Apresentação da lição em power point

domingo, 27 de janeiro de 2013

Lição 4 - pós aula

PRECISAVA CHEGAR A ESTE PONTO, ISRAEL?
Que vergonha para Israel ouvir isto de Elias: “Se Baal é deus sirva-o”. Como deve ter doido o coração do velho profeta ao proferir estas palavras.

Israel não precisaria ouvir isto, tampouco a igreja: “se o mundo é o teu deus, então siga-o”, não precisamos ouvir isto.

Se o mundo te der alguma prova que pode te abençoar, te galardoar, ou te conceder a vida eterna, mas se tudo for material, previsível, temporal, então caia fora.

Realmente Deus não reúne o seu povo em vão, eis a prova, mas se Baal tivesse mandado apenas uma gotinha de água que fosse naquele dia ou pelos menos um palito de fósforo aceso, o povo certamente viraria as costas para Deus. Que fascínio que tinha por aquela estátua.


OS FIÉIS DA HISTÓRIA
Eis uma congregação de homens santos e tementes a Deus: 1 profeta ousado e corajoso, 100 profetas sustentados por pão e água e 7000 fiéis que não se renderam a Baal.

Um que não tinha papas na língua, outros que não viam a hora de colocarem em prática seus ministérios proféticos, ora paralisados, pela malvada Jezabel e os 7000 fiéis que desejavam tanto verem a confirmação dá fé de cada um deles.

Quando estes homens apareceram? Eles apareceram no momento em que todos foram convocados por Elias (1 Rs 18.19). A ordem era para convocar todo Israel.


ELIAS, O FANFARRÃO? OU FANFARRÕES FORAM OS PROFETAS DE BAAL
O bloco da alegria chegou todo confiante. Os profetas de Baal chegaram cantando vitória antes da hora. Eles gritavam: olê, olê, olê Baal, Baal.

Eles riram quando viram do outro lado do “ring” apenas Elias e alguns poucos fiéis, diante da multidão que coxeava entre dois pensamentos.

Jezabel, pensou que ficaria ZERO A ZERO, então foi embora, descansar em seus aposentos, considerando que a ordem era para que todo Israel se reunisse no Carmelo, sem dúvida, ela também iria, pelo menos para apoiar seus profetas.

Na verdade ela não queria se sacrificar, nem mesmo pelo seu deusinho.

Elias não estava mais suportando a vontade de entrar em ação. Ficou ao lado olhando, não vendo a hora de orar e acabar com aquela palhaçada toda.
  

ELIAS PERDEU A OPORTUNIDADE DE FICAR FAMOSO!
Elias orou e Deus respondeu com fogo imediatamente, não precisou esticar a pregação, não precisou prolongar o louvor ou “apelar no apelo”. Ele não se preocupou em fazer seu nome, apesar que esta era a hora. Qualquer outro, na atualidade, aproveitaria aquela oportunidade para se aparecer.

Porque Elias não prolongou os trabalhos? Se ficasse ali dando sopa, enrolando, certamente Israel o idolatria em lugar de Baal.

Talvez tenha sido este o motivo porque Moisés não entrou na terra prometida e seu corpo tenha sido escondido por Deus. Ah, se ele entrasse e morresse e fosse sepultado naquelas terras, certamente teríamos caravanas e caravanas saindo do mundo todo. 

Alias, foi isto o que aconteceu com Paulo em sua primeira viagem missionária. “Os deuses fizeram-se semelhantes a nós”, (nós humanos, At 14.11).
  

CORAGEM DE ELIAS PARA PROFETIZAR, REUNIR, DESAFIAR E ZOMBAR
Profetizar que não choveria e sumir no mapa (1 Rs 17.1-3) ou profetizar que choveria (1 Rs 18.1) e continuar meio sumidinho seria até, digamos, fácil, mas falar que: “reúna todo o Israel e há de ser que o Deus que responder com fogo”, depois de nossas orações há de ser o Deus verdadeiro, que coragem!

Se Elias tivesse “zombado” dos profetas de Baal antes dos clamores, se tivesse falado algo no inicio, ele teria apanhado, mas como os profetas estavam cansados de clamarem sem respostas ele não ligaram. Estavam sem gás, desencorajados e com a fé abalada.

Duvido que alguém consiga colocar Baal ou outros deuses no coração de um judeu na atualidade. Eles foram curados deste mal na Babilônia (Dt 6.4).

O cativeiro babilônico curou Israel da idolatria a tal ponto de não aceitarem nem mesmo o próprio Deus Filho se declarando igual ao Pai (Jo 10.30-31).

Sincretismo religioso não perdoa, divide corações.

Número alto de profetas de Baal, também com os benefícios, casa, comida, sombra e água fresca. Viagens financiadas pelo Estado para percorrerem todas as 10 tribos para dividirem o coração de Israel. Que empregão era este!

Número reduzido de profetas de Deus, era em virtude da perseguição de Jeza, matou e perseguiu a muitos, exceto 100 e Elias.

Tem profetas de Baal que se Elias batesse o pé ou engrossasse um pouco a a voz, eles sairiam correndo, com medo do verdadeiro Deus.

Dos 850 profetas sábios, inteligente se fiéis a Baal, quantos foram aproveitados? Zero!

Por: Ailton da Silva - Ano III

Nenhum comentário:

Postar um comentário