Presidente Prudente (SP),

Apresentação da lição em power point

sábado, 18 de agosto de 2012

E o "Oscar de melhor trama" vai para: os irmãos de José



Eli e Davi não disciplinaram seus filhos, diante de seus erros (I Sm 2.12-17, 22; II Sm 2.6, 29; 15.10), o mesmo podemos dizer do velho e bom patriarca Jacó.

Os filhos ao perceberem a diferenciação do amor demonstrado pelo pai (Gn 37.4) mudaram seus semblantes e o tratamento a José. O grande culpado por toda esta situação foi o próprio pai, que não honrou o primogênito,que era Rúben.

a) O erro de Jacó:
Ele desde o inicio amou Raquel (Gn 29.18), de uma forma bem diferente de sua irmã e rival, que havia sido dada como esposa em primeiro momento.

O seu primogênito, Rubén, era filho de Léia, mas nunca foi honrado pelo pai como tal. A lei previu este erro e procurou eliminar esta prática da sociedade hebréia (Dt 21.15-17), mas por enquanto não havia nada que pudesse desabonar a conduta de Jacó, em relação ao tratamento dado aos seus filhos, a não ser as inevitáveis conseqüências.

Para a lei, tão logo fosse instituída, não importava que era a mãe, fosse ela a mulher amada ou não, o primogênito seria o primeiro filho que nascesse. Era um resguardo do direito do filho e uma segurança para a mãe. Certamente Jacó enfrentaria algum tipo de problema com a lei, caso ela existisse em sua época ou vice versa.

O primogênito de fato e direito foi Rúben, mas o honrado foi José, o primeiro filho da mulher que Jacó sempre amou, tão especial que após o nascimento o seu coração foi inundado pelo desejo de retorno às suas terras (Gn 30.23-25).

b) Os erros dos irmãos de José:
Eles tomaram as dores do primogênito desonrado? Seguiram o exemplo do pai? Questionaram-no a respeito de sua dificuldade em entender o principio da primogenitura (Gn 25.33; 27.35)?

Este sentimento foi crescendo de tal forma que tornou impossível a convivência sadia entre eles. A gota d’água foram os sonhos de José (Gn 37.7,9), contado a seus irmãos por ele próprio, sob a chancela do pai. O primeiro aumentou ainda mais a rivalidade e acirrou o ciúmes, mas nada que pudesse ser considerado as reações provocadas, no pai, após a revelação do segundo, pois Jacó repreendeu o filho publicamente após ouvir o relato. Enquanto o primeiro sonho mexia somente com o orgulho da prole, o segundo foi capaz de mexer com o ego do pai.

Depois do ocorrido, seus irmãos, se isolaram por “n” motivos, foram apascentar bem longe de suas terras. Quando da visita de José para averiguar a situação e o trabalho deles (G 37.13), eles desejaram a sua morte (Gn 37.20), mas foram impedidos por Rúben, o primogênito.

Acuaram o irmão, roubaram e rasgaram o seu único patrimônio, presente de seu pai (Gn 37.23), usaram de violência, praticaram cárcere privado, omitiram socorro e atendimento, pois a longa viagem, a luta para evitar que sua túnica fosse rasgada e a queda na cova devem ter deixado algumas marcas no corpo de José.

Venderam o irmão como escravo, algo inadmissível para a época e costume hebraico e por fim devem ter aplicado as 20 moedas de pratas, lucro da venda. Duas moedas para cada irmão, levando em consideração que Benjamim, irmão e filho da mesma mãe, não tenha participado desta trama.

Mas esta rebelião dos irmãos não trouxe conseqüências trágicas para cada um deles, tal como aconteceu com Hofni, Finéias (II Sm 4.11) e Absalão (II Sm 18.4). Qual a explicação lógica para isto? Talvez por se tratar da espinha dorsal de Israel? Ou talvez porque a rebelião não tenha sido diretamente contra o pai? Mesmo com a mentira contada sobre a morte do irmão. Ou talvez tenha havido o arrependimento, por parte deles? Mas não tinham muito o que fazer, pois por onde começariam a procurar o irmão?

O “Oscar de melhor trama” é deles.

Por: Ailton da Silva (18) 8132-1510

Nenhum comentário:

Postar um comentário