

Os seus inimigos não deram tréguas e em varias oportunidades ele teve que se mostrar forte para que o povo não desfalecesse ante a oposição. Mas será que algumas destas investidas surtiram efeito na vida de Neemias? Será que por alguns momentos ele não pensou em desistir e voltar para a sua antiga função?

I. A FALSIDADE DOS ADVERSÁRIOS
1. Os muros foram levantados.
Ainda não era hora de comemorar, pois a obra não estava concluída, estava pela metade. Os muros estavam levantados, as brechas eliminadas, mas faltavam as portas nos portais (6”1). sem elas a cidade ainda continuava vulnerável.

Os inimigos aceitaram a reconstrução do muro, pois não havia mais a fazer para impedirem, por isto depositaram nas portas, que faltavam, a ultima esperança para derrotarem os judeus, pois não queriam perder tempo. Se a oposição tinha este cuidado imagina então Neemias.

Eles usaram uma arma que até então não havia sido colocada em prática, tão cruel quanto as anteriores, que tinha um alcance ainda maior e destrutivo, a falsidade. Os inimigos tinham alguns informantes e aliados, mesmo dentro de Jerusalém entre os nobres.

pós aula - sede em Prudente

Devido conferência Teológica do final de semana passado, o Pastor resolveu aplicar a lição ontem a noite na sede em Prudente. Foi ministrada pelo Pastor Gilberto Corrêa, Diretor de Missões do Campo. Abaixo alguns trechos:

Se existe oposição, certamente existe um Deus que sempre nos dará a vitória.

Oposição não é motivo para revide.

Como dá vontade de revidar diante da oposição. Neemias se rebaixaria a tanto?

Ilustração: um aviador durante o vôo percebeu um barulho e viu um roedor entre algumas partes de madeira do avião (antigo), em pouco tempo afetaria a estrutura. Não dava para retornar. Então teve a idéia de subir cada vez mais alto, assim o roedor sofreria com ar rarefeito. Subiu, subiu e resolveu o seu problema. Ele não precisou levantar a mão, blasfemar, praguejar, simplesmente voou para o alto.
Aplicação: na hora da oposição devemos subir ao encontro de Deus, porque o inimigo não resiste.

Matraca: ferramenta que produz um barulho capaz de confundir os inimigos, o faz pensar que está diante de numeroso exército. Não existe matraca neste mundo capaz de impedir o avanço da igreja.

O que teria sido de Neemias, caso tivesse desistido ali mesmo no capitulo 2 quando os seus inimigos demonstraram insatisfação ao praticamente recebê-lo na cidade?

Não podemos impedir que os pássaros nos sobrevoem, mas podemos impedir que aninhem sobre as nossas cabeças.

Críticas são armas de incompetentes.

Politicamente correto ou biblicamente e profeticamente corretos?

Por: Ailton da Silva

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Gincana Bíblica - outras perguntas

Não tenho condições de citar esta fonte, encontrei em forma de apostila avulsa e como tenho observado que são muitos os acessos as perguntas para gincana, que publiquei há algum tempo atrás, resolvi postar estas outras.

61 - O que é que a Bíblia diz a respeito do "fundo de uma agulha"?
R.: Marcos 10:25

62 - Quem era Dídimo?
R.: João 11:16

63 - Quem foi chamado o "amigo de Deus"?
R.: Tiago 2:23

64 - Quem feriu, numa peleja em Gate, um homem que possuia 24 dedos?
R.: II Samuel 21:20;21

65 - Onde a Bíblia fala que se trocava um homem por um par de sapatos?
R.: Amós 8:6

conteúdo da Bíblia

A mensagem de Miquéias para Judá era de juízo, em vez de perdão, esperança e restauração. Especialmente notável é um versículo em que resumo o que Deus requer de nos (6:8).

Extraído da seçção: "Ajuda ao leitor" - Bíblia Sagrada - Harpa Cristá – Baureri

Por: Ailton da Silva

domingo, 23 de outubro de 2011

Lição 5 - proposta


Por: Ailton da Silva

Grupo Musical formosa - Razão pra viver

Que perda de tempo! 22 anos da vida perdidos. Porque não encontrei antes. Tive várias oportunidades, uma em Campo Grande (MS) morando com um presbiteriano, quantas vezes defendi com unhas e dentes a minha antiga religião (que religião?).

Como gostaria de ter nascido neste meio e jamais ter vivido toda a podridão. Como pode ter pessoas que batem no peito e se sentem algo? Todos apodrecerão na Terra, mas naquele dia, no toque da trombeta, ou se estivermos vivos, seremos transformados e subiremos aos ares para o encontro derradeiro e depois, somente festa, gozo, alegria. Somente crente acredita e espera por isto.

O resto é pura ilusão. Ilusão de ilusão, no monte das ilusões.

ENCONTREI JESUS,
ENCONTREI PRAZER,
ENCONTREI A PAZ,
ENCONTREI EM JESUS RAZÃO PRA VIVER



Por: Ailton da Silva

alguns pontos da conferência teológica em Prudente

A nossa EBD foi adiada para o meio da semana.

PASTOR JESIEL PADILHA:
• Saber ouvir e aprender a servir são atitudes indispensáveis na vida de qualquer líder;

• Deus criou a cobra (o homem) mas cortou as suas asas;

• 11”5 – a união dos homens preocupou Deus (desçamos e confundamos);

• Eles queriam chegar ao céu, a igreja também;

• Tinham um bom sistema de comunicação;

• Na torre de Babel as línguas foram confundidas (ficaram estranhas). Na igreja primitiva elas foram repartidas, mas os ouvintes entenderam;

• Todos tem vocação, mas nem todos tem a mesma vocação;

• Deus mudou o testamento quando Jesus morreu. Qual então tem validade? O novo. Então o último perdeu o valor? O antigo testamente ficou para guiar e orientar, mas sempre passando pelo crivo do Novo, senão a igreja corre o risco de adotar praticas judaizantes abolidas;


Teologia negra:
• Pressuposto do racismo: quem não é loiro é negro;
• Não existe judeu loiro (devido ao clima);
• Jesus é judeu;
• Portanto Jesus era negro;

Fazer teológico – ações práticas.

As nossas práticas devem ser mais teológicas que as nossas palavras.

Teologia – fé de olhos abertos, fé lúcida inteligente e crítica.

Saul foi único rei de Israel que correu atrás de profecia e foi enganado.

As tentações de Jesus prenunciou o seu ministério:
• Transforma pedra em pão – os seus recursos financeiros seriam cortados. Quando entrou em Jerusalém não multiplicou pães para o povo;

• Pule do pináculo – o seu poder eclesiástico seria cortado. Quando entrou em Jerusalém dispensou a segurança (legiões de anjos);

• Adorar o inimigo – o seu poder político seria cortado. Perante Pilatos declarou que seu reino não era deste mundo.

Jesus rei exerceu o ministério de profeta. Hoje é sacerdote e logo reinará.

Marcos, o menor dos evangelhos, mas é o livro que registrou Jesus trabalhando com freqüência. Falou menos e trabalhou mais.

Divisão do pecado segundo os judeus:
• Contra Deus;
• Contra o próximo;
• E contra o próprio corpo.

Teologia do machado: João Batista foi o teólogo;

Teologia do menor: Jacó inverteu as bençãos dos filhos de José, o menor recebeu a benção do maior. O menor da casa de Jessé matou o gigante. O filho menor entrou na festa do pai, o maior não (Lc 15”28).

Aviva a tua obra no meio dos anos (no meio do ano não tinha festas?)

Pastor Douglas:
• Pregador sorveteriano;
• Investimentos em títulos: apóstolos, pai apostolo, falta somente o “vice Deus” (grifo meu);

Doutrina pentecostal:
• A realidade do batismo com o Espírito Santo;
• Os dons espirituais a disposição da igreja;
• Busca pela santificação como processo contínuo.

Os cinco pilares da reforma protestante:
• Somente a Escritura e toda a Escritura. A palavra final é o que Deus revelou e somente ela tem valor legal;
• Somente Cristo: a obra de Cristo é suficiente, não precisa acréscimo;
• Somente a Graça;
• Somente a fé;
• Somente a Glória de Deus.

Teses 65 e 66 de Lutero:
• O evangelho era uma rede que pescava os homens de bem. As indulgências eram redes que pescavam os bens dos homens. As indulgências tomavam o maior tempo dentro das igrejas. Elas retornaram, com um roupagem diferente.

Os levitas modernos e antigos:
• Os levitas trabalhavam no tabernáculo (montagens, desmontagens, estacas, lonas, lavagem e carregamento dos utensílios). A música era uma das muitas atribuições
• Os levitas modernos querem somente a música e esquecem das outras atribuições.

As práticas judaizantes foram abolidas na cruz.

Zaqueu era ou não ladrão? Pela tradução fica difícil pois a palavra “se” é condicionante, mas no original temos outra idéia: “já que” ou “visto que”.

Parábola do bom samaritano:
• Estrada de Jerusalém a Jericó era sanguinária (beduínos do deserto);
• O samaritano correu grande perigo ao parar para ajudar, pois também ficou exposto aos beduínos;
• Azeite tinha poder cicatrizador;
• Vinho tinha poder anestésico;
• Ele colocou o moribundo sobre a cavalgadura e continuou a jornada a pé;
• Quem foi o próximo? O doutor fez questão de responder que havia sido aquele que usara de misericórdia. Porque não disse com a boca cheia que havia sido o samaritano, era esperar muito.

Blocos de ensino de Jesus em Mateus:
Início: Cap. 5 - Término: 7”28 – aconteceu que concluindo Jesus este discurso;
Início: Cap. 10 - Término: 11”1 – e aconteceu que acabando Jesus de dar instruções
Início: Cap 11”2 - Término: 13”53 – e aconteceu que Jesus concluindo estas parábolas;
Início: Cap. 18 - Término: 19”1 – e aconteceu que concluindo Jesus estes discursos;
Início: Cap 24 - Término: 26”1 – e aconteceu que quando Jesus concluiu todos estes discursos.


PASTOR ADAÍLTON SANTOS:
• Neo pentecostais são velhos pentecostais travestidos de novas práticas;

• O que fazer para herdar a vida eterna? O que fazer para eu continuar a vivendo desta forma? O que fazer para eu viver eternamente aqui? Porque de vida eterna em outra dimensão, ele não queria saber;

• Teologia da prosperidade incita ao ajuntamento de bens no celeiro, mas quando pedem a alma, neste momento ela não pode fazer nada;

• Pedro, mesmo na prisão, louvava a Deus, pois ele não perdeu o que havia ganho, mas o que a teologia da prosperidade fornece é facilmente perdido;

• Quem não frequenta EBD, cultos de ensino são bons. Bons para destruirem a própria vida;

• A teologia da prosperidade dá a segurança para o homem. Segurança de que vai arder no fogo;

• “deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus” e não o direito;

• Muitas musicas gospel não chegam ao coração do homem, apenas ficam no pé, só no sapatinho (grifo meu). Algumas igrejas norte americanas submetem os hinos ao crivo do ministro de louvor (que não é apenas uma voz bonita. Ele analisa todos os hinos que serão entoados).

Pastor Adaílton Santos (Santos-SP), missionário na Argentina por 27 anos, falou acerca da teologia da prosperidade. Durante o ensino ele testemunhou que por alguns anos esteve, infiltrado, no grupo do reverendo Moon, pois queria recolher material para trabalho. Teve vários encontros com o reverendo, nos Estados Unidos e América Latina, inclusive coordenou diversos eventos. Encontrou diversos pastores conhecidos, de igrejas, de convenções nestas reuniões.Sobre o Benny Hinn, chegou a trabalhar com o grupo e por diversas vezes coordenou campanhas evangelísticas na América Latina e no Brasil. Com o passar dos tempos se desencantou com atitudes e se desvinculou do grupo.

Pastor Carlos Padilha - no encerramento:
• Atos da Assembléia de Deus deveria ser como os Atos dos Apóstolos;
• Lá no céu as ruas são de ouro, as daqui são de piche.

Por: Ailton da Silva

sábado, 22 de outubro de 2011

Conferência Teológica

Pastor Douglas (DF) - assunto: Fundamentos da Exegese bíblica
  • Conceito exegese;
  • Diferença entre exegeta e biblista;
  • Ferramentas de interpretação;
  • As tarefas da exegese: Redescobrindo o passado bíblico, entender a intenção do texto, verificando as bases éticas e doutrinais;
  • Métodos da exegese: Fundamentalista, estruturalista, histórico-crítico;
  • Passos exegéticos: Tradução primária, crítica textual, análise literária;
  • Textos narrativos não podem ser tomados como doutrina. Ex: adultério de Davi;
  • Tradução: Mt 1"6 - no original não aparece a palavra "mulher" para se relacionar a Urias. Somente reforçando: "por isto que aparece em itálico, cuidado com esta palavra". Esta foi boa;
  • Somente reforçando: Ef 5"18: Enchei-vos (voz passiva ou ativa?). Ativa - o sujeito pratica a ação. Passiva - o sujeito sofre a ação. Deus encherá o homem;
  • Batismo com Espírito Santo, passiva ou ativa? Fale em línguas estranhas, fale, fale, fale, faaaaaaaaaaaaale;

Outros assuntos:
  • Manifestações espirituais não podem estar acima da autoridade da Palavra. Elas devem passar pelo crivo;
  • O maior biblista é o inimigo;
  • Teologia da prosperidade já existia em Israel, por isto Jesus ensinou que seria difícil um rico entrar no reino de Deus, porque? Segundo o pensamento judaico, o rico era abençoado por Deus e o pobre e necessitado estava em maldição. Tanto é que os discipulos indagaram sobre quem poderia se salvar então? Se o rico já é abençoado não consegue imagine então o pobre, na maldição;
  • Paulo não construiu suntuosos templos, não era rodeados por multidões e o seu ministério terminou na prisão. "Traga a minha capa". Mesmo assim ele gritou: "Combati o bom combate"
Pastor Jesiel Padilha:
  • função do profeta: anunciar e denunciar (Ez 33"8-9);
  • Com João Batista deu-se a transição do Antigo para o Novo Testamento;
  • Noé: profeta pelo seu exemplo, muito mais que pela sua mensagem;
  • João Bastista disse que era a voz no deserto, porque? Ele era a voz e não o "verbo", não era a "palavra revelada";
  • Jesus foi discipulo de João Batista? Quem não é um bom discípulo, jamais será um bom mestre. Durante 29 anos, mesmo convivendo, ele não soube que Jesus era o Messias, somente quando lhe foi revelado;
  • Ele perdeu tudo, liberdade, discípulos, cabeça, justamente para que Jesus entrasse em cena. "É necessário que eu diminua e que Ele cresça". Jesus como conforto espiritual testemunhou a grandeza do ministério de João;
  • Já imaginaram uma apresentação deste tipo: "Estes homens a minha retaguarda, estes abomináveis servos de Deus";
  • Pedro conhecia o seu público, na sua primeira pregação, por isso citou Joel inicialmente. Se tivesse pregando para os romanos certamente não veria as milhares de conversões;
  • Um pregador deve sempre olhar para as pessoas durante a mensagem, o que ele não pode é ficar olhando para o além;
  • Se um pastor da igreja sentar o povo deita, se deitar o povo dorme e se dormir o povo morre.
Por: Ailton da Silva

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Apresentação do livro: Os patriarcas: Coincidências ou repetição da história?


Esta é uma viagem ao fascinante mundo dos cinco grandes homens de Deus, os patriarcas de Israel, que foram usados para que uma promessa, feita ao primeiro, fosse cumprida na integra.

Foram vários os problemas apresentados por eles. Coincidências, plano, permissões de Deus ou repetição da história? O certo é que as trajetórias foram idênticas.

Nascimentos conturbados, infâncias ameaçadas, juventudes problemáticas, condutas repreensíveis, mas todos foram preservados por Deus.

Em várias oportunidades o inimigo de nossas almas imaginou ou viu o plano de Deus caminhar para outras direções que não o seu cumprimento, mas em todos estes casos ele amargou a derrota.

Nenhum destes patriarcas, durante sua trajetória, foi ameaçado por algum inimigo externo, tampouco enfrentaram doenças ou problemas nos seus respectivos recolhimentos. Todos morreram fartos de dias, velhos e alguns com vigor, até suportariam mais.

  • O primeiro patriarca abandonou família, terras e posses e creu na promessa maior;
  • O segundo recebeu um grande livramento no seu quase sacrifício;
  • O terceiro reencontrou um filho que julgava estar morto. No seu enterro conseguiu reunir três povos, os israelitas, chorando, os egípcios, tristes por José e os cananeus, não entendendo tamanho respeito;
  • O quarto antes de sua morte profetizou que Deus, um dia, visitaria Israel e os retiraria do Egito. Já estava desiludido com o sistema?
  • O quinto, no término de sua tarefa contemplou a Terra Prometida e se alegrou. Ali mesmo findou os seus dias, sendo sepultado pelo próprio Deus, um grande privilégio. Enfim a promessa feita a Abraão, teve o seu cumprimento.

OBS: a correção e aquela olhadinha final, como todo início é complicado, peço que me ajudem se notarem algo. Canais de comunicação não faltam. Disponível em versão impressa e PDF.

Por: Ailton da Silva

Os patriarcas: coincidências ou repetição da história?

Estou liberando oficialmente hoje, para vendas na Perse. Uma editora para autores independente, que trabalha por demanda, por pedidos, ou seja, a impressão é conforme os pedidos e entrega varia de 5 a 7 dia úteis (por Sedex) ou até 13 dias para entrega no sistema PAC. O pagamento pode ser feito via boleto ou cartões.

Um histórico sobre o livro:
Em meados de 1997 iniciei escrevendo algumas crônicas, sem sentido, foi quando um belo dia acordei e resolvi escrever algo sobre a Bíblia, uma passagem A primeira foi de Lamentações 1, sobre a cidade de Jerusalém, sua situação calamitosa, tudo a ver com este trimestre.

E a coisa foi embalando, pesquisando aqui e acolá, lendo outros livros e quando percebi estava com 10 capítulos. Iniciei outro, "Jerusalém, cidade de Deus" e sem perceber acabei este e entrei no terceiro "mensagens do mal e mensagem do bem".

Fiquei com estes três esboços guardados cerca de 5 anos. Desanimei e deixei de lado. Em 2009, peguei os três, não tinha mais as cópias digitadas, somente a impressa, e ameacei queimar, não tive coragem, joguei no lixo, peguei de novo, então quase rasguei, mas resolvi guardar.

No final de 2010 retomei, foi quando notei que o primeiro livro ficaria muito extenso com 10 capítulos, então resolvi dividir e me preocupar apenas com o primeiro e o segundo capítulos, que se transformaram em:
  • primeiro livro: Os patriarcas: Coincidências ou repetição da história:
  • segundo livro: Terra. A preparada para o homem (que estou na fase final, vou publicar no início de novembro)
  • o terceiro estou digitando. Título provisório: "Prefiro murmurar no deserto". E Israel! Sempre nos ensinando com os seus erros.
Como todo início é díficil, não tenho intenções, simplesmente quero desenvolver e socializar o que tenho escrito. É gostoso. A título de curiosidade, os escritores no Brasil, de qualquer ramo, sofrem, escrevem mesmo por gosto, opinião. A grande maioria somente recebem 8% do valor do livro, o restante é tudo imposto, comissões de livraria e despesas com impressão, transporte e divulgação.

Por: Ailton da Silva

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

mais um ano

Nada como um ano após o outro. Não sou muito fã disto, mas como uma amiga do Departamento resolveu fazer este bolo e me presentear.

Por: Ailton da Silva

10) O sermão da montanha - segundo os 4 Evangelistas

MATEUS 5”1-48
• 1 – 12 – a verdadeira felicidade;
• 13 – 16 – Importância do testemunho cristão e ação;
• 17 – 18 – o sentido completo da lei. O seu cumprimento;
• 21 – 25 – não mate, pois será julgado pela lei, mas agora não podem ficar com raiva;
• 27 – 30 - sobre o adultério. Pela lei o adultério consumado gerava condenação, mas agora basta apenas atentar com os olhos para consumá-lo no coração;
• 31 – 32 – sobre o divórcio;
• 33 – 37 – os juramentos. Não podiam quebrar os juramentos, deviam cumprir, mas agora não poderiam jurar por tudo, muito menos por nada. O sim deve ser sim e o não deve ser não. O que passar disto...;

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Como enfrentar a oposição à obra de Deus. Plano de aula

COMO ENFRENTAR A OPOSIÇÃO À OBRA DE DEUS

O VAI E VEM DA OPOSIÇÃO
ERA UMA OBRA OU GUERRA?
NEEMIAS – LÍDER DO GOVERNO
SAMBALATE - LÍDER DA OPOSIÇÃO
OPOSIÇÃO A DEUS OU AO HOMEM?
JUNTO A NEEMIAS (RECONSTRUÇÃO)
JUNTO A SAMBALATE (PARA OPOSIÇÃO)

PROPOSTA DA LIÇÃO:
• Os inimigos se enfureceram porque o povo estava produzindo;
• A intenção era desanimarem o povo antes do início das obras;
• Neemias não se intimidou, pois tinha autorização;
• Fracos judeus unidos trabalhando e enfurecendo os inimigos;
• Deus honraria o esforço dos judeus, por isto tentaram impedir o início;
• Concluiriam a obra caso permanecessem unidos?
• Os inimigos se aliaram para impedirem a continuidade da obra;
• Trabalhos durante o dia. Orações e vigilância a noite e vice-versa;

INTRODUÇÃO
Os que fazem a obra de Deus sempre se depararão com a oposição, pois são muitos os que, guiados pelo inimigo e fazendo uso de suas conhecidas artimanhas, se levantam para atrapalharem.

Neemias sabia que teria muita dificuldade para realizar o que Deus havia colocado em seu coração, mas será que imaginou que a oposição, em Jerusalém, seria tão ferrenha? Aqueles que poderiam somar, juntamente com o povo, foram os que mais atrapalharam o seu projeto.

Eles queriam prejudicar porque imaginavam ser obra de Deus ou porque temiam que todo aquele trabalho pudesse ser usado como um trampolim e palanque político? Na verdade muitos opositores confundem o agir do homem e o de Deus ou associam um ao outro.

O primeiro momento após o recebimento da noticia, o pedido ao rei, a viagem cansativa e longa não foram tão cruéis quanto o falatório e o levante liderado por Sambalate e seus companheiros. A partir de sua chegada na cidade, ele entendeu que seria impossível realizar a obra de Deus sem se deparar com os opositores.

A atuação dos opositores, antes, durante e ao término da reconstrução:
• Perturbaram-se com a autorização e os recursos recebidos por Neemias e quando ele declarou seu objetivo (2”9,10);
• Zombaram e desprezaram quando ele declarou a sua intenção de reconstruir os muros (2”18,19);
• Iraram-se e escarneceram dos judeus quando iniciaram a reconstrução (4”1);
• Durante a construção armaram ciladas, iraram-se, conspiraram para confundir os judeus (4”7-8);
• Fingiram-se aceitando a conclusão, mas a intenção ainda era prejudicar (6”1-9).

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Gincana Bíblica - outras perguntas

41 - Quem encontrou uma colméia em um esqueleto?
R.: Juízes 14:8

42 - Durante quantos dias a morte de Moisés foi pranteada pelos Israelitas?
R.: Deuteronômio 34:8

43 - Qual foi a primeira mulher mencionada na Bíblia como doente da vista?
R.: Gênesis 29:17

44 - De qual monte Moisés viu a Terra Prometida?
R.: Números 27:12

45 - Que rainha foi atirada do alto de uma janela depois de ter se enfeitado?
R.: II Reis 9:30;33

46 - A quem Eliseu mandou abrir a janela para o oriente e atirar?

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

conteúdo da Bíblia

Jonas não queria pregar para a gente de Nínive, que era inimiga do país do profeta. Quando finalmente, levou a mensagem enviada por Deus, seus habitantes se arrependeram.

Extraído da seção: "Ajuda ao leitor" - Bíblia Sagrada - Harpa Cristá – Baureri

Por: Ailton da Silva

Conferência Teológica - Presidente Prudente


Sexta feira:
19h30 - Oração e louvor
20h - Palestra - Princípios da Exegese Cristã I

Sábado de manhã:
09h00 - Devocional
09h30 - Palestra 1 - Princípios da Homilética Cristã I
10h30 - Palestra 2 - Pressupostos da Apologética Cristã I

Sábado a tarde:
14h00 - Devocional
14h30 - Palestra 1 - Pilares da Administração e Liderança I
15h30 - Palestra 2 - Premissas da Reforma Protestante

Sábado a noite:
19h - Devocional
19h30 - Palestra 1 - Princípios da Exegese Cristã II
20h30 - Palestra 2 - Pilares da Administração e Liderança II

domingo de manhã
9h - Devocional
9h30 - palestra 1 - princípios da homilética cristã II
10h30 - palestra 2 - pressupostos da apologética cristã II

Assuntos:
  • Princípios da homilética Cristã;
  • Fundamentos da Exegese Bíblica;
  • Pressupostos da Apologética Cristã;
  • Pilares da Administração e Liderança;
  • Premissas da Reforma Protestantes

Professores:
  • Pr. Douglas Baptista, Brasília (DF);
  • Pr. Jesiel Padilha de Siqueira, Santos (SP);
  • Pr. Adailton Santos, Santos (SP)
Por: Ailton da Silva

sábado, 15 de outubro de 2011

G-A 「エリヤの日」 Days of Elijah



Por: Ailton da Silva

Proposta da lição 4

Para download acesse: www.slideshare.net/ailtonsilva2000

Por: Ailton da Silva

Escolha a sua porta!

Se estivessemos em Jerusalém sendo liderados por Neemias certamente trabalhariamos como os demais, mas imaginemos a seguinte situação:

Neemias nos permitindo escolher qual portas desejaríamos reconstruir, qual escolheríamos e que desculpas daríamos:
  • Porta da ovelha - é muito estreita, dificil de passar por ela, não são todos que conseguem;
  • Porta do peixe - tem cheiro forte. Este povo que se achega a Deus cheio de problemas, com seus vícios, problemas e dificuldades;
  • Porta Velha - está cheia de pessoas desanimadas, antigas;
  • Porta do vale - "meu Deus e meu Pai", livra-nos do mal, chega de luta;
  • Porta do Monturo - lixo espiritual, isto não serve para minha vida, pessoas mortas em seus próprios delitos;
  • Porta da Fonte - muita neninice, não precisa tudo isto;
  • Porta do Micfade - não precisa orar tanto, vigiar muito é bobagem, Deus sabe todas as coisas.
Como é difícil, para qualquer líder, trabalhar desta forma. Somente Deus.

Por: Ailton da Silva

Portas abertas e janelas fechadas

As portas de Jerusalém estavam abertas (queimadas, destruídas) e as as JANELAS do céu estavam fechadas. Esta foi boa Malaquias

Por: Ailton da Silva

Dinâmica para domingo

QUEREM INVADIR OS TEMPLOS (DE ISRAEL E DO ESPÍRITO SANTO)

A vigilância deve ser constante, pois o inimigo andar ao derredor bramando como leão, a procura de brechas para invadir e tomar o nosso maior tesouro espiritual. A nossa salvação.

MATERIAL NECESSÁRIO
• Uma caixa, baú ou algum objeto para simbolizar a arca de Israel e outro para simbolizar o espírito do homem (sugestão: a Bíblia);
• 4 alunos.

DESENVOLVIMENTO – TEMPLO DE JERUSALÉM:

Colocar os três alunos em fila, cerca de 1 metro de distância e a arca depois do terceiro. O quarto aluno deverá ficar ao derredor dos três (de preferência, se puder, bramando como leão). Cada um terá a seguinte função:
• O primeiro representará os muros de Jerusalém. Oriente para que fique de braços abertos;
• O segundo representará o Templo;
• O terceiro representará o Santo dos Santos
• O quarto representará o inimigo de Israel.

Missão do inimigo de Israel:
Invadir Jerusalém e tomar a arca. O quarto aluno deverá simular a invasão da cidade. Para isto ele:
• Derrubará primeiramente o muro (eliminando o primeiro aluno);
• Depois a sua intenção é profanar o Templo (eliminando o segundo);
• Quando chegar no Santo dos Santos (terceiro aluno), peça um tempo e pergunte a ele (como se o professor também fosse um invasor) se tem realmente coragem de fazer isto e se é preciso? Oriente para que ele responda que é necessário, pois roubando o maior símbolo deles a vitória será maior. Trabalhe I Samuel 4”11-21 (Quando Eli soube que Israel havia fugido, não se importou muito, pois um dia ganha e outro perde, normal. Quando soube que seus filhos estavam mortos, talvez tenha se lembrado do que Samuel tinha lhe profetizado a respeito deles, mas quando soube do roubo da arca (I Sm 4”18), caiu para trás, sua nora gerou e não fez caso da criança “Icabô)
• O invasor deve pegar a arca e retornar pelo mesmo caminho, ou seja, saindo do Templo e passando pelos muros caídos.

DESENVOLVIMENTO – TEMPLO DO ESPÍRITO SANTO:
Colocar os três alunos em fila, cerca de 1 metro de distância e ao final a Bíblia. O quarto aluno deverá ficar ao derredor dos três (de preferência, se puder, bramando como leão). Cada um terá a seguinte função:
• O primeiro representará o corpo humano;
• O segundo representará os nossos sentidos (olfato, visão, tato, paladar e audição), frise a classe que todos estes sentidos também são importantes para mantermos uma vida espiritual saudável;
• O terceiro representará a nossa alma, intelecto, pensamento, emoções;
• O quarto representará o espírito do homem.

Missão do inimigo da igreja:
Invadir o Templo do Espírito Santo. O quarto aluno deverá simular a invasão ao Templo. Para isto ele:
• Atingirá o corpo humano (eliminando o primeiro aluno), através de ofertas, manjares, mentiras, argumentos para isto não faltará;
• Depois ele atingirá os nossos sentidos (eliminando o segundo aluno), para cegar espiritualmente (visão), desencorajar a ouvirmos (audição), a discernirmos (paladar), manusearmos (tato) a Palavra e impedindo de sentirmos o aroma (olfato) gostoso da presença de Deus eem nossa vida;
• Passando pelos nossos sentidos o inimigo não encontrará obstáculo para atingir a nossa razão, emoção, intelecto, a nossa alma (elimine o terceiro aluno). Este é o momento de trabalhar o refrigério da alma;
• Pronto, o caminho está aberto para o inimigo tomar a nossa salvação.

CONCLUSÃO:

A função dos inimigos de Israel, do passado, e o da igreja é roubarem o maior tesouro, para os judeus era a arca, para nós é a nossa salvação. Mas para atingir este seu objetivo, os inimigos precisaram e precisam somente de uma minúscula brecha.

Dificilmente ele conseguirá encontrar esta falha se estivermos de acordo com a Palavra, assim como se tornava difícil vencerem Israel com os muros erguidos e as portas levantadas.

Por: Ailton da Silva

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Conferência Teológica

Em Presidente Prudente - sede
Por: Ailton da Silva

Necessidades de muros

Levando-se em conta as preocupações da época, tipo: segurança, guarda de tesouros e patrimônio e proteção dos reinos, não temos como contestar a necessidades de muros em volta das cidades. A mentalidade dos povos era esta. Invadir, tomar e proteger para que ninguém invadisse e tomasse o seu próprio território.

A mentalidade da humanidade é outra, turismo a pleno vapor, apesar que os temores ainda existem, mas devido aos inúmeros equipamentos de segurança e vigilância, radares, satélites, equipes de inteligência e outros, as preocupações não sejam tão intensas. Hoje, os muros que existem não são para impedir invasões e sim para segregar.

Se ainda fossem necessários muros para proteger cidades imaginem como estaria muita delas? A minha estaria desta forma.

Inventei nomes para 4 portas e murei em volta, mas é duro quando não temos história e tradição para nomear. Olhem a importância de Jerusalém, para eles e para a humanidade.


Por: Ailton da Silva

Dinâmica para domingo

Aproveitando a aula do irmão Ev. Luiz Henrique, adaptei um comentário dele a respeito:
  • do muro;
  • Templo;
  • o lugar Santo dos Santos
  • arca;
  • o corpo humano;
  • os sentidos humanos;
  • alma;
  • espírito do homem.
Amanhã a noite eu publico a dinâmica.

assista a aula do Ev. Luiz Henrique:

Por: Ailton da Silva

9) Os primeiros discípulos de Jesus - segundo os 4 Evangelistas

MATEUS 4”17-24
• 12 – Jesus voltou para Galiléia, pois João Batista estava preso, para fugir da oposição de Nazaré e para alcançar um número maior de pessoas, pois Cafarnaum era bem mais movimentada;

• 17 – Jesus pregava em Cafarnaum sobre a vinda do reino de Deus, mesma mensagem de João Batista?

• 18 – viu dois irmãos, Simão e André;

• 19 – lançou o convite;

• 20 – não tinha como eles resistirem;

• 21 – conseguiu mais dois, Thiago e João (Filhos de Zebedeu);

• 22 – deixaram tudo, inclusive o pai;

• 24 – e a fama corria pela Síria? Em Israel quem corria era a oposição, queriam pegá-lo em algum ato ou palavra.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Osvaldo Nascimento - Eu Quero Ver

Meus tempos de mocidade!


Por: Ailton da Silva

Aprendendo com as portas de Jerusalém. Plano de aula.

APRENDENDO COM AS PORTAS DE JERUSALÉM

PORTAS PARA JUSTIÇA?
PORTAS PARA COMÉRCIO?
PORTAS PARA SEGURANÇA?
“JUNTO A ELE” “E AO SEU LADO” “E DEPOIS DELE”
CAMPANHA: 12 PORTAS ABERTAS EM JERUSALÉM?
APRENDER COM AS PORTAS OU COM OS FERROLHOS?
PORTAS ABERTAS? ELAS ESTÃO QUEIMADAS, NÃO SE ENGANEM!

PORTA DO GADO OU OVELHAS - PORTA DO CORDEIRO
PORTA DO PEIXE - PORTA DO CRESCIMENTO DO REINO
PORTA VELHA - PORTA NOVA (NOVAS CRIATURAS)
PORTA DO VALE - PORTA DO EIS QUE ESTOU CONTIGO
PORTA DO MONTURO - PORTA DO “TUDO SE FEZ NOVO”
PORTÃO DA FONTE - PORTA DE ATOS 2
PORTA DE MICFADE - PORTA DO VIGIAI, ORAI E PREGAI

PROPOSTA DA LIÇÃO:
• O que fazer se as portas estavam queimadas e os muros fendidos?
• Eram presas fáceis para os inimigos e para a contaminação;
• Porta das ovelhas (gado): Figura de Cristo, edificado pelos sacerdotes;
• Porta do peixe: Fomos chamados para sermos pescadores de homens;
• Porta Velha: Legítima doutrina cristão, jamais será derribada;
• Porta do vale: Quebrantamento, contrição e humilhação perante Deus;
• Porta do monturo: Passagem do lixo do mundo para ser queimado;
• Porta da fonte: Fonte de água viva para matar a nossa sede;
• Porta de Micfade ou guarda: Zelo pela Palavra de Deus;

INTRODUÇÃO
Jerusalém possuía 12 grandes portas, sendo, cada uma, nomeada de acordo com a função, aplicação e pelas influências que exerciam sobre a vida do rei e dos sacerdotes:
1. Porta do Gado ou das ovelhas (3:1);
2. Porta do Peixe (3:3);
3. Porta Velha (3:6);
4. Porta do Vale (3:13);
5. Porta do Monturo (3:14);
6. Porta da Fonte (3:15);
7. Porta do Cárcere (12:39);
8. Porta das Águas (3:26);
9. Porta dos Cavalos (3:28);
10. Porta Oriental (3:29);
11. Porta de Mifcade (3:31);
12. Porta de Efraim (8:16).

Elas transmitiam segurança, proteção e defesa, mas também eram usadas estrategicamente pelas autoridades a fim de administrarem os conflitos ou erros do povo (Dt 17:5-8), portanto não eram apenas grandes objetos de madeiras (Ne 3”6), ferro (At 12”10) ou bronze (Sl 107.15,16), por isto era comum existirem fontes de água nas proximidades das portas para facilitar em caso de incêndio durante as tentativas de invasões.

Pela ausência de praças públicas, elas eram utilizadas como locais de concentração do povo para realizarem seus negócios (Jó 29.7; Am 5.10-12), comercializarem seus produtos e para ouvirem a leitura da Lei (Ne 8”1-3) e também serviam de testemunhas para os resgates de autoridade e soberania dos governantes, pois ali eram resolvidas as demandas judiciais (Dt 17”5). Durante as guerras eram os locais mais vigiados, pois se caíssem as portas a cidade seria facilmente dominada.

Todas estavam queimadas e os muros fendidos. Que tipo de segurança havia naquela cidade? A reconstrução deveria ser urgente, mas como, sem ânimo e diante de uma crise sem precedentes? Neemias responsabilizou cada família na reconstrução de trechos do muro
A solução encontrada por Neemias e diante da orientação de Deus.

Atualmente a cidade possui apenas oito portas:
1) A Porta Nova;
2) A Porta do Esterco
3) A Porta das Flores
4) A Porta de Jafa
5) A Porta de Damasco
6) A Porta dos Leões;
7) A Porta de Sião;
8) A Porta Dourada.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

conteúdo da Bíblia

Obadias profetizou o juízo sobre Edom, um país vizinho vizinho de Israel.

Extraído da seção: "Ajuda ao leitor" - Bíblia Sagrada - Harpa Cristá – Baureri

Por: Ailton da Silva

mais 20 perguntinhas

Não tenho condições de citar esta fonte, encontrei em forma de apostila avulsa e como tenho observado que são muitos os acessos as perguntas para gincana, que publiquei há algum tempo atrás, resolvi postar estas outras.

21 - Qual era o outro nome de Josué?
R.: Números 13:16

22 - Porque o povo de Israel passou quarenta anos no deserto?
R.: Números 13:25 com 14:34

23 - Onde se diz que Moisés deu um beijo?
R.: Êxodo 18:7

24 - Onde se lê de uma nação inteira lavando sua roupa?
R.: Êxodo 19:14

25 - Onde a Bíblia menciona "latrinas"?
R.: II Reis 10:27

26 - Que versículo Bíblico fala contra o ato de fumar?
R.: Gálatas 5:21 "...e coisas semelhantes a estas..."

27 - Onde a Bíblia menciona "pirâmides"?
R.: Jeremias 31:21

Proposta da lição 3

Para download acesse: www.slideshare.net/ailtonsilva2000

Por: Ailton da Silva

9) Os primeiros discípulos de Jesus - segundo os 4 Evangelistas

MATEUS 4”17-24
• 12 – Jesus voltou para Galiléia, pois João Batista estava preso, para fugir da oposição de Nazaré e para alcançar um número maior de pessoas, pois Cafarnaum era bem mais movimentada;
• 17 – Jesus pregava em Cafarnaum sobre a vinda do reino de Deus, mesma mensagem de João Batista?
• 18 – viu dois irmãos, Simão e André;
• 19 – lançou o convite;
• 20 – não tinha como eles resistirem;
• 21 – conseguiu mais dois, Thiago e João (Filhos de Zebedeu);
• 22 – deixaram tudo, inclusive o pai;
• 24 – e a fama corria pela Síria? Em Israel quem corria era a oposição, queriam pegá-lo em algum ato ou palavra.

MARCOS 1”14-20
• 14 – João Batista estava preso, por isto Jesus foi para a Galiléia, para pregar;
• 15 – estava pregando como João Batista?
• 16 – viu Simão e André lançando a rede;
• 17 – 18 – eles lançavam rede, Jesus lançou o convite e não tinha como resistirem;
• 19 – depois encontrou Thiago e João;
• 20 – os dois largaram o pai e seguiram Jesus.

LUCAS 5”2-11
• 2 – viu dois barcos e os pescadores lavando a rede;
• 3 – entrou em um dos barcos, de Pedro, pediu para que se afastassem para ensinar a multidão;
• 4 – era no mar alto que estavam os peixes maiores, lançai a rede novamente;
• 5 – trabalharam a noite toda e não apanharam nada, mas Jesus estava mandando. Quem tem juízo obedece;
• 6 – obedeceram, então o milagre aconteceu;
• 7 – se os companheiros dos outros barcos não tivessem ajudado eles teriam enfrentado sérios problemas. Será que estes companheiros estavam entendendo o que estava acontecendo, ou estavam também maravilhados com a pesca?
• 8 – Ausentar-se porque era um pecador? Agora que era a hora para se aproximar, ficar perto, pois de pecadores seriam transformados em pescadores;
• 10 – Thiago e João também estavam presentes e aceitaram o convite;
• 11 – deixaram tudo e seguiram Jesus.

JOÃO 1”35-51
• 35 – João Batista estava por perto com dois de seus discípulos;
• 36 – outro testemunho de João Batista – "Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”
• 37 – os seus discípulos ouviram a sua declaração e seguiram o Mestre;
• 38 – Jesus testou eles: “o que buscais”? Queriam descobrir a sua morada;
• 39 – foram, viram e ficaram com Ele, durante aquele dia e o resto da vida deles, nunca mais o deixaram;
• 40 – era André (Simão veio depois);
• 41 – depois encontrou seu irmão Simão e lhe disse: “achamos o Messias”;
• 42 – Simão encontrou Jesus e recebeu um novo nome;
• 43 – no outro dia foi a vez de Felipe e Jesus foi taxativo: “vem e segue-me”;
• 45 – Felipe encontrou Natanael e falou acerca de Jesus: “vem e vê”;
• 46 – pode vir alguma coisa boa de Nazaré: “vem e vê”;
• 47 – Jesus conhecia Natanael, sua nacionalidade e caráter;
• 48 – antes que fosse chamado, por Felipe, antes que estivesse debaixo de figueira e antes de ser formado no ventre, Natanael já era conhecido por Jesus;
• 49 – Natanael creu;
• 50 – creu porque somente foi visto debaixo da figueira, então ele veria coisas maiores;
• 51 – veria anjos descendo e subindo.

PRÓXIMO ASSUNTO: SERMÃO DA MONTANHA

Fonte:
Bíblia de estudo aplicação pessoal. CPAD, 2003

Bíblia Sagrada: Nova tradução na linguagem de hoje. Barueri (SP). Sociedade Bíblica do Brasil, 2000

Bíblia Sagrada – Harpa Cristã. Baureri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 2003.

Por: Ailton da Silva

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Jerusalém - Cidade Velha

Observem a porta fechada!


Por: Ailton da Silva

PORTA DE DAMASCO JERUSALEM ISRAEL POR DUONE LATINO



Por: Ailton da Silva

mensagem 37 - José acordou nas frias priSÕES e dormiu no palácio tomando deciSÕES

FICHA DE JESUS X FICHA DE JOSÉ
LEVANTEM A FICHA DE JOSÉ - O EX-PRESIDIÁRIO
FARAÓ DISSE: “EU VOU CONFIAR NESTE HEBREUZINHO”

A fama de interpretador de sonhos correu os corredores egípcios e chegou até o desesperado Faraó. A grande e potente nação seria abalada pelo temor da crise. O pior foi saberem que o salvador da pátria seria um simples hebreu, sem qualificação ou formação, um futuro ex-presidiário. Faraó estava preocupado com o presente da nação, mas José estava pensando nos quatorze anos seguintes. Mas porque, se era um hebreu? Porque tanta preocupação?

1) Como se lembraram de José
Mais cedo ou mais tarde alguém se lembrará.

2) Qual as condições físicas de José:
Teve que passar por uma transformação antes de se apresentar a Faraó.

3) Conselhos de José:
• Faraó deveria prover-se de um varão inteligente e sábio (no Egito não tinha homem com este perfil);
• Este homem deveria ser colocado sobre a terra do Egito, como governador, ou seja, deveria ser reconhecido e respeitado;
• A quinta parte de toda a produção deveria ser retira nos anos de fartura;
• Deveriam ajuntar o máximo que pudessem de comida e trigo.

4) Quem é este que está assombrando o Egito?
• O Egito estava alvoroçado com a decisão de Faraó em recompensar um ex-presidiário pela interpretação e conselhos dados;
• José estava prestes a sair do anonimato;
• A única salvação para o Egito era confiarem em José. O chão tremeu, o teto veio abaixo;
• Não havia nenhum homem egípcio em condições de administrar tamanha crise.

5) A ficha de José:
Rapidamente levantarem a ficha do salvador da pátria e tiveram uma surpresa. Era extensa, não pelos crimes, mas pela experiência:
• filiação:
Hebreu, filho de Abraão, Isaque e o pai dele é um tal de Jacó, uma linhagem de pastores, pura abominação.

• Família
Foi traído pelos seus irmãos, jogado em uma cova, desacreditando em seus sonhos e foi vendido por vinte moedas de prata. Pelo menos Faraó não deveria se preocupar com distribuição de cargos ou regalias para a família de José, pois estavam todos longe e mesmo que estivessem perto jamais seriam beneficiados em detrimento ao sofrimento egipcio.

• Condição sócio econômica:
Estava cumprindo pena, mas era inocente. Qual foi a acusação? Chegaram a conclusão que não houve crime. Ficou preso porque a mulher era mais importante que ele. Acharam melhor manterem o controle e paz nos corredores palacianos. Seria arriscado colocar em dúvida do caráter de algumas pessoas. O lado mais fraco pagou.

• Formação secular:
Não tinha formação secular, mas estava se portando com um tal. O Egito não investia em seus prisioneiros, mas seria beneficiado por um deles. O mundo também não auxilia ou tampouco colabora para o crescimento da obra de Deus. E a igreja faz algo para ajudá-los, enquanto eles zombam? Nós pregamos e apresentamos o reino dos céus.

• Posses?
Seque ainda possuía a túnica que ganhou de seu pai, pois ela foi dividida, rasgada e manchada com sangue de um cabrito inocente. Foi desprezado pelos seus irmãos, serviu como escravo e se tornou prisioneiro.

• José saiu da prisão para receber uma grande benção, a sua vitória e oferecer os seus serviços para salvação do Egito.

6) A ficha de Jesus:
• Jesus era filho de carpinteiro, igualmente abominação para os romanos;
• Jesus morreu pela humanidade mesmo não tendo pecado, preferiram manter a ordem de Israel do que alvoroçar toda a nação. Neste caso a o lado mais forte pagou a sentença;

• Jesus foi rejeitado, mas oferece salvação a todos aqueles que crêem no seu Nome. Ele sempre deu importância à revelação que vinha do Pai, do alto e não ao conhecimento humano;

• Jesus esvaziou-se de sua Glória, veio para os que eram seus, mas eles não o receberam. Se fez carne, habitou entre os homens, foi esquecido, desprezado e teve as suas vestes repartidas entre os soldados que o crucificaram;

• Jesus agonizou no Getsemâni, mas encontrou forças em Deus para continuar sua missão. Foi traído e vendido por um de seus discípulos por 30 moedas de prata;

• Jesus morreu e ressuscitou, não para vitória sua, mas para abrir a porta da salvação para a humanidade.

7) Entreguem o comando para José:
• Curiosidade no império: quem é este homem e como adquiriu tamanho conhecimento?
• Era um escravo, um prisioneiro, mas como poderia ser tão sábio?
• Pelo menos tinham certeza de que não havia sido eles que investiram na educação e formação de José;
• Como confiar a administração daquela potência nas mãos de um hebreu, sem estudo, formação, condições físicas, psicologias para tal cargo? Um ex presidiário;
• Foi lhe concedido o alvará de soltura? Trocaria a pena pelos serviços que prestaria ao Egito? O que aquela nação havia feito para merecer tamanha atenção por parte de José.

8) Deus já entregou o comando para José:
• Por serem estudiosos da história das nações antigas, deveriam saber que o Deus dos hebreus costuma humilhar os fortes para exaltar os fracos e que confundir os sábios é a sua especialidade;
• Somente Deus poderia fazê-los entregar o controle de tudo para um jovem, inexperiente, sem conhecimentos técnicos, que de uma hora para outra saiu das profundezas das prisões para dar conselho a maior potência da época;
• Os sábios e capacitados egípcios aceitarem aquela afronta. Eles não tinham alternativas. Faraó já havia depositado a confiança e sabia que o Deus dos hebreus estava naquele negócio.
• Não adiantava a torcida contra, pois todo o Egito sofreria caso José falhasse nesta sua missão.

9) Tudo se fez novo no Egito:
• O modo respeitoso como olhariam para os hebreus;
• Eram novos tempos mudança de vida e cultura, pois aquela fartura vista até então não existiria mais;
• Tampouco a injustiças sociais, banquetes desnecessários. Foi uma mudança radical.

10) Como José trabalhou estas mudanças em sua vida?
• De uma hora para outra, a libertação, uma recompensa, um trabalho digno, um bom salário e respeito. Imaginava ser aquela situação resposta de suas orações e resultado de sua fé?
• Como estava com o poder nas mãos conseguiu permanecer isento da cultura religiosa egípcia, afinal quem o obrigaria a fazer algo que não aprovasse. Agora era uma autoridade com plenos poderes dentro do Egito.
• Sua administração foi um sucesso e por isto eles conseguiram a provisão antes do temido período de fome. O acumulado serviu para eles e para atender as nações vizinhas. Certamente esta abertura para atendimento a outras nações não partiu do egípcios, mas sim de José.

11) Conclusão: José falou na hora certa:
• Por várias vezes José poderia ter reclamado da situação, mas sempre permaneceu de boca fechada;
• Ficou em silêncio na cova;
• Caminhou em silêncio até ao Egito;
• Permaneceu e silêncio enquanto trabalhava;
• Ficou em silêncio na prisão;
• Mas na frente de Faraó não deveria ficar calado. Era hora de falar.

Por: Ailton da Silva

É melhor participarmos da EBD senão:

Para não participarmos com estas:

Chamar isto de escolinhas? Isto é uma afronta as práticas pedagógicas sadias, que tem por objetivo maior o sucesso do processo educacional, incluindo a educação cristã. Por isto que os educadores seculares e cristãos devem fazer uso do olhar crítico reflexivo.

Depois a própria sociedade aparece nas “telas quentes” aos prantos, quando presenciam crianças matando e morrendo. Este estágio é a conseqüência dos atos primeiros, que são: o desrespeito nas salas de aula, as brincadeiras maliciosas feitas por alunos aos professores (nas ditas escolinhas eles fazem e todos acabam gargalhando), mas na vida real o resultado é bem diferente.

Quantos de nós não tivemos os nossos áureos tempos de grupos escolares, guardanapo nas carteiras, guarda pó, maletas para o material, lancheiras, as repetitivas filas para início das aulas e hoje, qual o modelo de aula que a tv nos apresenta: brincadeira, zueira, malícia, sexualidade aflorada, mulheres semi-nuas, quando não se desnudando na tela. E ainda falam que isto é um programa familiar. Os filhos dos atores (porque de comediantes não tem nada, são copista, decoradores de textos) são incentivadas, por eles, a assistirem? Duvido.

Sugestão para os humoristas: Criem:
  1. A penitenciaria do Delegado Raimundo;
  2. O hospital do Doutor Raimundo;
  3. O necrotério do barulho;
  4. A fila do INSS do gugu
Com a educação é bem mais fácil. Por isto que o governo federal investe na formação dos professores, com incentivos e programas, mas o que adianta? Nos finais de semana são permitidas as ridicularizações.

Por: Ailton da Silva

Participação na EBD

Esta eu ouvi ao final da aula de ontem, um dos alunos (evangelista) no encerramento disse a seguinte frase:

"PARTICIPAR DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL É COMO CONSTRUIR MUROS EM FRENTE DA PRÓPRIA CASA"

O assunto do trimestre já está fazendo efeito.

Por: Ailton da Silva

move as PEDRAS, Senhor!

Neemias trabalhava junto ao povo, feliz, louvando a Deus. É possível que durante os trabalhos tenha assobiado um louvor mais ou menos parecido com este:

MOVE AS PEDRAS SENHOR, MOVE AS PEDRAS SENHOR
MOVE AS PEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEDRAS


Por: Ailton da Silva

pós aula - lição 2

Esta foi boa: “sem oposição o trabalho não cresce, assim como a luz somente é produzida pela ação do positivo com o negativo (fase e neutro)”. Prova disto foi a igreja primitiva. "O vento espalhou a chama";

1. Neemias estava lidando com novos convertidos, se levarmos em conta a alegria e a disposição com que estavam trabalhando, de coração, para o sucesso da obra;

2. É possível que Neemias tenha visto muitos judeus carregando pedras que eram duas ou mais vezes pesadas que seus corpos, a disposição era tamanha, e os jovens e as mulheres?

3. Seria muito fácil encontrar valentes e corajosos durante a luz do dia, pois o inimigo estava visível, mas o difícil seria nas trevas. Como enfrentar os inimigos na escuridão? Todos em suas casas, enquanto que a cidade estava totalmente desprotegida;

4. A ordem para o retorno foi direcionada para todas as tribos, mas o envolvimento com a Assíria e os temores impediram que as outras dez voltassem, somente Judá e Benjamim voltaram (Bíblia de Aplicação pessoal comentário de Ed 1”5)

5. Notícias de Hanani: povo caído, sacerdotes distantes de Deus, cidade em ruínas, É O FIM DO MUNDO;

sábado, 8 de outubro de 2011

Os retornos - alguns fatos históricos relevantes

1) Sairam do Egito: recém libertos da escravidão, famintos, fracos, doentes, pobres (mesmo com os pagamentos do egipcios) e rumaram em direção a TERRA PROMETIDA, enfrentando todos os inimigos que se levantavam;

2) Sairam da Babilônia, alguns pobres, doentes, fracos, sem estruturas (ainda que muitos estavam felizes e prósperos naquelas terras), mas a grande maioria retornou nestas condições e pior, sabiam que a situação de Jerusalém era calamitosa. Estavam indo para o trabalho e muito trabalho e o inimigo estava esperando;

3) Sairam de todos os cantos do mundo (1948), muitos refugiados de guerra, sobreviventes do holocausto, pobres (pois na saída ou expulsão foram confiscados seus bens), doentes e no outro dia estavam em condições de guerrear contra um de seus inimigos histórico que estava encabeçando a liga das nações árabes.

Por: Ailton da Silva

reunião de obreiros hoje em Prudente

Esta eu ouvi hoje de manhã durante a reunião de obreiros:

1) Como é a oração de caçador:
• o irmão chega na igreja e ajoelha rapidamente;
• olha para os lados e procura a presa;
• e a abate;
• e se levanta rapidamente, como se nada tivesse acontecido.

2) Esta também: "o único lugar do mundo onde se acabam os sonhos é na padaria". Nunca ouvi isto, primeira vez.

3) Outra: O Pastor Carlos Padilha estava testemunhando a respeito do lançamento da pedra fundamental em Corumbá, quando pastoreava a igreja, e o pastor José Wellington estava presente. Naquele dia houve inúmeras conversões. O problema era o horário do trem, que partia em um único horário e avisaram que já estava na hora, qual foi a resposta do pastor José Wellington? "Com esta festa maravilhosa, vocês acham que vou embora, deixa para amanhã"

4) Outra: Neste mesmo tempo o Pastor Carlos Padilha fez um propósito com a igreja de que fossem trazidos oitenta visitantes no culto para aceitarem Jesus e na hora do apelo ele contando chegou até as 79 entregas. Ele disse: "vai chegar nas oitenta, pois eu também me entrego"

Por: Ailton da Silva

Neemias e Paulo - épocas diferentes e missões idênticas

Quando Neemias soube da situação de Jerusalém, através do relato de seu irmão Hanani, não pensou:
• no seu póprio bem estar;
• nao priorizou seus projetos pessoais;
• não se importou com a sua segurança;
O plano de Deus para a sua vida era este e ele se doou integralmente.

O mesmo aconteceu com o apóstolo Paulo, pois ao conhecer a situação da igreja em Antioquia (At 11"25 - gentios recém-convertidos famintos pela Palavra), pelo relato de Baranbé (seu irmão na fé, que o apresentou a igreja de Jerusalém, quando da sua conversão), ele não mediu esforços e não pensou:
• no seu próprio bem estar;
• não priorizou seus projetos pessoais;
• não se importou com a sua segurança.

Quando foi enviado para a obra missionária (At 13), ele sabia que estava sendo encaminhado para a reconstruir nações e povos, que desconheciam a Palavra. Seria uma construção, reconstrução, reforma, seja o que for o trabalho seria árduo. E neste caso ele também não pensou:
• no seu próprio bem estar;
• não priorizou seus projetos pessoais;
• não se importou com a sua segurança.

Por: Ailton da Silva

pós aula - lição 1

A nossa primeira aula foi ontem. Mesmo com a historicidade da lição, deu para refletirmos em muitos pontos. Realmente este trimestre nos levará a uma teologia reflexiva.

1. Qual foi a intenção de Hanani ao contar a situação de Jerusalém para Neemias? Será que foi com a certeza de que um grande líder seria levantado pela sua conversa? Quantas conversas nossas não produzem metade do que esta produziu em Neemias.

2. Hanani precisava conversar com alguém. Ele imaginava que Neemias ficasse triste, chorasse e depois o despedisse em paz. Jamais esperava que fosse deixa-lo tão perturbado. Será que Hanani entendeu tanta preocupação? Ele não foi chamá-lo para resolver o problema, apenas desabafar. Bem diferente de Barnabé quando foi atrás de Saulo para ajudá-lo em Antioquia;

3. Arriscar minha vida por um povo que não estava assim tão preocupado. Largar tudo, jogar para o alto minha carreira. Sequer recursos, formação secular tenho, diplomacia então, passa longe, somente entendo de vinhos;

4. “esta cidade não tem jeito, acabou, Nasci assim e vou morrer assim.”. Os judeus não tinham esperanças da reconstrução. Não havia necessidade de um homem forte, mas sim de um homem corajoso, um verdadeiro líder. Não estava ali entre eles, viria de longe, preciasava ser assim? Quantos que se julgam em condições e não fazem e quantos fazem sem terem as condições. Não importa, se está longe, sem recursos, sem formação, mais cedo ou mais tarde será levado para o lugar onde Deus deseja usar e pronto;

5. O fato de serem orientados a reconstruírem perto de suas casas poderia motiva-los a capricharem mais?

6. O período de diferença entre a invasão assíria e a babilônica foi pouco mais de 130 anos e Judá não percebeu a aproximação do perigo. Ah, se fosse hoje? "aconteceu com o irmão, vou ficar esperto"

Por: Ailton da Silva

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

"De volta para a minha terra" - (abomino este tipo de programa)

Muitos nasceram naquelas terras e não se viam na obrigação de chorar por ela, brigar ou muito menos reedificá-la, prova disto foi o número reduzido dos que disseram sim a Zorobabel, Esdras e Neemias, nos respectivos retornos.

Às vezes fico imaginando a cena ocorrida no primeiro minuto pós proclamação da independência de Israel, que alvoroço, aeroportos lotados, estações rodoviárias e ferroviárias, rodovias, mares, júbilos de alegria de um povo retornando para as suas terras após um longo período de separação.

Que sensação gostosa, pisar na areia, beber das fontes, respirar o ar, subir nas árvores, reconstruir suas casas, prédios, resgatar o sentimento nacionalista, mas enfrentar logo no dia seguinte a fúria da liga árabe e o pior, com um exército recém formado.

Se fosse hoje teríamos redes de TV e internet ao vivo, programas de auditório (que particularmente abomino) acompanhando passo a passo o retorno de um judeu. Tele jornais sendo transmitidos diretamente das fronteiras, portais reconstituindo a história. Um número incalculável de judeus retornando de todos os cantos da terra. A diferença para o que ocorreu no Egito foi que lá estavam todos reunidos no mesmo lugar. Então porque na Babilônica também não tiveram este sentimento? Que luta terrível para Zorobabel, Esdras e Neemias convencê-los?

O que me entristece é que os 430 anos no Egito e o tempo em que ficaram dispersos no mundo, cerca de 1900 anos, foram cruéis e tristes, mas não tanto quanto o cativeiro. Este período fez um estrago muito grande na vida e na mente deles. Se levarmos em conta o princípio da proporção, poderíamos imaginar que os 70 anos foram capazes de tirar muito de Israel, o que dirá então o quase meio milênio de escravidão e os dois de dispersão, humilhação e sofrimento pelo mundo afora.

O que não seria possível perderem em cerca de dois milênios? Em 7 décadas esqueceram a própria língua, o respeito pela história dos patriarcas e da nação. A espiritualidade, até foi aceitável, pois estavam vislumbrados com a cultura babilônica e por serem duros de coração, o que poderia se esperar?

Existe alguma diferença entre os retornos de Zorobabel, Esdras e Neemias com o movimento sionista? Enquanto estavam na miséria, esquecidos, no opóbrio, não apareciam nenhum dos inimigos, mas foi somente os três retornarem com o ideal da reconstrução para se inflamarem.

O mesmo ocorreu com Israel, no momento da proclamação do estado judeu, em 14 de maio de 1948, há poucas horas do vencimento do mandato britânico, pois enquanto estavam dispersos pelo mundo, excetuando o holocausto, todos os seus inimigos estavam reservados. Poucas horas depois do auge do movimento sionista eles apareceram furiosos para atacarem o recém formado estado judeu, totalmente indefeso, no pensamento deles. A vitória seria esmagadora, senão tivesse UM velando e guardando a sua nação.

Era bem possível que o movimento sionista estivesse prevendo a reação árabe, mas os judeus que retornavam alegre também esperavam? Por tudo isto deveria ser bem reduzido o número de judeus voltando para Israel, pois estariam ciente que estavam se dirigindo para uma guerra inevitável. Ou voltaram confiantes no verdadeiro mar de rosas prometido, enfim o reino restaurado?

Os que estavam além fronteiras sofreram e os que decidiram pelo retorno muito mais, pois não tiveram tempo para cozerem bolos (já vimos esta história antes) e não receberam presentes das nações as quais estavam abandonando (a história no êxodo foi diferente). Em muitos lugares o anjo da morte passou e devastou a casa dos judeus e não do inimigo, perderam tudo, confiscaram seus bens com intenção de enfraquecer Israel, pois a promessa destas nações era que as riquezas não sairiam com os judeus.

Esta também foi a intenção de Faraó ao propor a Moisés que levasse o povo para sacrificar a Deus ali mesmo na terra do Egito, ou quando um pouco afastado e no auge de sua prepotência quando propôs a saída do povo sem comida e víveres, para serem facilmente recapturados ou vencidos.

No Egito, Iraque, Síria, enfim no mundo árabe muitos foram permitidos saírem, mas sem nada, para que poucos dias depois, não oferecessem resistência ao ataque da liga árabe, talvez por isto muitos árabes tenham fugido tão logo o estado judeu foi declarado. A previsão de carnificina era real. Logo o território seria tirado dos judeus. Será que Deus inflamaria o seu povo, diante do cumprimento de uma profecia (Is 66"8) para depois permitir que saíssem envergonhados no outro dia.

A história nos mostra 3 retornos do exílio babilônico, Zorobabel, Esdras e Neemias e em outras três ocasiões Israel retornou para as suas terras, regozijante, com voz de jubilo e principalmente, assombrando o mundo, vejamos:
• Saída do Egito – para adorarem a Deus no deserto a caminho de 3 dias, mas também para serem direcionados para uma terra que manaria leite e mel, promessa feita a Abraão, as terras de Israel. As notícias da caminhada corria todas as nações. Eles temiam pela passagem do povo por seus territórios (Js 2"9).

• Retorno do exílio – 70 anos de perdas (idioma, espiritualidade, história, tradições, nacionalismo). As nações deram testemunhos desta caminhada de vitória e júbilo (Sl 126);

• A criação do estado judeu – em poucos dias o mundo ficou assombrando diante da vontade e disposição judaica de retorno as suas terras e origens. Mas o que alarmou todo o planeta foi a capacidade daquele exercito, recém formado, vencer em poucos dias, a liga das nações árabes encabeçada pelo Egito. Repetição da história, pois este foi o primeiro império vencido após a saída da escravidão.

Por: Ailton da Silva