Presidente Prudente (SP),

Apresentação da lição em power point

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

A verdadeira sabedoria se manifesta na prática. Plano de aula

TEXTO ÁUREO
“Quem dentre vós é sábio e inteligente? Mostre, pelo seu bom trato, as suas obras em mansidão de sabedoria" (Tg 3.13)

VERDADE PRÁTICA
A verdadeira sabedoria não se manifesta na vida do crente através do discurso, mas das obras

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE – Tg 3.13-18
13 - Quem dentre vós é sábio e inteligente? Mostre, pelo seu bom trato, as suas obras em mansidão de sabedoria.
14 - Mas, se tendes amarga inveja e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade.
15 - Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica.
16 - Porque, onde há inveja e espírito faccioso, aí há perturbação e toda obra perversa.
17 - Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia.
18 - Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.

PROPOSTA
         Sábio: aquele que apresenta bom trato e mansidão;
         Inveja e facção não podem motivar mestres;
         Falsa sabedoria é terrena, animal e diabólica;
         Não permitamos que a vaidade e ambição nos dominem;
         Injustiças e perseguições ocorrem em nosso meio;
         Evitemos as maldades, mentiras, mexericos e falatórios;
         A sabedoria que vem do alto é pura, vem de Deus;
         Devemos ser mais humanos e parecidos com Jesus;
         “Fome e sede de justiça”: ah, se compreendêssemos!

INTRODUÇÃO
Nessa lição aprenderemos que obter informação, ou conhecimento intelectual, não significa adquirir sabedoria. Algumas pessoas são bem inteligentes, mas ao mesmo tempo inaptas para relacionarem-se com outras pessoas. Hoje estudaremos a sabedoria como a habilidade de exercer uma ética correta com vistas a praticar o que é certo. Veremos a pessoa sábia como alguém que se mostra madura em todas as circunstâncias da vida, pois é no cotidiano que a sabedoria do crente deve se mostrar.

É difícil reconhecermos ou vermos a verdadeira sabedoria na vida dos que professam a fé em Jesus. Deveria ser diferente, mas não é. O reconhecimento no mundo é muito mais fácil de ser visto, haja vista, os certificados ou diplomas que atestam a sabedoria humana e terrena. Diante da competitividade mundana seria lógico não haver este reconhecimento, porém o que ocorre com facilidade nesta dimensão carnal, não acontece na mesma proporção quando se trata da dimensão espiritual. Se a igreja reconhecesse os homens dotados da verdadeira sabedoria e colocassem em prática seus ensinamentos, certamente não enfrentaria situações desagradáveis em sua trajetória.

I – A CONDUTA PESSOAL DEMONSTRA SE A NOSSA SABEDORIA É DIVINA OU DEMONÍACA (Tg 3.13-15).
1. SABEDORIA NÃO SE MOSTRA COM DISCURSO.
Segundo as Escrituras, quem é sábio? De acordo com o que nos ensina Tiago, é aquela pessoa que apresenta “bom trato com os outros” e “obras de mansidão”. Note que os conceitos de sabedoria, conforme exposto no texto, apenas podem ser aprovados pela prática. Quem se julga sábio e inteligente, para fazer jus aos termos, deve demonstrar sabedoria e habilidade na vida diária, tanto para com os de dentro da igreja, quanto para com os de fora.

Certificado, um diploma ou um atestado não contribui para o bom trato entre as pessoas, pelo contrário, pois estes papéis servem de instrumentos de segregação. Os portadores da sabedoria divina devem colocar em prática no dia a dia suas habilidades para que situações problemas sejam evitados ou contornados. Não podemos ficar somente nos discursos ou na confiança em papéis que não atestam o interior da pessoa, somente atestam o exterior.

2. INVEJA E FACÇÃO (v.14).
Se para ocupar a posição de mestre a pessoa for motivada pela inveja, ou por um sentimento faccioso, de nada valerá o ensino por ela ministrado. O que Tiago apresenta na passagem em estudo não diz respeito ao conteúdo ministrado pelo mestre, mas a postura arrogante e soberba adotada por ele ao ministra-lo. As informações até podem ser corretas e ortodoxas, mas a postura adotada pelo mestre lançará por terra, ou não, o discurso por ele proferido. O mestre, por vocação, compreende a sua posição de servo. Ele gosta de estar com as pessoas. Assim, naturalmente, ele ensinará o aluno com eficiência, mas principalmente, com o seu exemplo e respeito (Mt 23.1-39).  

“Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei”. Com este argumento o apóstolo afastou qualquer possibilidade de inveja ou facção entre aqueles que receberam seus ensinos, pois destacou a fonte de sua sabedoria e revelou toda a sua dependência.

Na igreja de Corinto havia quatro grupos de crentes que se orgulhavam cada qual de suas posições (1 Co 1.12), um emaranhado de carnais (1 Co 3.3-4). Uns eram de Paulo, outros de Apolo, Cefas e de Cristo. Estes formavam o “quarteto fantástico”, quatro grupos de crentes:
a) Grupo dos homens borracha: era formado pelos crentes que viviam sem rumo, sem parada e sem raízes;

b) Grupo dos homens tocha: era formado por crentes que pegavam “fogo” rapidinho, mas não tinham uma fé fundamentada em Cristo. O estrago que faziam com o fogo era maior que a benfeitoria;

c) Grupo dos invisíveis: era formado por aqueles crentes que desapareciam ou se anulavam quando eram requisitados;

d) Grupo dos coisas: era formado por crentes que não faziam coisa alguma.

Como poderia haver mestres e ensinadores nestes grupos? Como seus ensinos poderiam surtir efeito na igreja?

3. SABEDORIA DO ALTO E SABEDORIA DIABÓLICA (V.15).
A fonte da verdadeira sabedoria é o temor do Senhor (Sl 51.6; 111.10; Pv 9.10). Mediante a nossa reverência e confiança depositada no Altíssimo, o próprio Deus concede-nos sabedoria para vivermos. Mas não podemos nos esquecer da falsa sabedoria. Esta, afirma-nos Tiago, é “terrena”, “animal” e “diabólica”, pois não edifica, mas destrói; não une, mas divide; não é humilde, mas soberba. É na arena da prática que a nossa conduta pessoal demonstrará o tipo de sabedoria que obtemos - Se do alto ou se terrena. Deus nos guarde da falsa e diabólica sabedoria.

Qual foi a formação secular ou diplomática de José para comercializar com povos de outras nações durante o tempo de vacas magras no Egito? Mesmo com a presença de intérpretes (Gn 42.23), era necessário pelo menos um pouco de conhecimento para lidar com outros povos. Conhecimento sobre a língua e costumes. Isto não seria possível da noite para o dia, teria que vir do alto e veio, por isto ele foi capaz de lidar com seus irmãos, tão logo os reconheceu.

A sabedoria do alto manifestada em prática em sua vida não o deixou se vingar de seus irmãos, pelo contrário, pois soube lidar com ele, com amor, tratou-os bem e não deixou que o sentimento faccioso tomasse conta de seu coração. Estava bem notório o abismo que havia entre eles e seus irmãos. Ele estava no trono enquanto que os outros estavam na lona.

II – ONDE PREVALECEM A INVEJA E SENTIMENTO FACCIOSO, PREVALECE TAMBÉM O MAL (Tg 3.16)
1. A MALDADE DO CORAÇÃO HUMANO
"Quem quiser ser realmente o maior deve tornar-se o menor de todos, e aquele que desejar o lugar de governo tem de se apresentar como servo". É o que ensina o Senhor Jesus nos Evangelhos (Mt 20.25-28; Mc 10.42-45; Lc 22.24-27). Apesar de a vaidade e a ambição serem sentimentos que despertam desejos latentes no ser humano (Pv 17.20), os discípulos de Cristo não podem permitir que tais desejos os dominem.

Por alguns minutos José pensou em se vingar de seus irmãos, pois tão logo os reconheceu prostrados diante de si, o primeiro pensamento que lhe veio em sua mente foi os sonhos que tivera no passado, além de ter sido rude com eles (Gn 42.7-9). “Vingo ou não vingo”, que dilema na cabeça daquele jovem governante. Estava bem claro para ele quem estava no comando daquela situação e outro ponto que ficou muito evidente e que o fez pensar muito foi a possibilidade de colocar tudo a perder por atos impensados de sua parte, por isto refletiu e viu que era a hora de exercitar a sabedoria recebida do alto. Se quisesse ser o maior, como de fato era, deveria servir e se apresentar como servo.

2. A INVEJA E A FACÇÃO INSTAURAM A DESORDEM.
Jesus de Nazaré sabia desde antemão que a vaidade dominaria o coração de muitos dos seus seguidores. Por isso Ele ensinava tal realidade nos Evangelhos. A Epístola de Tiago relata exatamente os problemas anteriormente abordados por Jesus. Nos dias do meio-irmão do Senhor, a "inveja" e o "espírito faccioso" assolavam as igrejas locais (Tg 3.16). Atualmente, muitos são os problemas dessa natureza em nossas igrejas. Injustiças e perseguições ocorrem em nossas comunidades até mesmo em nome de Deus, quando sabemos que o Senhor nada tem com tais atitudes (Jr 23.30-40).  

Todo o aprendizado e sabedoria de José, poderia ser arruinada caso ele não  colocasse em prática o que recebera do alto. Depois de tudo o que houvera passado era necessário ganhar a confiança de seus irmãos e não permitir que a inveja e a facção tomassem conta daqueles corações fracos novamente. Estranho é que invejaram a situação dele no momento em que desfilava com a túnica colorida ganha do pai, mas não invejaram o seu trono ou o segundo carro em que desfilava pelo Egito (Gn 41.43).

3. OBRAS PERVERSAS. 
Como é do conhecimento de cada salvo em Cristo, onde há "inveja" e "espírito faccioso", o mal impera.  Em um ambiente onde a perversidade e a malignidade estão presentes, muitas pessoas "adoecem" e até "morrem" espiritualmente (1 Jo 3.15). Maldades contra o irmão, mentiras contra o próximo, mexericos e falatórios, enfim, são atitudes que as pessoas que passam a frequentar uma igreja local, naturalmente, esperam não encontrar. Tais problemas listados acima podem facilmente ser evitados (Rm 2.17-24). Depende apenas de cada um olhar para Jesus, depois para si mesmo e iniciar um processo de correção de suas imperfeições e más tendências. Agindo assim, o Senhor certamente dispensará sabedoria para o nosso bem viver (Tg 1.5-8).

Quando os irmãos de José chegaram ao Egito o que esperavam daquela nação? Qual o motivo que os levaram tão distantes? Seca, fome e socorro, era isto que esperaram do desconhecido vizinho, mas qual teria sido a reação deles se fossem maltratados por José, que logo os reconheceu? O irmão ex-escravo e ex-detento, poderia ter se vingado e obrado perversamente contra eles, tinha este direito.

Os famintos irmãos foram em busca de alimento, confiaram no que ouviram: “o Egito se preparou e tem alimentos”. Não havia necessidade do temor. Quem tem para oferecer, deve oferecer o melhor, independente das circunstancias e momento. Se José tivesse tratado mal seus irmãos certamente eles nunca mais teriam voltado ao Egito e assim os problemas da família não teriam sido resolvidos. O ambiente era propicio para reconciliações e assim o foi, graças a verdadeira sabedoria manifestada na prática.

III - AS QUALIDADES DA VERDADEIRA SABEDORIA (Tg 3.17,18)
1. CARACTERÍSTICAS DA VERDADEIRA SABEDORIA.
O objetivo de Tiago em classificar as diferenças entre a sabedoria que vem do alto, e da terrena e demoníaca, é mostrar que ambas podem facilmente ser identificadas através da prática cotidiana. A primeira qualidade da "sabedoria que vem do alto", ressaltada pelo líder de Jerusalém, é a pureza. O termo é um adjetivo grego, hagnós, que se refere àquilo que é "sagrado", "casto" e "sem mancha". A sabedoria que vem do alto é pura, não no sentido humano da palavra, mas algo que vem exclusivamente de Deus para nós.

Realmente é gritante a diferença entre a sabedoria que vem do alto e a terrena e demoníaca. Quando ambas são manifestadas na prática esta diferença torna-se absurdamente visível.

2. MAIS SETE CARACTERÍSTICAS.
Após assegurar a primeira característica da sabedoria que procede de Deus, a pureza, Tiago elenca outras sete: paciência, moderação, conciliação, misericórdia, bons frutos, imparcialidade e verdade. Note que, de alguma forma, todas têm relação com o autodomínio, ou com o "domínio próprio" (Gl 5.22,23 - ARA). O Evangelho adverte-nos a ser mais humanos e parecidos com Jesus, ou seja, não autoritários, inflexíveis, coléricos, sem misericórdia, parciais com as pessoas e muito menos mentirosos. Isso porque tais más qualidades são provenientes da sabedoria demoníaca, animal e terrena (Gl 5.19-21). O Senhor nos chamou para o bem (Ef 2.10). Procuremos fazer o bem com amor e verdade (Gl 6.9). 

3. O FRUTO DA JUSTIÇA (V.18).
"Bem-aventurado quem tem fome e sede de justiça" (Mt 5.6). Já imaginou essa verdade compreendida e assumida por cada crente onde quer que este esteja? Já imaginou o tipo de mundo que teríamos se compreendêssemos as implicações reais dos termos "fome" e "sede de justiça"? Tiago diz que o fruto da justiça na vida do crente deve ser semeado na paz de Deus. Ele, porém, acrescenta que essa realidade é para os que, sabiamente, "exercitam a paz". Em outras palavras, é preciso trabalhar pela paz. Seja sábio, semeie, portanto, o fruto da justiça e tenha paz!

Aqueles que demonstram o desejo pela justiça divina e a buscam ansiosamente são prósperos e para estes existe existe uma promessa de satisfação tal como aconteceu com Paulo (Fp 3.8-10) e com Moisés (Ex 33.13-18), pois foram fartos, mesmo que Moisés não tenha entrado na Terra prometida, mas ele a viu e esta visão foi o suficiente para que ele se regojizasse (Dt 34.1-5). Mas este estado espiritual pode ser afetado pelas preocupações deste mundo, pelo engano das riquezas (Mt 13.22), pela ambição pelas coisas materiais (Mc 4.19), pelos prazeres do mundo (Lc 8.14) e pelo afastamento da presença de Cristo (Jo 15.4). Estas são características da morte espiritual (Rm 5.21). Jesus ensinou sobre a necessidade de buscarmos e colocarmos o reino de Deus como centro de nossos objetivos.

CONCLUSÃO
A nossa conduta pessoal demonstrará se temos a "sabedoria do alto", que é pura, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia, de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia; ou se somos portadores da terrena, animal e diabólica, que produz inveja, espírito faccioso, perturbação e obras perversas. Qual o tipo de sabedoria está presente em sua vida? Fomos chamados a não tomar a forma deste presente século, mas para isso precisamos da sabedoria do alto. Só assim produziremos frutos que se coadunam com a sabedoria que vem do alto. Busque a verdadeira sabedoria no Senhor com fé e você será um testemunho vivo do poder de Deus!

OBJETIVOS DA LIÇÃO – FORAM ALCANÇADOS
     O sábio demonstra bom trato com os outros;
     Inveja e espírito faccioso adoecem e matam;
     Devemos ser mais humanos e parecidos com Jesus.

REFERÊNCIAS
Bíblia de estudo aplicação pessoal. CPAD, 2003.

Bíblia de Estudo Temas em Concordância. Nova Versão Internacional (NVI). Rio de Janeiro. Editora Central Gospel, 2008.

Bíblia Sagrada. Nova tradução na linguagem de hoje. Barueri (SP). Sociedade Bíblica do Brasil, 2000.

Bíblia Sagrada – Harpa Cristã. Barueri, SP. Sociedade Bíblica do Brasil, Rio de Janeiro. Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2003.


LOURENÇO, Luciano de Paula. A verdadeira sabedoria se manifesta na prática. Disponível em: http://luloure.blogspot.com/2014/08/aula-09-verdadeira-sabedoria-se.html. Acesso em 27 de agosto de 2014.

Por: Ailton da Silva - Ano VI (desde 2009)

Nenhum comentário:

Postar um comentário