Álvares Machado, SP -

Apresentação da lição em power point

Mais apresentações em:http://www.slideshare.net/ailtonsilva2000/presentations

sábado, 26 de julho de 2014

Neemias: como sair do anonimato


CAPÍTULO 1
HISTÓRICO E SITUAÇÃO DA CIDADE
1. ANTECEDENTES HISTÓRICOS:
Dois reinos prósperos até então, foram varridos do mapa. O norte de Israel foi levado pela Assíria em 722 a.C. e o sul pela Babilônia em 586 a.C., respectivamente. Foram alertados pelos profetas, mas não deram crédito, por isto Deus permitiu que não somente invadissem como também arrasassem e humilhassem. O sul teve pouco mais de 100 anos para escapar da iminente derrota, pois o intervalo de tempo entre as duas deportações abriu espaço para a reflexão.

A capital do reino do Norte, Samaria, recebeu de braços abertos seus novos moradores, após a deportação dos legítimos samaritanos. Povos estrangeiros foram enviados para se misturarem ao que havia restado de moradores (II Rs 17.24), fato este que deu origem a mistura que foi a mola propulsora da segregação que perdurou muito tempo e que alimentou a falta de comunhão e diálogo com seus irmãos judeus do sul (Jo 4.9).

Enquanto isto, durante a invasão babilônica, o maior símbolo judeu foi cirandado e destruído e seus tesouros roubados. Os jovens, sábios e os que ainda poderiam produzir algo foram levados cativos e os que representavam despesas e os que não tinham forças ou conhecimento foram deixados junto ao que havia sobrado da cidade.

Os que retornaram após o exílio não encontram forças para a reconstrução total, somente a parcial, pois faltava uma liderança para determinar-lhes as tarefas e administrar toda aquela crise. Sempre tiveram um líder, fosse na era patriarcal, no deserto, no reino unido e depois dividido ou através dos profetas, mas agora se viram solitários, mesmo que alguns tenham se levantado, com isto o resultado foi o comodismo e o conformismo com aquela degradante situação. O Templo, o povo, os símbolos da religiosidade, a tradição e Jerusalém estavam em miséria.

2. O CUMPRIMENTO DA PROMESSA (Jr 29.10-14):
O rei Ciro (império medo-persa) permitiu o retorno (Ed 1.1-4), conforme relato de Josefo:
“[...] Eis o que declara o rei Ciro: "Cremos que o Deus Todo-poderoso, que nos constituiu rei de toda a terra é o Deus que o povo de Israel adora, pois Ele predisse por meio de seus profetas que nós traríamos o nome que trazemos e reconstruiríamos o Templo em Jerusalém, na Judéia, consagrado à sua honra". Esse soberano falava assim porque lera nas profecias de Isaías, escritas duzentos e dez anos antes que ele tivesse nascido e cento e quarenta anos antes da destruição do Templo, que Deus lhe tinha feito saber que constituiria a Ciro rei sobre várias nações e inspirar-lhe-ia a resolução de fazer o povo voltar a Jerusalém para reconstruir o Templo. Essa profecia causou-lhe tal admiração que, desejando realizá-la, mandou reunir na Babilônia os principais dos judeus e anunciou que lhes permitia voltar ao seu país e reconstruir a cidade de Jerusalém e o Templo, que eles não deveriam duvidar de que Deus os auxiliaria nesse desígnio e que escreveria aos príncipes e governadores de suas províncias vizinhas da Judéia para que lhes fornecessem o ouro e a prata de que iriam precisar e as vítimas para os sacrifícios”. JOSEFO (Livro Décimo primeiro, capítulo um).

a) O retorno do cativeiro:
  • 1º grupo – Zorobabel (538 a.C.). Principal missão: reconstrução do Templo (Ed 6.15).
  • 2º grupo – Esdras (458 a.C.). Principal missão: Resgate e ensino da Lei (Ed 10.11-12);
  • 3º grupo – Neemias (445 a.C.). Reconstrução dos muros (Ne 6.15).

O dois primeiros que retornaram não se preocuparam de imediato com a reconstrução total da cidade, já que o primeiro reconstruiu o Templo enquanto que o segundo se preocupou com o resgate dos ensinos da Lei Mosaica. Foi neste meio tempo que se desenrolou os acontecimentos na vida de Ester, aproximadamente 103 anos depois que Nabucodonosor levou cativos os judeus (II Rs 25), 54 anos após o retorno de Zorobabel (Ed 1.2) e 25 anos após o retorno de Esdras.

3. A VOLTA COM ZOROBABEL:
O império babilônico, que primava pelo êxodo dos súditos para suas terras, para tirá-los definitivamente apagarem suas histórias, não suportou a força do império medo-persa, recém levantado. Este por sua vez respeitava as crenças dos povos conquistados e permitia que ficassem em seus territórios, ou seja, continuavam no mesmo lugar, mas aprisionados, o que era mais vantajoso para o opressor, pois não apresentava suas terras, riquezas, fortalezas e fraquezas e não aumentava as suas despesas.

A promessa de Deus, em relação ao retorno e reconstrução da cidade se cumpriu (Jr 29.10-14), por intermédio de Ciro, o rei gentio (Ed 1.1), que orientado por Deus permitiu o retorno dos primeiros judeus para reconstruírem o Templo a cidade e os muros. Desta tríplice tarefa apenas atentaram para a primeira. 

Zorobabel liderou este primeiro grupo, foram cerca de 42.360 judeus (Ne 7.66), bem menos que o número de varões que saíram do Egito (Ex 12.37). Tiveram por tarefa a reconstrução da casa de Deus (II Cr 36.22,23; Jr 29.10). O altar foi o primeiro (Ed 3.2,3) e mesmo diante da oposição a obra foi concluída. Foi somente iniciarem a obra de Deus para aparecerem os problemas, os opositores, as confusões, as ameaças e mentiras

a) Porque o número foi reduzido:
  • Interesses econômicos. Era interessante a permanência na Pérsia;
  • Descrenças nos líderes. Muitos foram os que se auto levantaram para esta tarefa, até então sem sucesso;
  • Medo da viagem, ladrões, salteadores e distância. Mas muitos voltaram com júbilo, sonhando, alegres, cantando e despertando o interesse das outras nações;
  • A idade avançada dos que foram levados cativos (desânimo e descrença);
  • A baixa idade dos que nasceram no cativeiro (falta de fé e conhecimento);
  • Fascínio pela cultura babilônica ou medo do trabalho pesado que enfrentariam?

b) Primeiro conflito étnico-racial:
  • Os samaritanos ofereceram ajuda na obra. Estavam falando a verdade, pois adorariam a Deus (Ed 4,2);
  • Mas também apresentariam aos judeus outros tantos deuses, assim como os assírios fizeram com eles durante o cativeiro do reino do norte (II Re 17.24-41);
  • A intenção não era cooperar na reconstrução de Jerusalém, mas sim na destruição. Isto foi percebido após a recusa de Zorobabel (Ed 4.11-21);
  • A decisão de Zorobabel não foi fruto de preconceito racial, mas sim era preocupação religiosa (Ed 6.21) e fidelidade doutrinária da sua parte.

4. SITUAÇÃO DA CIDADE:
Pelo relato de Hanani (Ne 1.3) Jerusalém estava em crise. Muitas perdas materiais e espirituais, muitos valores e princípios esquecidos, era um verdadeiro. Neemias deveria combater a causa e não as consequências:
  • Insegurança pública – A cidade sem muros estava desprotegida, sem defesa, propensa a constantes ataques (os muros estão derribados);
  • Injustiça social, corrupção, falta de leis justas, cidadania e política falidas, ajuda mútua e comunidade não existiam;
  • Os que não foram levados para o cativeiro ficaram na pobreza, oprimidos, viviam entre os escombros. Muitos desejaram o cativeiro ante aquelas condições;
  • Não tinham ânimo para lutar contra os mais fracos inimigos que pudessem aparecer, pois o que adiantava cada um proteger a sua casa e deixar a cidade desprotegida, até mesmo exércitos falidos, doentes;
  • Um povo desprezado, esquecido e abandonado a mercê de sua mingua sorte.
Que outra decisão Neemias poderia ter tomado se não a de encarar o seu rei e pedir autorização para retornar a Jerusalém? Mas depois de muita oração.


5. APLICAÇÃO PESSOAL:
  • O que tenho a ver com esta história?
  • A situação da cidade representa a minha vida?
  • Isto nunca acontecerá comigo! Eu vigio!
  • Israel caiu primeiro e Judá não percebeu;
  • Como agir quando receber uma má notícia?
  • Agir como Neemias? Orar e tomar atitude?
  • Tenho meus recursos. Sou um vencedor!
  • A minha condição material e espiritual, me garante!
  • O mal não está no fruto e sim na raiz;
  • Construam suas casas, mas não esqueçam de Deus!

6. COMENTÁRIOS ADICIONAIS:
  • Qual foi a intenção de Hanani ao contar a situação de Jerusalém para Neemias? Será que foi com a certeza de que um grande líder seria levantado? Quantas conversas nossas não produzem metade do que foi produzido;
  • Hanani precisava conversar com alguém. Ele imaginava Neemias triste, chorando e o despedindo em paz. Jamais esperava que fosse deixá-lo tão perturbado. Será que entendeu tamanha preocupação? Ele não foi chamá-lo para resolver o problema, apenas desabafar. Bem diferente de Barnabé quando foi atrás de Saulo para ajudá-lo em Antioquia;
  • Arriscar minha vida por um povo que não estava assim tão preocupado. Largar tudo, jogar para o alto minha carreira. Não tinha recursos, formação secular, diplomacia, era apenas um copeiro;
  • “esta cidade não tem jeito, acabou, Nasci assim e vou morrer assim.”. Os judeus não tinham esperanças da reconstrução? Não havia necessidade de um homem forte, mas sim de um homem corajoso, um verdadeiro líder. Não estava ali entre eles, viria de longe. Quantos que se julgam em condições e não fazem e quantos fazem sem terem condições nenhuma. Não importa se está longe, sem recursos, sem formação, mais cedo ou mais tarde será levado para o lugar onde Deus deseja usar e pronto;
  • O período de diferença entre a invasão assíria e a babilônica foi pouco mais de 100 anos e Judá não percebeu a aproximação do perigo. Ah, se fosse hoje? "aconteceu com o irmão, vou ficar esperto".
Por: Ailton da Silva - Ano VI (desde 2009)

Neemias: Como sair do anonimato? - Capítulo 1

Estudo baseado no 4º trimestre de 2011. 
A cada sábado disponibilizarei um capítulo 
juntamente com parte da apostila (são 17 capítulos)







Por: Ailton da Silva - Ano VI (desde 2009)

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Gerados pela Palavra da verdade - plano de aula

TEXTO ÁUREO
Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva e que permanece para sempre (1Pe 1.23).

VERDADE PRÁTICA
Somente aqueles que foram gerados pela Palavra da Verdade são guiados pelo Espírito Santo.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE – Tg 1.9-11,16-18.
9 - Mas glorie-se o irmão abatido na sua exaltação,
10 - E o rico em seu abatimento; porque ele passará como a flor da erva.
11 - Porque sai o sol com ardor, e a erva seca, e a sua flor cai, e a formosa aparência do seu aspecto perece; assim se murchará também o rico em seus caminhos.
16 - Não erreis, meus amados irmãos.
17 - Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança, nem sombra de variação.
18 - Segundo a sua vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como primícias das suas criaturas.

PROPOSTA
          Os pobres gerados pela Palavra foram inseridos na igreja;
          Riqueza x ricos: a dificuldade para se desprender é grande;
          Na família de Deus há lugar para todos (justificados);
          Não podemos dar ouvidos a voz da concupiscência;
          Vida espiritual: relacionamento livre e sincero com Deus;
          Não há sombra de variação no Pai das luzes;
          Deus nos gerou pela Palavra da verdade;
          Fomos gerados e enxertados pela Palavra que salva;
          A salvação é a maior benção de Deus para a humanidade.

INTRODUÇÃO
Na lição de hoje vamos estudar acerca da qualidade relacional da igreja nos diversos níveis de interação entre pessoas geradas pela Palavra. Veremos a Epístola de Tiago apontando as distorções sociais que podem existir em um ambiente eclesiástico ou de convivência entre irmãos. A nossa perspectiva é a de que possamos nos relacionar com o outro independente da sua condição econômica e social. Ligados, sobretudo, pelo Evangelho.

O ideal seria uma igreja livre dos problemas relacionais, fossem eles de ordem financeira ou sociais, porém estamos de frente com dificuldade diárias e constantes que teimam em abalar a comunhão no Corpo de Cristo. Para que isto não venha a acontecer, devemos nos espelhar em Cristo e imitá-lo (1 Co 11.1), para assim não abrimos brechas para o Maligno. Jesus em seu ministério terreno sempre abraçou os pobres, ricos, doentes, sadios sem distingui-los, porque não podemos fazer o mesmo? O difícil, para nós, é lidarmos com esta variação, ora bom, ora vingativo, ora parcial. Em Deus não vemos tal situação, pois Ele é bom e pela sua sabedoria faz o bem até mesmo para nos reconciliar consigo mesmo.

Corremos sério perigo por não sabermos lidar com as nossas emoções e situações. Facilmente ficamos propensos à inveja ou ao orgulho, respectivamente males provenientes da pobreza ou da riqueza, caso não sejamos vigilantes.

I. A RELAÇÃO ENTRE OS POBRES E OS RICOS DA IGREJA (Tg 1.9-11)
1. Os pobres na Igreja do primeiro século. 
Do ponto de vista social, a pobreza exclui o ser humano dos direitos básicos necessários à sua subsistência. Não é difícil reconhecer que a Igreja do primeiro século era constituída por duas classes sociais: a dos pobres e a dos ricos, tendo evidentemente mais pobres em sua composição. Uma vez que não podemos fazer acepção de pessoas (Rm 2.11; Cl 3.11), os pobres daquela época, que foram gerados pela Palavra e inseridos no corpo de Cristo — a Igreja — tinham motivos de alegrar-se no Senhor, pois além do novo nascimento, eles eram acolhidos pela igreja local (Gl 2.10).

Apanhamos constantemente na vida em todas as esferas sociais, família, trabalho, escola/faculdade, o bom seria nos sentirmos bem e felizes no seio da igreja, o lugar de iguais, que não se rendem ao indiferentismo. Agora somos um em Cristo, gerados pela Palavra da verdade e inseridos no Corpo de Cristo, portanto não há motivos para deixarmos que os abismos sociais interfiram em nossa comunhão.

Quando os irmãos de José foram reconhecidos por ele, havia uma grande distância entre eles, mas que foi facilmente transposta pelo único, que mesmo na riqueza, tratou seus irmãos pobres com o mesmo amor e igualdade. Naquele momento no Egito havia 1 no trono e 10 na lona, mas o bonito da história é que eles formaram o grupo dos 11 iguais.

Na igreja primitiva havia pobres e ricos, que não se isolavam em grupos, tampouco eram segregados, pois todos tinham consciência que eram lavados pelo Sangue de Jesus, por isto não permitiam esta mazela social entre eles.

2. Os ricos na Igreja Antiga. 
Por vezes, os ricos são identificados na Bíblia como judeus proprietários de muitos bens e que negligenciavam as obrigações que pesam sobre os que desfrutam de tal condição (Lv 19.10; 23.22,35-55; Dt 15.1-18; Is 1.15-17; Mq 6.9-16; 1Tm 6.9,17-19). Por cuja razão, e pelas suas atitudes, eles eram frequentemente repreendidos pelas Escrituras (Am 3.10; Pv 11.28; 1Tm 6.17-19; Lc 6.24; 18.24,25). Os ricos e abastados têm a tendência a desenvolverem a arrogância, a autossuficiência e a postura de senhores poderosos, que pensam poder comprar as pessoas a qualquer preço. As Escrituras são claras em afirmar que o Reino de Deus não pode ser comprado por dinheiro algum. É possível o irmão rico ser gerado pela Palavra e tornar-se um filho de Deus? Sim, claro (Lc 18.25-26). Porém, ele pode encontrar maior dificuldade para desprender-se de suas riquezas (Mt 19.23-26, cf. v.11). É imprescindível que os mais abastados compreendam que após entregarem-se a Cristo, obedecerão ao mesmo Evangelho a que os irmãos pobres submetem-se. Aqui, torna-se ainda mais clara a verdade bíblica: para Deus não há acepção de pessoas (Rm 2.11; Cl 3.11).

É fácil encontrarmos na igreja moderna grandes empresários, proprietários de terras e imóveis, profissionais liberais, pessoas bem sucedidas na vida, que estão muito preocupadas com a própria subsistência, nada de extraordinário nisto, a não ser que tais estejam lutando contra um sentimento muito peculiar naqueles que possuem recursos infinitos e que estão nas mãos do Maligno, o orgulho, que é o grande perigo que ronda as riquezas. Este sentimento nasce a partir do momento que a consciência do ter e poder invadem o coração do homem. O poder de decidir, resolver, influenciar, comprar pessoas ou a certeza da autossuficiência, alimentam a ganancia e tais agem de forma a manter este suposto poderio e posição acima dos outros.

Na igreja primitiva havia também grandes proprietários de terra e de imóveis que, ao abraçarem a fé, vendiam tudo e depositavam o dinheiro aos pés dos apóstolos.

3. Perante Deus, pobres e ricos são iguais. 
A igreja local deve receber a todos no espírito do Evangelho, isto é, como membros da família de Deus, pois através da salvação em Cristo, independentemente da condição social, todos têm a Deus como Pai (Rm 8.14), e a Jesus como irmão (Lc 8.21). Somos coerdeiros, juntamente com Cristo, de uma herança eterna (1Pe 1.4), pertencentes à santa família de Deus (Ef 2.19) e cidadãos de um reino imutável (Hb 12.28). Na família de Deus há lugar para todo ser humano justificado por Cristo. Portanto, o irmão pobre e o irmão rico não devem se envergonhar de suas condições sociais. Se o Evangelho alcançou seus corações, o rico saberá biblicamente o que fazer com a sua riqueza. E o pobre, de igual forma, como viverá sua pobreza. O importante é que Cristo em tudo seja exaltado!

Deus olhou dos altos céus e não viu um diferente sequer na terra, pois aos seus olhos somos todos iguais, sejam brancos, negros, magros, gordos, ricos, pobres, lideres ou liderados, sadios, doentes, pastores, membros, grandes dizimistas, pequenos ofertantes, judeus ou gentios. Seria possível vermos uma igreja diferenciando pessoas? Talvez por intermédio de uma patética cobrança de indulgencias, em pleno século XXI, seria possível seria possível vermos esta aberração em nosso meio, haja vista, que alguns fariam das tripas coração para atingir status.

II. DEUS SÓ FAZ O BEM (Tg 1.16,17)
1. Não erreis (v.16). 
Com essa advertência o meio-irmão do Senhor não está afirmando a doutrina da “santidade plena” ou perfeccionista: a de que o homem, uma vez remido, não mais pecará. Tal palavra tem como propósito conclamar o crente a não dar ouvidos à “voz” da concupiscência carnal. Recapitulando a mensagem dos versículos 12 a 15, que tratam do tema da tentação, os versículos 9 a 11 formam uma introdução ao tema da tentação, ao passo o que versículo 16 é uma advertência para os crentes não se curvarem aos desejos imorais e infames do mundo, pois Deus é a fonte de tudo o que é bom. Logo, não podemos dar crédito àquilo que é mau.

“Não erreis”, uma afirmação contundente do escritor que em nenhum momento fez alusão ao perfeccionismo ou de santidade plena, pregado e garantido por muitos na atualidade. O mesmo já havia sido manifesto pelo apóstolo Paulo quando escrevia aos crentes de Filipos (Fp 3.11-14) descrevendo, sem nenhuma reserva, a sua situação espiritual, mesmo que houvesse uma má interpretação por parte de muitos quando lessem sua carta. Ele afirmou que ainda não havia alcançado a o seu maior objetivo, declarando bombasticamente que não era perfeito, mas deixou claro que devia prosseguir para o prêmio da soberana vocação, conselho valiosíssimo para a igreja.

2. Todo dom e boa dádiva vêm de Deus. 
Um dom de Deus, como a sabedoria que torna uma pessoa espiritualmente madura (v.4), não pode ser recebido pelo crente através de esforço humano. Quem o distribui é Deus. Este dom é fruto da graça do Pai para nós. Num tempo onde o ascetismo religioso tende a tirar o foco da glória de Deus e da sua benignidade, tornando o ser humano “digno” do céu, precisamos lembrar que a nossa vida espiritual não depende de disciplinas humanas para receber dádivas de Deus. Depende de um relacionamento livre, espontâneo e sincero com o Pai das Luzes mediante o seu Filho, Jesus Cristo, e na força do Espírito Santo.

O objetivo de Deus é tornar sua igreja madura espiritualmente para assim prosseguir avante vencendo e resistindo ao Maligno, porém o que falta às vezes, é a consciência de que este amadurecimento, via sabedoria de Deus, não é alcançado através de esforços humanos, certamente para que ninguém venha se gloriar disto um dia. Enquanto uns tentam nos empurrar este conceito “goela abaixo”, outros ainda esperam em Deus e continuam pedindo a Ele a sabedoria divina.

3. A origem de tudo o que é bom está no Pai das Luzes. 
Ao escrever que “toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto”, Tiago declara que apenas as boas virtudes vêm de Deus. Não há sombra de variação no Pai das Luzes, isto é, nEle não há momentos de trevas e outros de luzes. Só há luz. Ele não muda e é bom! Não faz o mal aos seus filhos (Lc 11.11-13). Infelizmente, muitos têm uma visão turva de Deus como se Ele fosse um carrasco pronto a castigar-nos na primeira oportunidade. Não devemos falar sobre o Pai desta maneira, lembremo-nos do ensinamento joanino que fala sobre sermos defendidos e advogados por Jesus, o Filho de Deus (1Jo 2.1,2).

Não há sombra de variação em Deus, há em nós, que não conseguimos manter uma regularidade em nossas ações e principalmente em nossas reações. Deus falou está falado, fez está feito, determinou está determinado, concedeu está concedido, abençoou está abençoado. Seria uma frustração sem precedentes para todos nós se recebêssemos algo da parte de Deus sem a garantia de que Ele se arrependeria e nos tiraria momentos depois. Seria um tal de “dá e toma” que nos levaria a loucura. Estas variações no humor é algo característico humano, jamais poderá atingir o Pai das Luzes.

III. PRIMÍCIAS DE DEUS ENTRE AS CRIATURAS (Tg 1.18)
1. Algo que somente Deus faz. 
A regeneração é um milagre proveniente do Pai das Luzes, segundo a sua vontade (v.17). Foi Ele que nos gerou pela Palavra da Verdade. Ser gerado de novo é uma ação realizada exclusivamente pelo Pai das Luzes através do Santo Espírito. Ele limpa o homem dos seus pecados (Is 1.18), dando-lhe perdão e implantando-lhe um novo caráter. Aqui, acontece o que o nosso Senhor falou aos seus discípulos: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada” (Jo 14.23). O Pai é a fonte de nossa vida espiritual (Jo 1.12,13).

O “nascer de novo”, um grande presente de Deus dado a nós, se torna o divisor de águas de nossa existência nesta dimensão carnal. Nenhuma ação humana pode ser comparada com esta dádiva divina, mesmo que alguns queiram ou teimem neste que se torna o maior erro dos homens.

2. A Palavra da Verdade. 
Naqueles dias, parte da igreja estava dispersa, sofrendo muitas tribulações. Para superá-las era preciso uma inabalável convicção de que, apesar das lutas, ela não havia deixado de ser as primícias do Senhor entre as criaturas. Por esse motivo, Tiago enfatiza a expressão “Palavra da Verdade”. Fomos gerados e enxertados pela Palavra que salva a nossa alma (v.21). Assim, a despeito de todas as circunstâncias difíceis da vida, podemos aplicar essa verdade afirmando que somos filhos de Deus, as primícias entre as criaturas do Senhor.

O inicio da igreja foi marcado pela perseguição e dispersão, motivo pelo qual havia necessidade de uma ligação que fortalecesse os laços entre os membros. A certeza da salvação e da presença de Jesus entre os que abraçavam a fé era evidente, mesmo porque era muito raro, para não dizer, quase zero o número dos que negavam a fé para salvarem suas vidas. Tiago deixou bem claro que diante desta situação calamitosa era necessário continuarem firmes, pois faziam parte das primícias do Senhor, portanto não havia o que temerem. A Palavra da verdade os havia enxertado no Corpo de Cristo, tal como nós fomos.

3. O propósito de Deus. 
A salvação é a maior bênção de Deus para a humanidade. O propósito divino não é primeiramente abençoar o crente com bênçãos materiais, mas fazer dele primícias de suas criaturas: os salvos pela graça mediante a fé (Ef 2.8). No Antigo Testamento, as primícias eram a colheita do melhor fruto (Lv 23.10,11 cf. Êx 23.19; Dt 18.4). Ao referir-se às primícias, Tiago dizia aos primeiros irmãos, notadamente judeus, que eles foram escolhidos como primícias do Evangelho. Os primeiros de muitos outros que Deus havia começado a colher. Alegre-se no Senhor! Você faz parte das primícias da sua geração. Escolhido por Deus e nomeado por Ele para proclamar as virtudes do Senhor neste mundo.

Os primeiros que abraçaram a fé fizeram parte de um seleto grupo, não tão mais importante por isto, ficaram conhecidos como as primícias do Senhor, os primeiros a serem usados para propagação do Evangelho para que outros fossem alcançados pela Palavra.

CONCLUSÃO
Inseridos no processo de aperfeiçoamento espiritual, sofremos os mais diversos tipos de provações, independentemente de nossa posição social, econômica e cultural. Tais situações aperfeiçoam-nos e amadurecem-nos como pessoas. Quando alguém é gerado pela Palavra da Verdade, ele é chamado pelo Pai a viver o Evangelho em fidelidade. Não podemos nos esquecer do nosso maior desafio: fazer o Evangelho falar num mundo dominado por relacionamentos distorcidos. Somos o Corpo de Cristo, a Igreja de Deus: a coluna e firmeza da verdade (1Tm 3.15).

OBJETIVOS DA LIÇÃO – FORAM ALCANÇADOS?
·         Foram chamados para fazerem parte da igreja.
·         Toda boa dádiva bem de Deus.
·         Igreja: primícias de Deus entre as criaturas.
  
REFERÊNCIAS
Bíblia de estudo aplicação pessoal. CPAD, 2003.

Bíblia de Estudo Temas em Concordância. Nova Versão Internacional (NVI). Rio de Janeiro. Editora Central Gospel, 2008.

Bíblia Sagrada. Nova tradução na linguagem de hoje. Barueri (SP). Sociedade Bíblica do Brasil, 2000.

Bíblia Sagrada – Harpa Cristã. Barueri, SP. Sociedade Bíblica do Brasil, Rio de Janeiro. Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2003

Por: Ailton da Silva - Ano VI (desde 2009)

quinta-feira, 24 de julho de 2014

quarta-feira, 23 de julho de 2014

13) I Crônicas


Para quem foi escrito este livro?     
Para os judeus que voltaram do exílio.

Por quem foi escrito (autor)?  
Esdras – segundo a tradição judaica.

Em qual momento histórico?   
Depois do exílio persa (o império persa sucedeu o império babilônico).

Por que este livro foi escrito? 
Porque a nação de Israel estava sendo reconstruída e precisava de orientação e encorajamento, pois a restauração não havia produzido as mudanças dramáticas esperadas por muitos. Além disso, eles tiveram que suportar dificuldades econômicas desencorajadoras, oposição dos estrangeiros, bem como conflitos internos.

Para quê este livro foi escrito?        
Para mostrar aos leitores como receber as bênçãos de Deus em seus dias; para atender as necessidades da comunidade que havia recentemente regressado do exílio babilônico; e, para responder aos seus principais questionamentos: Quem são os legítimos herdeiros das promessas que Deus deu ao seu povo? Quais são as instituições políticas e religiosas que devem ser adotadas? Havia esperança quanto a um novo rei davídico? Como o povo deveria compreender a experiência do exílio e da restauração à luz da lei e da graça de Deus?

Obs: Material extraído do DVD "Mega Coletânea Bíblica - 10.000 artigos". Não tem citação da fonte, mas se alguém conhecer, ficarei grato e mencionarei.

Por: Ailton da Silva - Ano VI (desde 2009)

sábado, 19 de julho de 2014

Transformação gradativa & operacionalizada














Por: Ailton da Silva - Ano VI (desde 2009)

A importância da sabedoria humilde. Plano de aula

TEXTO ÁUREO
Não desampares a sabedoria, e ela te guardará; ama-a e ela te conservará (Pv 4.6).

VERDADE PRÁTICA
A sabedoria que procede de Deus é humilde, por isso, equilibra o crente em todas as circunstâncias da vida.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE – Tg 1.5; 3.13-18
Tg 1.5 - E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não o lança em rosto; e ser-lhe-á dada.
Tg 3.13 - Quem dentre vós é sábio e inteligente? Mostre, pelo seu bom trato, as suas obras em mansidão de sabedoria.
Tg 3.14 - Mas, se tendes amarga inveja e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade.
Tg 3.15 - Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica.
Tg 3.16 - Porque, onde há inveja e espírito faccioso, aí há perturbação e toda obra perversa.
Tg 3.17 - Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia.
Tg 3.18 - Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.

PROPOSTA
         A sabedoria que vem do alto se distingue da humana;
         Como Deus concede sabedoria aos que pedem?
         Falta de sabedoria em alguma área? Não  desanime;
         Sabedoria: virtude que devemos buscar e cultivar;
         Devemos buscar ajuda do alto para viver em comunhão;
         Pessoas não convivem, apenas se toleram (alguns casos);
         Sabedoria: um novo pensar, um novo sentir, um novo agir;
         Tragédia espiritual: falta de sabedoria de líderes;
         Deus nos chamou para paz e não para confusões.
  
INTRODUÇÃO
Tiago inicia a temática em tom de exortação, enfatizando a necessidade da sabedoria divina como condição básica de levar a igreja a viver a Palavra de Deus com alegria, coerência, segurança e responsabilidade. E isso tudo sem precisar fugir das tribulações ou negar que o crente passa por problemas. A nossa expectativa é que abracemos e vivamos o estilo de vida proposto pelo Santo Espírito nesta carta, não fugindo da realidade, mas enfrentando-a com sabedoria do alto e na força do Espírito Santo.

Como viver diante das dificuldades que encontramos, tanto espiritual quanto material? Tiago fez uso de sua carta, primeiramente para consolar os crentes primitivos diante da perseguição e depois de uma forma direta e sucinta intentou promover um crescimento na igreja por intermédio das atitudes, algo deveria acontecer, uma espécie de choque, não poderia ser tolerado o comodismo e a invasão maligna. Uma sabedoria nos foi apresentada e remetidos fomos à origem, ao meio como consegui-la. Em nenhum momento o autor nos falou algo de que estivesse ao nosso alcance. Sim é possível recebermos de Deus a sabedoria para usá-la de forma humilde em prol do crescimento de seu reino.

I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIA A DEUS (Tg 1.5)
1. A SABEDORIA QUE VEM DE DEUS. 
Tiago fala da sabedoria que vem do alto para distingui-la da humana, de origem má (Tg 3.13-17). Irrefutavelmente, a sabedoria que vem de Deus é o meio pelo qual o homem alcança o discernimento da boa, agradável e perfeita vontade divina (Pv 2.10-19; 3.1-8,13-15; 9.1-6; Rm 12.1,2). Sem esta sabedoria, o ser humano vive à mercê de suas próprias iniciativas, dominado por suas emoções, sujeitando-se aos mais drásticos efeitos das suas reações. Enfim, a Palavra de Deus nos orienta a vivermos com prudência. Todavia, quando nos achamos em meio às aflições é possível que nos falte sabedoria. Por isso, o texto de Tiago revela ainda a necessidade de o crente desenvolver-se, adquirindo maturidade espiritual.

Tiago nos apresentou a sabedoria, pela qual, os crentes primitivos poderiam suportar as adversidades ao mesmo tempo em que cresciam espiritualmente, mas as mesmas orientações devem ser aplicadas na igreja moderna, sob pena de incorrermos aos erros e fatalmente a perdição eterna.

Quer sabedoria para vencer as dificuldades e não se render ao Maligno? Esta sabedoria vem de Deus e não tem outra forma de recebermos. Uma grandiosa e necessária concessão divina. Basta pedirmos e ficarmos em posição para recebermos.

Quer vitória ou continuar sujeito as emoções e reféns de reações, vivendo a mercê de suas próprias iniciativas? Sabedoria que vem de Deus não pode ser comparada com a que vem do homem, de forma nenhuma.

2. DEUS É O DOADOR DA SABEDORIA. 
O texto bíblico não detalha a maneira pela qual Deus concede sabedoria. Tiago apenas afirma que o Altíssimo a dá. Juntamente com a súplica pela sabedoria que fazemos ao Pai em oração, a epístola fornece riquíssimos ensinamentos (v.5):
a) O Senhor é que dá sabedoria. Jesus ensina que o Pai atende às orações daqueles que o pedirem (Mt 7.7,8).
b) O Senhor dá todas as coisas. Neste sentido, dizem as Sagradas Escrituras: “Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes, o entregou por todos nós, como nos não dará também com Ele todas as coisas?” (Rm 8.32 cf. Jó 2.10).
c) O Senhor dá a todos os homens. Ele não faz acepção de pessoas (At 10.34; Rm 2.11; Ef 6.9; Tg 2.1,9).
d) O Senhor dá liberalmente. É de graça! Nosso Deus não vende bênçãos apesar de pessoas, em seu nome, “comercializá-las”.
e) O Senhor dá sem lançar em rosto. A expressão é sinônima do adágio popular “jogar na cara”. O Pai Celeste não age dessa forma.

Como recebê-la? Como Deus concede? Quais os critérios por Ele usados? Não nos cabe interrogar ao Doador sobre estas questões. Quem a receber deve colocar em prática e aqueles que ainda esperam a concessão divina devem perseverar e esperar o momento correto.

3. PEÇA A DEUS SABEDORIA. 
Ainda no versículo cinco, Tiago estimula-nos a fazermos as seguintes perguntas: Falta-nos sabedoria espiritual? Sentimental? Emocional? Nos relacionamentos? Caso ache em si falta de sabedoria em alguma área, não desanime! Peça-a a Deus, pois é Ele quem dá liberalmente. E mais: não lança em rosto! Ouça as Escrituras e ponha em prática este ensinamento. Fazendo assim, terás sabedoria do alto.

É nosso dever fazermos constantemente avaliação de nossas práticas bem como de nossas situação espiritual, pois certamente será notada a falta de algo que somente poderá vir de Deus, a sabedoria para suportarmos tudo o que acontece em nossa vida.

II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13)
1. A SABEDORIA COLOCADA EM PRÁTICA. 
Tiago conclama os servos de Deus, mais notadamente aqueles que exercem alguma liderança na igreja local, a demonstrarem sabedoria divina através de ações concretas (Dt 1.13,15; 4.6; Dn 5.12). A sabedoria é a virtude que devemos buscar e cultivar em nossos relacionamentos neste mundo (Mt 5.13-16). O tempo do verbo “mostrar”, utilizado por Tiago em 3.13, indica uma ação contínua em torno da finalidade ou do resultado de uma obra. Desta maneira, a Bíblia está determinando uma atuação cristã que promova as boas obras no relacionamento humano.

A inteligência e sabedoria, dos que assim se consideram, devem ser vistas em seu dia a dia, em práticas condizentes e de forma mansa. Devemos cultivar a sabedoria em nossos relacionamentos diários, mesmo com a dificuldade gritante e o grande abismo que existe entre o nosso falar e o nosso fazer, principalmente por aqueles que exercem liderança na igreja local.

2. A HUMILDADE COMO PRÁTICA CRISTÃ. 
Instruída pela Palavra de Deus, a humildade cristã promove as boas obras na vida do crente (Tg 1.17-20; cf. Mt 11.29; 5.5). Quem é portador dessa humildade revela a verdadeira sabedoria, produzindo para si alegria e edificação (Mt 5.16). A fim de redundar em honra e glória ao nome do Senhor Jesus, a humildade deve ser uma virtude contínua. Isso a torna igualmente uma porta fechada para o crente não retornar às velhas práticas. O homem natural, dominado pelo pecado, não tem o temor de Deus nem o compromisso de viver para a honra e glória dEle. Porém, o que nasceu de novo e, portanto, “ressuscitou com Cristo”, busca ajuda do alto para viver em plena comunhão e humildade com o seu semelhante (Cl 3.1-17).

A verdadeira sabedoria, a que realmente importa, é revelada pela humildade prática e contínua, isto nos é garantido pela Palavra de Deus. A humildade, que não tem nada a ver com vestes, falta de recursos ou cultura, é na verdade uma grande porta que se fecha diante de nós, não para impedir o nosso progresso, mas sim para impedir o retrocesso às velhas práticas mundanas e condenadas.

3. OBRAS EM MANSIDÃO DE SABEDORIA. 
Vivemos em um tempo onde as pessoas se aborrecem por pouca coisa, onde tudo é motivo para desejar o mal ao outro. Vemos descontrole no trânsito, o destempero na fila, a pouca cordialidade com o colega de trabalho e coisas afins. Parece que as pessoas não convivem espontaneamente com as outras. Apenas se toleram! Nesse contexto, o ensino de Tiago é de sobremodo relevante: “Mostre, pelo seu bom trato as suas obras em mansidão de sabedoria” (v.13). Amor, cordialidade e solidariedade são valores éticos absolutos reclamados no Evangelho. Ouçamos a sua voz!

Vivemos em uma igreja onde os irmãos se aborrecem por pouca coisa, algo estranho de ser relatado, mas se trata da pura verdade. Descontrole nos departamentos internos. Pouca cordialidade com os companheiros de bancos ou tribuna ou destempero na fila, fila do louvor, solo ou oportunidades para mensageiros ou preletores. Círculos de oração e grupo de jovens andando errantes. Parece que não há mais espontaneidade nos tratamento, apenas tolerância. Qualquer semelhança é mera coincidência.

III. O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18)
1. ADMINISTRANDO A SABEDORIA. 
A sabedoria mencionada por Tiago assinala a vontade de Deus para a vida do crente. Uma vez dada por Deus, tal sabedoria constitui-se parte da natureza do crente. É resultado do novo caráter lapidado pelo Espírito Santo. É um novo pensar, um novo sentir, um novo agir. Deus dá ao homem essa sabedoria para que ele administre as bênçãos, os dons e todas as esferas de relacionamentos da vida humana. Quando Jesus de Nazaré expressou “assim brilhe a vossa luz diante dos homens” (Mt 5.16), Ele estava refletindo sobre o propósito divino de o crente viver a inteireza do Reino de Deus diante dos homens.

A sabedoria divina concedida a nós parece absorver a nossa vida ou vice-versa, torna-se parte integrante de nosso viver. Creio que não é tomada, pois Deus jamais agiria como o homem: “toma – devolve, toma – devolve”, se fosse assim certamente seria um tal de “da e toma” sem precedentes, que bagunça na nossa mente e na igreja. O que devemos fazer é cultivar esta sabedoria e colocá-la em prática em prol do crescimento do reino de Deus e nunca em favor ou questões próprias.

2. SABEDORIA VERDADEIRA E A ARROGÂNCIA DO SABER. 
Há pessoas orgulhosas que, por se julgarem sábias, não admitem serem aconselhadas ou advertidas. Sobre tais pessoas as Escrituras são claras (Jr 9.23). Entre os filhos de Deus não há uma pessoa que seja tão sábia que possa abrir mão da necessidade de aconselhar-se com alguém. O livro de Provérbios descreve que há sabedoria e segurança na multidão de conselheiros, pois do contrário: o povo perece (11.14). O rei Salomão orou a Deus pedindo-lhe sabedoria para entrar e sair perante o povo judeu (2Cr 1.10). Disto podemos concluir que lidar com o povo sem depender dos sábios conselhos de Deus é um pedantismo trágico para a saúde espiritual da igreja. Portanto, leve em conta a sabedoria divina! É um bem indispensável para os filhos de Deus. Para quem sente falta de sabedoria, Tiago continua a aconselhar: “peça-a a Deus”.

“Até o tolo quando se cala será reputado por sábio; e o que cerrar os seus lábios por entendido” (Pv 17.28). Esta é a nossa garantia que Deus está no controle de tudo. Não cabe a nós lampejos de orgulhos ou desprezo á um bom conselho vindo da parte de Deus. Grandes vultos bíblicos deram crédito a bons conselhos e não se mostraram arrogantes pelo muito saber, abrindo as portas para a vitória em suas vidas. Por que então não agirmos como eles? Saúde para a igreja é a conduta de lideres e crentes que aceitam e colocam em prática os bons conselhos.

3. ATITUDES A SEREM EVITADAS. 
“Onde há inveja e espírito faccioso, aí há perturbação e toda obra perversa” (v.16). Aqui o autor da epístola descreve o resultado de uma “sabedoria” soberba e terrena. Classificando tal sabedoria, Tiago utiliza dois termos fortíssimos, afirmando que ela é “animal” e “diabólica”. Animal, porque é acompanhada por emoções oriundas de um instinto natural, primitivo, irracional e carnal, sendo por isso destituída de qualquer preocupação espiritual. Diabólica, porque o nosso adversário inspira pessoas a transbordarem desejos que em nada se assemelham aos que são oriundos do fruto do Espírito, antes, são sentimentos egoísticos, que se identificam com as obras da carne (2Tm 4.1-3; Gl 5.19-21). Atitudes que trazem contenda, facções, divisão, gritarias e irritabilidade devem ser evitadas em nossa família, em nossa igreja ou em quaisquer lugares onde nos relacionarmos com o outro. O Senhor nos chamou para paz e não para confusão. Vivamos, pois uma vida cristã sábia e em paz com Deus!

O então Saulo rogou ao professor Gamaliel (At 22.3) que lhe concedesse a sabedoria necessária para o seu futuro religioso. Ele conseguiu e lhe foi muito útil, mas não para o crescimento do reino, mas sim para impedir a expansão da igreja. A sabedoria terrena recebida por ele para nada serviu senão para perseguir, matar, açoitar, amedrontar e recalcitrar. Sabedoria vinda de Deus não permite tais atitudes.

A sabedoria divina recebida por ele, lhe foi muito útil em vários momentos da vida, durante as suas tribulações, perseguições e enroscos da vida. Quando esteve acuado em Jerusalém (At 22.1-2) resolveu expor sua defesa em hebraico, a língua morta dos judeus, e todos pasmados observavam-no, em sua autoridade e sabedoria. Qualquer outro em seu lugar teria esbravejado, blasfemado em aramaico, grego ou latim. Ele conseguiu calar seus opositores por alguns momentos.

Paulo sabia muito bem que Ananias era o sumo sacerdote, somente não o considerava como tal, pois o envolvimento do chefe religioso com a política de Roma o desqualificava e devido, bem como a nova fé de Paulo que não permitia ou aceitava a figura de um intermediador humano, portanto ele sabia com quem estava falando, mas diante do perigo ele pensou rápido e encontrou uma saída digna de mestre: “Varões irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseu; no tocante à esperança e ressurreição dos mortos sou julgado”, pronto isto foi o suficiente para dividir seus acusadores fariseus, que acreditavam em anjos e ressurreição, dos saduceus, que diferente não acreditavam (At 23.1-8). Com esta atitude, Paulo se livrou da morte certa pelas mãos dos furiosos judeus.

CONCLUSÃO
Após estudarmos o tema “sabedoria humilde” é impossível ao crente admitir a possibilidade de vivermos a vida cristã em qualquer esfera humana sem depender da sabedoria do alto. A sabedoria divina não só garante a saúde espiritual entre os irmãos, mas da mesma maneira, a emocional e psíquica. Ela estabelece parâmetros para o convívio social sadio ao mesmo tempo em que nos previne para que não caiamos nos escândalos e pecados que entristecem o Espírito Santo. Ouçamos o conselho de Deus. Que possamos viver de forma sóbria, justa e piamente (Tt 2.12).

OBJETIVOS DA LIÇÃO – FORAM ALCANÇADOS?
  1. Sabedoria que vem de Deus é diferente da humana;
  2. Sabedoria humilde promove boas obras (em mansidão);
  3. Sabedoria humilde é útil para o bem e não para o mal.

REFERÊNCIAS
Bíblia de estudo aplicação pessoal. CPAD, 2003.

Bíblia de Estudo Temas em Concordância. Nova Versão Internacional (NVI). Rio de Janeiro. Editora Central Gospel, 2008.

Bíblia Sagrada. Nova tradução na linguagem de hoje. Barueri (SP). Sociedade Bíblica do Brasil, 2000.


Bíblia Sagrada – Harpa Cristã. Barueri, SP. Sociedade Bíblica do Brasil, Rio de Janeiro. Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2003.

Por: Ailton da Silva - Ano VI (desde 2009)