Presidente Prudente (SP),

Apresentação da lição em power point

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

A rebeldia dos filhos. Plano de aula


TEXTO ÁUREO

Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele (Pv 22.6).

VERDADE PRÁTICA

Os pais que negligenciam a educação dos filhos, estão cometendo grave pecado diante de Deus.

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

I Samuel 2.12-14,17,22-25.
12 - Eram, porém, os filhos de Eli filhos de Belial e não conheciam o Senhor;
13 - Porquanto o costume daqueles sacerdotes com o povo era que, oferecendo alguém algum sacrifício, vinha o moço do sacerdote, estando-se cozendo a carne, com um garfo de três dentes em sua mão;
14 - e dava com ele, na caldeira, ou na panela, ou no caldeirão, ou na marmita; e tudo quanto o garfo tirava o sacerdote tomava para si; assim faziam a todo o Israel que ia ali a Siló.
17 - Era, pois, muito grande o pecado desses jovens perante o Senhor, porquanto os homens desprezavam a oferta do Senhor.
22 - Era, porém, Eli já muito velho e ouvia tudo quanto seus filhos faziam a todo o Israel e de como se deitavam com as mulheres que em bandos se ajuntavam à porta da tenda da congregação.
23 - E disse-lhes: Por que fazeis tais coisas? Porque ouço de todo este povo os vossos malefícios.
24 - Não, filhos meus, porque não é boa fama esta que ouço; fazeis transgredir o povo do Senhor.
25 - Pecando homem contra homem, os juízes o julgarão; pecando, porém, o homem contra o Senhor, quem rogará por ele? Mas não ouviram a voz de seu pai, porque o SENHOR os queria matar.

PROPOSTA DA LIÇÃO

  • Como é difícil educar uma criança!
  • Qual a diferença entre disciplina e castigo?
  • Disciplina com sabedoria: sinônimo de educação;
  • Pais: não ”terceirizem” a educação de seus filhos;
  • Filhos rebeldes: Caim, Hofni, Fineias e Absalão;
  • Rebeldia: sinônimo de pecado;
  • Morte de Absalão na rebeldia, dor para o pai;
  • Mesmo assim Davi demonstrou todo o seu amor pelo filho;
  • A disciplina conduz o filho ao caminho da obediência.

INTRODUÇÃO
Os filhos são presentes e herança do Senhor (Sl 127.3), portanto devem ser tratados e levados à uma vida em direção ao caminho da obediência, mas como é difícil instruí-los para andarem na presença de Deus. Para isto é necessário o uso da sabedoria e orientação divina, sem a qual é impossível o cumprimento desta tarefa.

O desejo dos pais é que os filhos se tornem pessoas de bem, obedientes, cumpridores de seus deveres e acima de tudo, servos do Deus Altíssimo.

O que temos visto, na atualidade, são os filhos aflorando a rebeldia, cada vez mais cedo, motivados pela “cultura de contestação”, programas televisivos, juntamente com o acumulado nas escolas ou com o descontrole dos pais, que em nada contribuem para a formação do caráter santo e sadio da criança. Sobre isto o professor Francisco de Assis Barbosa escreveu:

“Pais irritam seus filhos principalmente quando confundem autoridade com autoritarismo. Quando ultrapassam a linha entre autoridade amorosa e autoridade ditatória. Quando existe um padrão duplo, um para o pai, outro para o filho. Quando o pai aproveita seu tamanho, sua posição, seu intelecto, sua autoridade, para escravizar o filho, ou ridicularizar o filho, ou pegar no pé do filho, ou nunca pedir perdão do filho. Os filhos são presentes de Deus e herança do Senhor”.

I – A DISCIPLINA EVITA A REBELDIA
1 – O QUE É DISCIPLINA
Disciplina não é castigo, como muitos pais possam imaginar, mas sim é algo bem mais profundo, edificante e que contribui para a estrutura e formação do caráter santo e sadio da criança.

Disciplinar é dar limites e parâmetros (Pv 23.13) e não retirar a liberdade e alegria ou tampouco pode ser vista como uma simples forma de castigo corregedor.

A criança deve entender que não pode fazer o que deseja em qualquer momento ou lugar. Existe uma linha imaginária, uma faixa amarela que não pode ser ultrapassada, mas ela não entende isto, por isto é necessário o ensino e de vez em quando a aplicação da disciplina, conforme determinado na própria Palavra (Pv 13.24; Hb.3-6). Mas como corrigir a criança sem provocar traumas? Sobre isto o pastor Geraldo Carneiro discorreu:

“A correção não deve ter o efeito de uma trovoada sem relâmpago, em noite escura, em que o viajante não vê a estrada. O estrondo do trovão pode assustar e causar terror. O relâmpago pode trazer luz para o caminho. A correção não deve faltar o ensino (que produz consciência do que está errado) de como fazer o que é certo. Antes de qualquer castigo, os pais devem deixar bem claro, com bastante antecedência, quais as regras convenientes. Devem esclarecer o que é e o que não é comportamento aceitável. Quando a criança, deliberadamente, prefere desafiar os limites que lhe foram impostos, e o faz de maneira atrevida, é tempo de levá-la a lamentar o seu feito desobediente, aplicando-lhe a devida correção.

2- O PORQUE DA DISCIPLINA
Disciplinar não provoca ressentimento, raiva ou afastamento da criança da presença dos pais, mas isto é um dos fatores que inibem a aplicação da disciplina, pois muitos pais esperam estas reações por parte dos filhos.

A disciplina, quando administrada com sabedoria, provoca a segurança na criança e a faz sentir amada e aceita, é uma expressão do amor paternal (Hb 12.5-11). Sem disciplina, limites e parâmetros, “a criança, o adolescente, o jovem, tenderão a serem filhos desobedientes, instáveis, rebeldes”.

A primeira disciplina aplicada com sabedoria na história da humanidade foi vista ainda no Éden, quando Deus, depois de declarar a sentença da serpente, se dirigiu ao casal e aplicou a correção (Gn 3.16-19).

Eles não forram severamente punidos, mesmo que merecessem, pelo contrário, foram instruídos pelo caminho novo que trilhariam (cfe Pv 22.6), pois na primeira oportunidade souberam, após o nascimento de Caim, atribuir a Deus a glória pelos feitos (Gn 4.1).

3 – OS PAIS DEVEM DISCIPLINAR
Isto é tarefa exclusivamente caseira, dos pais, que devem ser “bairristas” e não elementos multiplicadores da terceirização no que diz respeito à educação de seus filhos.

Como confiar o presente, que interferirá no futuro do filho, nas mãos de terceiros? Teriamos coragem de entregar esta responsabilidade aos Caims (Gn 4.17) e Lameques (Gn 4.23-24) da vida? Babás, professores seculares e de EBD, TV, mídias sociais, jamais terão o mesmo resultado que os pais. Não disciplinar a criança quando devido “poderá influenciar no futuro dela criação de filhos, tudo depende do relacionamento de amor existente entre

II – FILHOS REBELDES
1 – Filhos que não ouviram os pais.
Mesmo negativos, encontramos na Palavra, exemplos reais de filhos que desrespeitaram seus pais para que por eles, pudéssemos aprender para não permitirmos os mesmos erros em nossas vidas com os filhos, que fatalmente acabam punidos com a morte (Ex 21.15-17; Lv. 20.9).

a) Caim:
Educado em condições iguais a de seu irmão, porém seu coração se encheu de inveja, ira e ciúmes (Gn 4.5), insubmisso, indiferente, egoísta, enganador e incrédulo, pois não acreditou no aviso de Deus (Gn 4.7) e permitiu que sua vida fosse manchada. A culpa não foi dos pais, mas do próprio filho que fez a sua escolha.

b) Hofni e Finéias:
O sacerdote Eli, durante 40 anos, julgou Israel, mas foi um péssimo pai para os seus filhos, que o envergonharam pela rebeldia, conforme tradição judaica.

Foi capaz de instruir e preparar um sucessor, Samuel, mas não soube educar seus filhos no caminho do Senhor. A disciplina com sabedoria não foi aplicada naqueles jovens, quedavam verdadeiros coices nos sacrifícios oferecidos no Tabernáculo (I Sm 2.29).
  • Eram filhos de “belial” (I Sm 2.12), inúteis, imprestáveis, sem valor;
  • Tomavam parte dos sacrifícios antes de serem oferecidos ao Senhor (I Sm 2.13);
  • Comiam a carne antes que a gordura fosse queimada durante os sacrifícios (I Sm 2.16, cfe Lv 3.3-5);
  • Ameaçavam tomar os sacrifícios à força, caso não fossem atendidas suas solicitações (I Sm 2.16b);
  • Se ajuntavam as mulheres à porta das congregações (I Sm 2.22).

Eli não procurou disciplinar seus filhos e fazia vistas grossas, fingia que nada estava acontecendo, fugiu da responsabilidade, não agiu e praticamente disse: “Se Deus quiser agir e fazer o que eu não estou fazendo, Ele pode fazer, mas eu não vou agir”. As conseqüências deste desleixo do pai foram inevitáveis e trágicas, tanto para ele, quanto para toda a família e nação:
  • Os filhos foram mortos pelos filisteus (I Sm 4.11), castigo pela rebeldia;
  • Morte do pai ao saber do ocorrido com os filhos (I Sm 4.18);
  • Perda da arca da aliança (I Sm 4.11);
  • Morte da esposa de Finéias, ao dar a luz (I Sm 4.120);
  • Nascimento de Icabo, “foi-se a glória de Deus” (I Sm 4.21).

c) Absalão:
Jovem formoso, que assassinou seu irmão Amnon (o primogênito e sucessor direto de Davi), que havia cometido violência sexual contra sua irmã a mando de um primo (II Sm 13.1-29). Ele tomou esta decisão, pois o pai ao tomar conhecimento do ocorrido não demonstrou nenhum tipo de reação para corrigi-lo (cfe II Sm 13.21-23).

Como não foi disciplinado pelo ato (cfe II Sm 13.31), o seu coração se encheu ainda mais de maldade, a ponto de desejar o trono do próprio pai, que para não matar o filho, resolveu fugir (II Sm 15.14). Por algum tempo, se tornou inimigo do próprio pai, agindo como filho rebelde, desrespeitando seu pai e rei e Deus.


2 – AS CONSEQUÊNCIAS DA REBELDIA
Que tragédia para a casa de Davi e para a nação? A disciplina não teria mais efeito, por isto restou como única alternativa a paralisação momentânea da administração central do reino e a posterior fuga. Se tivesse corrigido o filho nada disto teria acontecido. A rebeldia de Absalão trouxe serias consequências para todos.

As conseqüências do pecado da rebelião, que é comparado à feitiçaria (I Sm 15.23) são inevitáveis e penosas, tanto que os personagens que fizeram uso deste instrumento foram punidos com a morte, tal como Caim, que perdeu a habilidade para cultivar a terra, se tornando um errante, Hofni e Finéias que foram mortos pelos filisteus e Absalão que foi morto pelas tropas do pai (II Sm 18.14-15). 

III – O QUE FAZER DIANTE DA REBELDIA DE UM FILHO
1 – NÃO BUSCAR CULPADOS
Davi chorou muito na morte de Absalão (II Sm 18.33), bem mais que na morte de Amnon, momento em que negligenciou a aplicação da disciplina em seu filho assassino. A dor foi tremenda, mas quem foi o culpado por tudo aquilo? Ele, Absalão, o primo (II Sm 13.5) que aconselhou a violência contra Tamar?

O filho morreu na rebelião, fruto da falta de aplicação da disciplina com sabedoria, mas opai não procurou um culpado, mesmo que a situação apresentasse vários.

a) O tecido foi rompido:
O erro de Davi não foi na instrução e educação de seus filhos, mas sim na ausência da disciplina, quando necessária. Como pai e rei deveria ter reunido seus filhos e orientados para que dessem continuidade, com temor e sabedoria, à sua exemplar administração. Ele não foi capaz disto e permitiu que o tecido fosse rompido.

b) “Obrigado pelo privilégio de sermos uma família especial”;
Muitos pais não conseguem manter os filhos reunidos em torno do mesmo ideal de vida e fatalmente colhem trágicas conseqüências tal como Eli e Davi colheram.

Davi poderia ter mantido seus filhos envolvidos na causa santa, na administração do reino, da nação de Deus, homens de oração, de corações quebrantados, mesmo diante de erros, mas eles preferiram outros caminhos em desconformidade com o exemplo do pai.

c) Continuidade da administração exemplar do pai:
Os filhos não foram envolvidos no ideal de administração do pai e não se uniram para manterem a boa obra iniciada. Tudo seria mantido, haveria continuidade nas conquistas e o reino seria mantido unido, quando da morte de Davi, mas eles preferiram conspirações, mentiras, mortes, violências e tramas.

O caráter dos filhos demonstrado quase abalou a estrutura da nação, mas Salomão, com pulso forte e sabedoria de Deus, tomou as rédeas e não permitiu que os feitos dos irmãos pudessem colocar um fim na memória davídica.

2 – Demonstrar um amor incondicional.
Eli e Davi, mesmo decepcionados, continuaram amando seus filhos. As escolhas foram erradas, afetaram outras pessoas e até mesmo a nação, mas isto não diminuiu o amor do pai e tampouco eles foram tratados como inimigos, principalmente no caso de Davi e Absalão.

Os pais devem resgatar sua autoridade, respeitando os filhos, demonstrando carinho incondicional. Lembrem-se: o tecido não pode ser rompido.

CONCLUSÃO
Deus concedeu aos pais a nobre missão de educar os filhos, através da disciplina, a qual conduzirá a criança ao caminho da obediência. Através dos exemplos bíblicos negativos, mas edificantes, devemos manter “as rédeas da disciplina familiar” para que no futuro, os filhos não enfrentem as trágicas e inevitáveis conseqüências da rebeldia.

1) Compreender: Que a disciplina evita a rebeldia.
  • Disciplina não é castigo, é mais profundo e edificante;
  • A disciplina evita a rebeldia e não provoca raiva.

2) Discutir: Os exemplos bíblicos de filhos rebeldes.
  • Caim, invejoso;
  • Hofni e Fineias, “filhos de Belial”;
  • Absalão, considerou o pai como um inimigo.

3) Conscientizar-se: Os pais devem amar os filhos rebeldes.
  • O erro dos filhos não diminuiu o amor dos pais.

REFERÊNCIAS:
BARBOSA, José Roberto A. A rebeldia dos filhos. Disponível em: http://subsidioebd.blogspot.com.br/2012/08/licao-08.html. Acesso em 15 de agosto de 2012.

BARBOSA, Francisco de Assis. A rebeldia dos filhos. Disponível em: http://auxilioebd.blogspot.com.br/2012/08/licao-8-rebeldia-dos-filhos_888.html. Acesso em 15 de agosto de 2012.

Bíblia de estudo aplicação pessoal. CPAD, 2003

Bíblia Sagrada: Nova tradução na linguagem de hoje. Barueri (SP). Sociedade Bíblica do Brasil, 2000

Bíblia Sagrada – Harpa Cristã. Baureri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 2003.

CARNEIRO FILHO, Geraldo. A rebeldia dos filhos. Disponível em: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com.br/2012/08/3-trimestre-de-2012-licao-n-08-19082012.html. Acesso em 15 de agosto de 2012.

CHRISTENSON, Evelyn. O que acontece quando oramos por nossa família. Editora Mundo Cristão, 2007.

 

LOURENÇO, Luciano de Paula. A rebeldia dos filhos. Disponível em: http://luloure.blogspot.com.br/2012/08/aula-08-rebeldia-dos-filhos.html. Acesso em 15 de agosto de 2012



Por: Ailton da Silva (18) 8132-1510

Nenhum comentário:

Postar um comentário