segunda-feira, 21 de junho de 2021

Geografia Bíblica - aula 4

IV – FAMÍLIA E COMPORTAMENTO

1) FAMÍLIA

Os hebreus mantinham costumes, tradições e procuravam preservar a identidade nacional. A família era considerada a mais importante instituição.

 

2) NOIVADO

Entre os hebreus o noivado era um compromisso sério, que criava um vinculo tal como o casamento e somente a morte poderia dissolver. Poderia durar de um mês a sete anos. O relacionamento sexual somente ocorria após as núpcias. Nesse período a noiva continuava na casa do pai. O casamento era realizado quando o noivo acabava a construção da casa.

 

3) CONTRATO DE CASAMENTO, NÚPCIAS, CASAMENTO E LEVIRATO

O contrato de casamento era acertado pelo pai do noivo, pelo irmão mais velho ou por um parente mais próximo. Excepcionalmente era acertado pela mãe ou amigo da família. Os dotes eram pagos pelo noivo, que oscilava entre 30 e 50 siclos de prata, como uma recompensa ao pai pela perda da filha. O casamento entre irmãos era proibido pela Lei de Moisés.

As nupciais eram celebrações que variavam entre sete dias ou mais, dependendo do poder aquisitivo dos noivos. Com seus amigos, o noivo se dirigia a casa da noiva, que estava esperando com as vestes nupciais e com o rosto coberto por véu.

A poligamia era aceitável, porém com algumas restrições previstas na lei mosaica, tipo: as mulheres não poderiam ser irmãs, ou mãe e filhas e o marido não poderia se relacionar com as esposas ao mesmo tempo. Em relação ao casamento misto, essa prática era abominada (Dt 7.1-4).

Havia também a prática do levirato, uma permissão para a viúva se casar com o irmão do falecido, caso não tivessem filhos. Isso dava segurança a ela e manteria a memória do marido e a herança na família (Dt 25.5,6).

 

4) DIVÓRCIO

O divórcio era permitido na Lei Mosaica devido ao coração duro dos israelitas. Com essa permissão muitos se aproveitaram para romper o matrimô­nio por quaisquer motivos. Alguns repudia­vam a esposa por não achá-la graciosa. Deus não aprovava esse comportamento, apenas tolerava. O rompimento era oficializado pela carta de divorcio (Dt 24.3-4).

 

5) ESTERILIDADE

Um costume da região, trazido das primeiras civilizações, permitia que a esposa estéril oferecesse servas para que seu marido não ficasse sem herdeiros. Esse filho poderia ser adotado pela esposa principal (Gn 16.1-4; 30.1-13), no entanto, caso a principal viesse a ter filho, poderia transferir os direitos do filho da serva para o seu (Gn 21.8-10), tal como fez Sara.

 

6) FILHOS

Os filhos são herança do Senhor (SI 127.3-5) e os israelitas cultivavam esse pensamento. As filhas eram consideradas mão de obra por seus pais, por isso na ocasião do casamento era oferecido dote para compensar a perda.

 

7) CIRCUNCISÃO

A circuncisão era, para os judeus, um dos mais importantes itens da Lei. Era o sinal e selo da aliança que Deus fez com Israel, através da vida de Abraão. Era um rito religioso com caráter moral e espiritual, consistindo em um sinal físico de que a pessoa pertencia ao povo com o qual Deus fez um pacto. Era também um sinal de obediência a Deus (Gn 17.11; At 7.8).

 

8) HERANÇA

A primogenitura era respeitadíssima em Israel e garantia ao filho mais velho a porção dobrada dos bens. As filhas recebiam a herança paterna somente na falta de irmãos. As que não recebiam eram sustentadas pelos irmãos que se encarregavam, inclusive, de seu casa­mento. Na falta de filhos, a herança poderia ser destinada aos servos, caso o senhor assim desejasse. Esse costume da região, trazido de povos antigos, era a maior preocupação de Abraão, pois ainda não havia sido abençoado com filhos (Gn 15.2-3).

Outro fator determinante para as questões sobre herança era a posse de ídolos domésticos que passavam de geração a geração, ou seja, o filho a quem fosse confiado a posse e guarda desses ídolos seria constituído herdeiro de todos os bens. Raquel roubou os ídolos de seu pai ao retornar com Jacó para Canaã, pois não sabia o que encontraria pela frente e imaginou ser aquela uma segurança para seu futuro (Gn 31.22-37).

 

9) O PAPEL DA MULHER NA SOCIEDADE

As mulheres eram submissas ao marido, que por sua vez as honravam. As mulheres se preocupavam com afazeres domésticos, mas algumas ocuparam lugar de destaque e foram honradas, entre elas: Sara, Rebeca, Raquel, Rute, Hulda, Débora, Ester.

 

10) SAUDAÇÕES

Os hebreus se saudavam inclinando o corpo para frente, com a mão direita sobre o lado esquerdo do peito. Esse tipo de saudação é considerada muito prolongada pelos ocidentais. Talvez por isso que Jesus orientou aos seus discípulos para que não saudassem pelo caminho (Lc 10.4). Costumavam se inclinar até o chão quando saudavam magistrados ou pessoas importantes.

 

11) SEPULTAMENTO E LUTO

Com a constatação do óbito, o corpo era lavado e enrolado em lençóis perfumados, para amenizar a rápida decomposição, devido ao clima quente. As carpideiras iam à frente, logo após o defunto e depois os parentes e amigos do falecido. Os túmulos dos pobres eram cavados no chão, enquanto que os ricos tinham seus túmulos escavados nas rochas. O sepultamento era feito no mesmo dia. O luto durava sete dias.

 

12) MORADIAS

  • Tendas: eram feitas em pele de cabras;
  • Cabanas: feitas com estacas e cobertas com folhagens;
  • Casas: feitas de pedra, tijolos e de madeira. Geralmente pequenas e de apenas um cômodo.  As casas dos ricos possuíam vários cômodos;
  • Torre de vigia: construídas para proteger lavouras, feitas de madeira provisoriamente e depois de pedra para servirem de moradia;
  • Palácio: residência dos reis. O de Salomão foi o mais imponente.

 

13) MOBÍLIAS

As mobílias dos hebreus eram poucas, apenas leito e uma mesa baixa, raramente usavam cadeiras. Os ricos possuíam mobílias sofisticadas.

 

14) ALIMENTAÇÃO

Os hebreus se alimentavam de pão, azeite, vinho, legumes, frutas, lei­te, mel, farinha e carne, que em festas eram largamente consumidas. O peixe era mais consumido no litoral e nas imediações de rios e do mar da Galiléia.

 

15) INDUMENTÁRIA

Vestuário masculino: Os homens usavam túnica, capa de algodão, cinto de couro e turbante. O bastão e o anel-sinete eram usados como ornamentos. Os sacerdotes e sumo sacerdotes usam vestes que tipificavam a glória e a santidade divina;

As túnicas das mulheres eram mais ornamentadas. Costumavam cobrir o rosto quando apareciam em público. Usavam pulseiras, anéis, pendentes e diademas, algumas se pintavam. As mulheres hebreias costumavam ser elogiadas pela modéstia e simplicidade.

 

16) GRUPOS IDEOLÓGICOS

  • Saduceus: grupo econômico e político, formado pelos sacerdotes. Eram materialistas e não acreditavam na ressurreição;
  • Fariseus: opositores ferrenhos do Cristianismo, fanáticos e hipócritas;
  • Herodianos: defensores da dominação romana na Palestina;
  • Zelotes: contrários aos romanos e defensores da soberania de Deus;
  • Essênios: grupo asceta, apocalíptico e messiânico, praticamente foram dizimados por volta do ano 68 d.C.;
  • Publicanos: eram os coletores de tributos e taxas destinados ao Império Romano, por isso eram odiados pelos judeus.

 

17) O SINÉDRIO

O Sinédrio se constituía na suprema instância jurídica dos judeus. Era formado por 71 membros, constituídos entre o sumo-sacerdotes em exercício que era o presidente, representantes da classe rica, conhecidos como anciãos e os doutores da Lei ou escribas.

 

18) RELIGIÃO

O judaísmo, primeira religião monoteísta da história e fundamentada no Pentateuco e na Torá e regia toda a vida social e religiosa dos hebreus.

 

19) FESTAS E DIAS SOLENES

As festas e dias solenes representavam fatos históricos importantes da existência dos hebreus e todos apontavam para eventos significativos:

  • Páscoa: celebrada em 14 de Nisã (entre Março e Abril). Apontava para a libertação dos hebreus no Egito. Comiam um cordeiro com ervas amargas e pães sem fermento (Ex 12.1-14; Lv 23.5; Jo 2.13);
  • Festa dos Pães Asmos: celebrada entre 15 e 21 de Nisã (entre Março e Abril), para lembrar aos hebreus que foram tirados às pressas do Egito. Comiam pães sem fermentos (Ex 12.15-20; 13.3-10; Lv 23.6-8; Mc 14.1,12);
  • Festa das Primícias ou Primeira Colheita: celebrada em 16 de Nisã (entre Março e Abril). Para que os hebreus reconhecessem a benignidade de Deus em suas colheitas. Os primeiros frutos das colheitas eram ofertados (Lv 23.9-14);
  • Festa das Semanas ou Pentecostes: celebrada em 6 de Sivã (entre Maio e Junho), para demonstrar alegria e gratidão a Deus pela colheita obtida. Acontecia cinquenta dias após a oferta das primícias e celebrava a colheita do trigo (Ex 23.16; Lv 23.15-21; At 2.1);
  • Festa das Trombetas (Rosh Hashaná ou Ano Novo): celebrado em 1 de Tisri (entre Setembro e Outubro), para comemorar o início do ano civil. Era um dia de descanso e de fazer ofertas, onde as trombetas e os chifres eram tocados o dia inteiro (Lv 23.23-25; Nm 29.1-6);
  • Dia da Expiação (Yom Kippur): celebrado em 10 de Tisri (entre Setembro e Outubro) e tinha o propósito de oferecer sacrifícios pelos pecados dos sacerdotes, do povo e para purificar o santuário, um dia de descanso e jejum (Lv 16.1-34; Hb 9.7);
  • Festa dos Tabernáculos ou Cabanas: celebrado entre 15 e 21 de Tisri (entre Setembro e Outubro), para lembrar a peregrinação de Israel no deserto. Semana de festa pela colheita e neste período habitavam em cabanas e ofereciam sacrifícios (Lv 23.33-36,39-43; Jo 7.2,37);
  • Santa convocação: celebrado em 22 de Tisri (entre Setembro e Outubro), para comemorar o encerramento do ciclo de festividades. Um dia de descanso e oferta de sacrifícios (Lv 23.36; Nm 29.35-38);
  • Festa de Purim: celebrada em 14 e 15 de Adar (entre Fevereiro e Março), para comemorar a libertação dos judeus no Tempo de Ester. Liam o livro de Ester (Et 9.18-32);
  • Sábado: dia de descanso (Ex 20.8-11; Lv 23.3; Mt 12.1-14);
  • Ano de Descanso ou Ano Sabático: celebrado a cada sete anos com o propósito de dar descanso para a terra, que nesse período não eram cultivadas (Ex 23.10-11; Lv 25.1-22; Dt 15.1-18);
  • Ano do Jubileu: celebrado a cada cinquenta anos com o propósito de ajudar os pobres e preservar a ordem social. Ocorria a libertação dos escravos e a devolução das terras aos donos originais (Lv 25.8-11; 27.17-24; Nm 36.4).

Fonte: Apostila Curso Básico de Teologia do SETEM – Seminário Teológico Manancial. Elaboração: Pb. Ailton da Silva

Por: Ailton da Silva - 11 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário