sexta-feira, 31 de dezembro de 2021

Prefiro murmurar no deserto. As dez murmurações do primogênito. Capítulo 7

O LIVRAMENTO

Não murmuraram contra Moisés, mas sim contra Deus, aborrecendo-o profundamente, pois tocaram na menina de seus olhos quando questionarem a autoridade do líder, por isto a sentença dada a Miriã serviria de exemplo a todos. 

“E disse o SENHOR a Moisés: Se seu pai cuspira em seu rosto, não seria envergonhada sete dias? Esteja fechada sete dias fora do arraial, e depois a recolham” (Nm 12.14). 

Deus tinha todos os motivos para consumir Miriã, Arão e todo o povo ali mesmo em pleno deserto, porém não o fez em virtude do clamor de Moisés. Receberam mais um livramento, mas presenciaram uma pequena demonstração da ira de Deus, pois viram lepra atacar a murmuradora,

A aplicação desta pena sensibilizou o povo e serviu de exemplo. Realmente havia sido pouco para tão grande afronta. Ainda saíram no lucro.

Mas ainda faltava algo. A autoridade de Moisés não poderia ser maculada, por isto Deus resolveu o problema, confirmou que seu servo estava sob suas ordens, não restando mais brechas para desconfiança. 

 “Agora escutem o que vou dizer. Quando há profetas entre vocês, eu apareço a eles em visões e falo com eles em sonhos. Com o meu servo Moisés é diferente, pois eu o coloquei como responsável por todo o meu povo. Pois eu falo com ele face a face, claramente, e não por meio de comparações; ele até já viu a minha forma! Como é que vocês se atrevem a falar contra o meu servo Moisés?” (Nm 12.6-8 - NTLH). 

Moisés era o único capaz e com o aval de Deus para exercer autoridade sobre aquele povo. Arão reconheceu isto (Nm 12.11), depois que viu sua irmã leprosa, por terem, os dois se levantado contra o líder. 

Por: Ailton da Silva - 12 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário