terça-feira, 23 de março de 2021

Angelologia - aula 5



V - CLASSIFICAÇÃO ANGELICAL

1) HIERARQUIA

Os anjos de Deus se encontram organizados de forma hierárquica. Essa classificação é destacada pelo tipo de atividade que os anjos exercem em todo o Universo e na presença de Deus.

 

2) ANJOS

  • Fazem parte do exercito alado (Dn 9.21; Ap 14.6);
  • São enviados para assistirem aos herdeiros da salvação (Hb 1.14);
  • Se regozijam com a conversão do pecador (Lc 15.10);
  • Exercem vigilância protetora sobre os crentes (Sl 34.7; 91.11);
  • Estão presentes na Igreja (1 Tm 5.21);
  • Recebem aprendizagem das multiformes riquezas da graça de Deus (Ef 3.10; 1 Pe 1.12);
  • Encaminham os crentes ao seio de Abraão (Lc 16.22,23).

Gabriel (Varão de Deus) é o mensageiro da misericórdia e da promessa de Deus. Trouxe boas noticias nas quatro vezes em que apareceu na Bíblia (Dn 8.16; 9.21; Lc 1.19, 26), se tornando uma espécie de Embaixador Celestial, em razão de suas mensagens a Daniel (futuro de Israel), a Zacarias (nascimento de João Batista) e quando trouxe ao mundo a notícia do nascimento de Jesus Cristo. Gabriel é tido como um anjo de elevado poder angelical, da mais alta confiança da corte celestial.

 

3) QUERUBINS

  • São os responsáveis pela guarda da entrada do paraíso (Gn 3.24);
  • Observam o propiciatório (Ex 25.18,20; Sl 80.1; 99.1; Is 37.16);
  • Servem como carruagem para Deus descer à terra (2 Sm 22.11; Sl 18.10);
  • São representados simbolicamente como seres vivos em várias formas (Ez 1; Ap 4);
  • Foram destinados a revelarem o poder, a majestade, a glória de Deus, e a defenderem a santidade de Deus no jardim do Éden, no tabernáculo, no templo e na descida de Deus à terra.

Essa classe de anjos criados por Deus se destaca pela ligação com o trono de Deus (I Sm 4.4; II Rs 19.15; Sl 80.1; 99.1; Is 37.16). A palavra querubim, no original hebraico "querub", tem o sentido de guardar, cobrir. Em Ezequiel 10, os querubins aparecem cheios de olhos e o trono de Deus está acima deles. (onividência de Deus)

 

4) SERAFINS

  • Mencionados somente em Isaías 6.2,6;
  • Constituem uma classe de anjos muito próxima dos querubins;
  • São representados simbolicamente com seis asas, sendo duas para cobrirem o rosto e pés e duas para execução das ordens de Deus;
  • São considerados os nobres entre os anjos.

O vocábulo serafim deriva do "saraph" e significa ardente, refulgente ou brilhante, nobres ou afogueados. Estão intimamente ligados ao serviço de adoração e louvor ao Senhor. O termo Serafim fala de adoração incessante.

As asas de cada serafim tinham funções específicas. Com duas asas cobriam o rosto, numa atitude de reverência perante o Senhor. Com as outras duas asas cobriam os pés, falando de santidade no andar diante de Deus, e com as duas últimas asas, eles voavam. Essa visão de seres alados não significa que todos os anjos, obrigatoriamente, possuem asas.

 

5) ARCANJOS

O termo arcanjo só ocorre duas vezes nas escrituras (1 Ts 4.16; Jd 9), mas há referências ao arcanjo, Miguel, o único a ser chamado de arcanjo e príncipe do povo de Israel (Dn 10.13,21; 12.1). A palavra "arcanjo" representa a mais elevada posição na hierarquia angelical. O prefixo "arc", do grego "arch", sugere tratar-se de um chefe, um príncipe, um primeiro- ministro.

No livro apócrifo de Enoque existe menção a sete a sete arcanjos, Uriel, Rafael, Raquel, Saracael, Miguel, Gabriel e Remiel. Mas o único nome dessa lista que aparece nos livros canônicos da Bíblia que usamos é o do arcanjo Miguel.

Esse arcanjo se destaca biblicamente como uma espécie de administrador e protetor dos interesses divinos em relação a Israel (Dn 12.1), o príncipe dos filhos de Israel (Dn 10.13). Miguel sempre aparece em conotação com Israel, trazendo a imagem de um guerreiro (Dn 12.1).

No apocalipse, Miguel surgirá como o grande comandante dos exércitos celestiais contra as milícias satânicas (Ap 12.7-12). No arrebatamento da Igreja, a Bíblia, não menciona o nome, mas diz que a voz do arcanjo será ouvida (I Ts 4.16).

 

6) CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO COLOSSENSES 1.16

a) TRONOS

“Thronoi" (grego), se refere a classe de anjos que está diretamente ligada à majestade e soberania de Deus. É possível que os serafins e querubins estejam diretamente ligados a esse tipo de atividade real (I Sm. 4.4; II Rs 19.14; Sl 80.1; 99.1);

 

b) DOMÍNIOS

O termo grego "kuriothes" ou "kuriotethoi" tem o sentido de soberania ou dominações (Ef 1.21). Esta classe de anjos tem como função executar as ordens de Deus sobre as coisas criadas. Subentende-se pelo contexto doutrinário do papel dos anjos, que essa classe denominada "dominadores" age de forma executiva sobre o Universo e sobre determinadas esferas espirituais;

 

c) PRINCIPADOS

“Principados" do grego "archai" refere-se a uma classe de anjos que têm poderes de príncipes, que na esfera terrestre regem os territórios pertencentes ao reino. Lúcifer, o querubim ungido, estava no monte santo antes de sua queda e supõe-se que exercia uma espécie de governo, perdendo essa posição no momento da rebelião (Is 14.13; Ez 28.16; Ap 12.9)”. A Bíblia considera Miguel “um dos primeiros príncipes" de Deus (Dn 10.13).;

 

d) POTESTADES

O termo Potestades faz referência aos anjos que executam tarefas especiais ordenados por Deus. Foram investidos de autoridade especial, mas não se trata de poderes angelicais distintos ou isolados. Dentre estas tarefas especiais destacamos o anjo que foi enviado para destruir Jerusalém, que momentos antes, guardou sua espada após receber ordens de Deus (I Cr 21.15-27). São anjos "magníficos em poder" (Sl 103.20), que pertencem a uma classe de seres poderosos, porém não são onipotentes.


Fonte: Apostila Curso Básico de Teologia do SETEM – Seminário Teológico Manancial. Elaboração: Pb. Ailton da Silva

 

Por: Ailton da Silva - 11 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário