Presidente Prudente (SP),

Apresentação da lição em power point

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Aviva, ó Senhor, a tua obra. Plano de aula

RETORNO À VERDADEIRA NATUREZA
REVIVIFICAÇÃO DO PRIMEIRO AMOR
ORAÇÃO – CATALISADOR DO AVIVAMENTO
ASSOPRAR AS BRASAS E REMOVER AS CINZAS
AVIVAMENTO – OPORTUNIDADE PARA REINÍCIO
PALAVRA – COMBUSTÍVEL PARA O AVIVAMENTO

"AVIVAMENTO É O SOPRO DE DEUS PARA TIRAR A POEIRA QUE FOI ACUMULADA NO DECURSO DOS ANOS SOB NOSSA VIDA ESPIRITUAL" - ASHBEL GREEN SIMONTON.

INTRODUÇÃO
Como herdeiros da chama, temos a responsabilidade de manter o ardor pentecostal, cuidar da sã doutrina, manter aquele avivamento iniciado na Azuza Street, mas para isto devemos ter conhecer, em essência, a verdadeira natureza do pentecostalismo, que consiste em muita oração, quebrantamento, santidade e vida com Deus.
a) Significado de avivamento;
• Animar (-se);
• Avigorar (-se);
• Reanimar (-se);
• Recobrar (-se);
• Despertar (-se);
• Tornar (-se) mais forte, intenso, realçado, ativo, ágil;
• Aumentar;
• Aviventar (-se);
• Destacar (-se), mais nítido;
• Apressar (-se);
• Tornar-se mais vivo.
b) Avivar o que? Avivar o amor de Deus em nossas vidas.

c) Avivar para quê – necessidade da obra. Deus desperta um para avivar a muitos, desperta em pequena escala, para proporcionar grandes avivamentos mundo a fora, porém, lamentavelmente associamos o avivamento a idéia de manifestações poderosas e visíveis do Senhor, sem contar que consideramos avivados somente aqueles que de tais ambientes participam ou convivem. Logicamente nestes espaços o tempo destinado ao ensino doutrinário da Palavra é quase pouco ou nulo. O certo é que não existe avivamento sem ensino da Palavra.

O avivamento desperta os mornos e cansados para uma nova vida espiritual para que entrem em contato novamente com rios de água viva (Is 44:3).

Infelizmente, o homem tende a apatia espiritual, ao esquecimento das coisas de Deus, com o passar do tempo, por isto é necessário um constante avivamento. Se a igreja vivesse continuamente na plenitude do Espírito de Cristo, como Deus deseja, o avivamento seria um estado permanente.

c) A busca pelo avivamento:
A busca do avivamento deve ser uma constante na vida do povo de Deus. Nossa natureza carnal ainda não foi extirpada, ela continua em stand by, ou seja, a qualquer momento pode vir à tona se não houver uma rigorosa vigilância de nossa posição espiritual diante de Deus (Mt 24:41).

No entanto, algumas condições foram estabelecidas para que o avivamento seja, de fato, visto e sentido, dentre elas destacamos:
• Busca incessante da misericórdia e poder de Deus;
• Submissão à Palavra do Senhor;
• Confissão dos pecado;
• Arrependimento;
• Mudança de vida.

I. BUSCANDO O AVIVAMENTO
1. O Livro da Lei é encontrado.
Josias (Jeová cura) foi o 16º rei de Judá e reinou durante o período de 640 a.C. a 609 a.C. Filho do rei Amom com sua esposa Jedida. Seu pai foi assassinado por conspiradores. O povo eliminou os conspiradores e restaurou a autoridade régia da linhagem davídica, colocando Josias no trono, com apenas 8 (2Rs 22.1). Ainda jovem embrenhou-se numa batalha para livrar a nação da idolatria, destruindo postes sagrados, altares e imagens. Nesta empreitada encabeçada pelo rei, guiada por homens de confiança, retos e obedientes, fizeram uma limpeza geral, colocando materiais novos no templo.

Os sacerdotes encontraram (2Cr 22”8-17) e entregaram o livro da lei ao rei Josias, que o adotou como guia de suas reformas, ordenando que fosse lido em público, na intenção de que houvesse uma renovação do compromisso da aliança feita com Deus. Seu próximo passo foi eliminar o horror e a degredação espiritual em que se encontrava Judá (2Rs 23):
• ídolos no templo;
• sacerdotes idolatras;
• sodomia e prostituição no templo;
• astrologia;
• sacrificio de crianças.

Josias estava disposto a destruir tudo isso imediatamente, por isto promulgou a lei de Deus ao povo e jurou ser-lhe obediente. Requereu que o povo se juntasse a ele na renovação do relacionamento com Deus. Dessa forma, aconteceu um avivamento em Judá, quando o povo se arrependeu e retornou às práticas descritas por Deus em sua Lei. Aquele avivamento trouxe maravilhosos resultados ao Reino de Judá. Os judeus puseram-se, com temor e com o coração cheio de júbilo a celebrar as festas do Senhor (2Cr 35:18).

Não é de estranhar que em muitas de nossas igrejas, o Livro da Lei de Deus esteja perdido. Não no mundo, mas na própria igreja, vemos a carência de que a pregação genuína e o ensino da Palavra de Deus sejam mais consistentes. Para que possamos ver o verdadeiro avivamento acontecer, precisamos retornar à Palavra. Nenhum avivamento é possível sem um retorno incondicional à Palavra de Deus.

2. Quando a Palavra de Deus é ensinada.
Desde o Antigo Testamento, sempre vemos que os momentos de avivamento do povo de Deus são caracterizados por uma busca da lei do Senhor, por uma renovação no interesse e na observância das Escrituras. Todo e qualquer movimento que menosprezar a Palavra de Deus, que não der espaço ao estudo e ao ensino da Palavra, não é um verdadeiro avivamento espiritual, mas um movimento místico, que se misturará facilmente com manifestações sobrenaturais de procedência maligna.

Dizer que se está diante de uma igreja avivada sem que haja ensino, exposição e meditação na Palavra do Senhor, onde há uma seqüência interminável de cânticos, de operações de maravilhas (divulgações intermináveis de visões, de revelações, de diálogos intermináveis com demônios, de teatralizações, de sessões de exorcismo e de operações similares, carregadas de misticismo e histeria etc. etc.), é um engano, é mentira, é ilusão. Deus Se revela através da Sua Palavra e as operações e manifestações de poder existem para confirmar a Sua Palavra (Mc 16:20).

Esdras, escriba e entendido da lei de Moisés, liderou o segundo grupo de israelitas que retornaram da Babilonia em 457 aC. Sua viagem tinha um propósito, como ouvinte e praticante diligente da Palavra, o objetivo de Esdras era ensinar outros a fazerem o mesmo (Ed 7.10). A Palavra de Deus foi, assim, a base da reconstrução de Jerusalém.

3. Os frutos do avivamento.
O avivamento sempre resulta em frutos que denotam claramente mudança no padrão moral e espiritual das pessoas. Na época de Esdras e Neemias, como frutos do avivamento ocorrido no povo Deus, houve uma notória restauração moral e espiritual da nação judaica (Ne 8:1-18;0:1-38;10:29).

a) O fruto do avivamento produz na igreja:
• Uma barreira para mantê-la afastada do mundo (Ef 4:25-31);
• Um aprofundamento na palavra de Deus (João 6:63);
• Um crescimento abundante da fé (Rm 10:17);
• Perseverança nas suas orações (At 2:42; 3:1; 12:12,13);
• Louvores a Deus (At 2:47);
• Temor a Deus (At 2:43);

II. O CLAMOR DO PROFETA HABACUQUE
1. Um homem preocupado com o estado espiritual de seu povo.
O profeta Habacuque foi contemporâneo de Jeremias e viveu numa época de crescente deterioração moral e espiritual em Judá. Ele sabia que o juízo de Deus se aproximava e viria por meio da invasão babilônica, ocorrida em 586 a.c.

O seu livro começa com uma série de perguntas (1.2-3), que não evidenciavam falta de fé, mas sim a presença dela. O profeta apela a Deus para agir a favor do seu povo, pois não entendia o porque da tolerância. Ele pediu livramento, proteção para os inocentes e castigo para os malfeitores. Ele não se conformava com a iniquidade do povo.

a) Momento adequado para o avivamento:
É nesse contexto que aparece o famoso clamor de Habacuque (Hc 3:2), pois este foi o momento propício para o avivamento do povo, que ora se encontrava distante de Deus, frio, acomodados. É justamente no meio dos anos que a frieza, incredulidade, desanimo e o comodismo assaltam a igreja.

2. A restauração virá.
Os resultados destrutivos da invasão babilônica seriam sentidos através de toda a terra, mas o profeta encontra a fonte da sua alegria em Deus e não nas circunstancias.

Habacuque sabia que teria muito sofrimento pela frente:
• Não haveria mais frutos na videira;
• Não haveria mais ovelhas no curral;
• Não haveria mais paz, e sim, guerra;
• O sofrimento seria enorme;
• Haveria fome, desemprego e miséria total;
• A situação ficaria pior.

Muitos sofrem por causa da corrupção de outros. Gemem, enquanto experimentam o que Habacuque experimentou: "A justiça nunca se manifesta". Mesmo assim, não devem jamais perder a esperança. Não devem jamais parar de louvar a Deus. Jesus virá para nos salvar e para destruir todos os nossos inimigos. Cristo virá para julgar os vivos e os mortos e para dar a vida aos justos.

Lembrando-se dos atos portentosos de Deus na história da nação, o profeta roga ao Senhor que faça novamente as mesmas obras realizadas no passado (Hc 3:3-16). Estava ciente de que o mesmo Deus que viera com salvação no passado, voltaria em toda a sua glória. Todos quantos esperavam sua vinda viveriam e veriam seu triunfo sobre impérios e nações. Ele sabia que um remanescente fiel haveria de sobreviver à invasão babilônica. Essa convicção trouxe-lhe alegria e ânimo (Hc 3:18).

3. Avivamento gera mudança de vida.
Habacuque estava ciente de que o pecado era excessivo, a religião decadente e o julgamento era questão de tempo (Hc 1:4; 2:18-20). Havia injustiças, violência e idolatria entre o povo de Deus (Hc 2:9-11,17-19). Desta feita, era necessária uma mudança de comportamento entre os filhos de Israel. Então, o profeta clamou pelo avivamento (Hc 3:2).

O tempo do avivamento é hoje (no meio dos anos), e somente ele é capaz de deter ou restringir a ação do secularismo, mundanismo, comodismo, conformismo e conivência com o erro, pecado e maldade tão presentes hoje, quanto no passado, no meio do povo.

O verdadeiro avivamento resulta em santidade em toda a sua maneira de viver (1Pe 1:15), caso contrário, tudo não passará de mero entusiasmo, mecanicismo e emoção.

III. É TEMPO DE BUSCAR A FACE DE DEUS
1. Buscando e conhecendo a Deus.
Muitas pessoas foram batizadas com o Espírito Santo, viveram dias maravilhosos, foram usadas por Deus, mas depois se esfriaram na fé e se esqueceram da gloriosa experiência que tiveram. Para conservar uma vida renovada, cheia da graça divina, é preciso:
• Leitura bíblica - A relação entre a Bíblia e o avivamento é tão intrínseca que é impossível um avivamento de verdade sem que a Bíblia faça parte dele;
• Oração – Os cristãos primitivos estavam sempre cheios do Espírito e renovados porque viviam em oração (At 4: 31);
• Santificação - Devemos ser santos em nosso viver, e em nossa conduta, isto é, em nosso caráter, internamente, e em nosso proceder, externamente;
• Busca constantemente da face de Deus – Conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor (Os 6:3).

O conhecimento de Deus, jamais pode ser algo que acontece uma única vez e pronto. Muito pelo contrário, deve ser algo que aconteça diariamente, fruto do nosso relacionamento com Ele, através da leitura da Palavra, da meditação, da contemplação, da oração, dos momentos de comunhão diante do Pai.

2. Consagrando-se e entregando-se a Deus.
Consagrar-se (separar-se, dedicar-se, santificar-se para Deus). Ele está buscando homens e mulheres que se consagrem para que possam ser usados. Vivemos dias de apostasia, de novas unções e novas revelações, tempos onde os interesses pessoais são mais importantes que o reino de Deus. A renovação é resultado da graça de Deus, que oferece sempre oportunidade para o cristão reiniciar sua caminhada de fé, mas também para renovar a convicção dos votos e a confiança na palavra de Deus e na veracidade da sua Palavra. Consagração a Deus leva a plenitude de vida.

3. Confessando e abandonando os pecados.
O baixo padrão de vida cristão, atual, impede que muitos venham conhecer a Deus através do verdadeiro arrependimento, por conseguinte, não ocorrem as confissões e o abandono do mundo vil.

CONCLUSÃO – OBJETIVOS DA LIÇÃO:
1) A igreja do Senhor, na atualidade, precisa buscar um autêntico avivamento espiritual:
Avivamento é algo que precisamos buscar, mas precisamos saber o que e porque estamos buscando. Um Avivamento não é resultado de um esforço humano, no sentido de depender dele, mas sim é produzido pelo Senhor da Obra.

2) O genuíno avivamento gera mudança de vida:
Avivar significa assoprar as brasas, remover as cinzas e ver surgir o fogo que queima pecados e aquece a alma do crente. É o Senhor com o seu vento que faz as brasas queimarem revivendo a chama do amor e da fé. A obra não é nossa , é do Senhor - Somos apenas trabalhadores, da grande seara.

Uma igreja sem renovação espiritual constante cai na rotina, isto é, fica parada no tempo, no espaço e no trabalho. Ela pode até trabalhar, mas não avança, não progride, porque algum fruto que surja é destruído pelas contendas, inveja, ganância, desunião e outras obras da carne. Tal igreja não resiste, nem supera as rápidas mutações de comportamento da sociedade ímpia ao seu redor.

3) É tempo de buscarmos a face de Deus.
O avivamento é fundamental para a sobrevida da igreja local, para isso, alguns valores precisam ser resgatados, especialmente, a oração (como o catalisador) e o ensino da Palavra (como o combustível para o avivamento).

Resumo extraído do conteúdo proposto na lição 13 (Revista Lições Bíblicas) e dos subsídios disponibilizados nos sites abaixo:
http://www.ebdbrasil.net – acesso em 21/06/2011
http://subsidioebd.blogspot.com/ - acesso em 20/06/2011
http://luloure.blogspot.com – acesso em 21/06/2011
http://auxilioebd.blogspot.com – acesso em 20/06/2011
http://ebdweb.com.br – acessos diários
Bíblia de aplicação pessoal

Nenhum comentário:

Postar um comentário