Presidente Prudente (SP),

Apresentação da lição em power point

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Sansão entendeu o plano de Deus para a sua vida. Mensagem 45

SANSÃO ENTENDEU O PLANO DE DEUS PARA A SUA VIDA
O CABELO DE SANSÃO CRESCEU! A FORÇA DELE VOLTOU
QUE EU MORRA PARA O MUNDO E QUE MORRA O MUNDO EM MIM

Introdução – Jz 13.1-5:
A força de Sansão não pode ser medida pela sua robustez física, mas sim pela suas atitudes. O seu nascimento foi igualmente anunciado como o de João Batista e Jesus (Lc 1.13;31), assim como fora revelado o comprometimento espiritual de cada um deles, bem como a missão (Lc 1.15-17; 1.32-33).

Sansão tinha todos os motivos para se manter fiel a Deus e para cumprir o seu chamado, mas foram muitos os seus erros, os quais lhe proporcionaram momentos nada agradáveis.

Mesmo diante de tantos erros, Deus permaneceu fiel a Sansão, quando ouviu o seu clamor respondeu prontamente (16.30), assim como ouviu o clamor de Israel no Egito (Ex 3.7). Se pelo menos durante o periodo de opressão dos filisteus alguém tivesse clamado.

1) Voto de nazireado (Nm 6.1-11)
O voto de nazireado foi instituído por ocasião da Lei, pelo qual o consagrado, tanto homem quanto mulher a partir do momento que optassem, deveriam se abster de certos alimentos, bebidas fortes e algumas atitudes que não seriam permitidas para eles, entre as quais destacamos a proibição no contato com cadáveres (tanto humanos quanto animais?). No caso dele não foi uma escolha sua, mas de Deus (13.5).

2) Os erros de Sansão:
a) 1º erro – Descer a Timna:
Tão logo o Espírito de Deus começou a trabalhar em sua vida (13.25), Sansão já começou a dar os primeiros passos em outra direção, apesar que aquilo vinha de Deus (14.4), pois os israelitas estava muito acomodados com aquela situação, certamente não fariam nada para mudar, precisavam de um empurrão e Deus deu. Ele viu uma mulher das filhas dos filisteus (14.1) e não contente pela fraqueza de suas pálpebras, envolveu seus pais no assunto, pedindo que providenciassem o casamento. Porque aquela moça muito o havia agradado. Se ele pudesse prever a decepção.

b) 2º erro – Suposto cadáver do leão:
Em sua viagem para o casamento com aquela moça ele passou pelo lugar onde havia enfrentado e matado um leão (14.6), onde encontrou um enxame de abelhas e mel.

Ele tocou o leão morto? A Bíblia não registra o tempo que se passou para que ocorresse novamente aquele encontro, Sansão e o leão. Possivelmente estava ali somente a ossada ou o próprio cadáver. Ele não poderia ter tocado (Nm 6.6).

c) 3º erro – escondeu o seu erro:
Ele tocou no leão para desvencilhar o mel e o deu aos seus pais, mas não revelou o local onde havia conseguido. Porque escondeu a verdade? Medo das represálias dos pais?

d) 4º erro – Confiou no inimigo:
Ao sugerir o enigma ele imaginava que ninguém seria capaz de decifrá-lo pelas vias honestas, mas não esperava que sua esposa o traísse por medo (14.15). Ela deveria ter confiado em seu marido para protegê-los da ameaça, já que conhecia toda a história de Sansão. Ela o traiu, pois o mais importante para foram as posses e família.

e) 5º erro – Sua vingança pessoal atingiu a outros:
De nada adiantou serem poupados das ameaças dos filisteus para descobrirem a resposta do enigma, pois dias depois os filisteus cumpriram as ameaças como represálias pela vingança de Sansão (15.6).

Como não havia recebido permissão para rever sua esposa ele ateou fogo na seara dos filisteus, enfurecendo-os. A única forma de se vingarem foi queimar a fogo a família a qual Sansão havia se ligado.

f) 6º erro – Paixões indevidas:
Mesmo na posição de juiz de Israel (15.20) foi até Gaza, afinal era corajoso, e se envolveu com uma prostituta. Quando percebeu que havia sido descoberto naquela cidade, não apavorou. A meia noite levantou, arrancou o portão da cidade, com fechadura, ferrolhos e o levou até ao cume do monte para que todos vissem que aquela nação não era assim tão poderosa e indestrutível. Porta queimada era sinônimo de luta, de resistência ou algo parecido (Ne 1.3), mas porta arrancada representava toda a altivez de derrotados que não vigiam e não guardam seus tesouros.

g) 7º erro – descobriu o seu coração (16.17):
Sansão tocou no leão morto (14.8), provavelmente havia provado bebida forte em seu casamento (14.10), também se relacionou com uma prostituta e mulheres estrangeiras, será que Neemias (Ne 13.25), caso fossem contemporaneos, teria arrancado os cabelos ou discutido com ele? Mas faltava algo para definitivamente tirar de sua vida todas as características e requisitos necessários para o nazireado. Ele abriu o seu coração e revelou o seu segredo. Foi vencido, não pelos olhos, mas pela soberba, pelo orgulho, pela confiança em si mesmo.

3) Consequências dos seus erros:
Todo o tempo ele se preocupou somente em enxergar o exterior, a carne, a beleza, mas na condição de prisioneiro, sem olhos (agora as mulheres eram todas iguais para ele, independente da nacionalidade ou beleza), amarrado, girando um moinho, voltas e voltas sem sair do lugar (16.21), neste momento ele entendeu o plano de Deus para a sua vida. Precisou chegar neste estágio? O mesmo acontece hoje?

Naquela festa foi oferecido como um troféu (16.23), para que todos se vangloriassem ao mesmo tempo em que zombavam do Deus de Israel. Dagom estava sendo exaltado (16.23).
Sansão estava quieto em seu lugar. Deus estava contemplando dos altos céus e os filisteus estavam imaginando que nada aconteceria por aquela afronta.

4) Conclusão – O cabelo de Sansão cresceu novamente (16.22);
Sansão, narcisista, foram muitos os seus erros, pois confiou em suas próprias forças, não entendeu o plano de Deus para sua vida, enquanto era respeitado por Israel e pelos seus inimigos. Não fez o que deveria ter feito enquanto teve saúde e visão, enquanto era respeitado como um juiz, ou pelo inimigo. A força dos seus braços não foi transferida para as pálpebras de seus olhos.

Forte na sua vida foi a sua carne, mesmo assim não foi abandonado por Deus e no momento crucial clamou e foi ouvido. Naquele momento ele declarou com todas as suas forças que havia entendido então o que Deus queria de sua vida (16.30). Agora faria, custasse o que custasse, mas o mundo dos filisteus morreria, mesmo que ele morresse também para o mundo. Ele declarou: que eu morra para o mundo e que morra o mundo em mim.

Por: Ailton da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário