Apresentação da lição em power point

quarta-feira, 27 de março de 2013

Eliseu - última profecia, último milagre, sumiço, retorno e ida dobrada


Texto elaborado conforme resumo da aula do Ev. Dr. Caramuru.

A) A ÚLTIMA PROFECIA:
A última profecia de Eliseu se cumpriu após a sua morte, ocasião em que o rei Jeocaz feriu os sírios por três vezes (foi A ultima profecia se cumpriu depois de sua morte, quando o rei Jeocaz feriu (Rs 13.25). Quando ele profetizou a respeito deste episódio, estava muito doente, inclusive esta foi a causa de sua morte. Ele morreu, mas o ministério profético não havia terminado. O trabalho dos profetas continuaria.

B) O ÚLTIMO MILAGRE, O MILAGRE PÓSTUMO:
O último milagre de Eliseu, o milagre póstumo, serviu para comprovar que ele havia mesmo recebido a porção dobrada, uma vez que tanto ele quanto Elias ressuscitaram uma pessoa (1 Rs 17.22; 2 Rs 4.35-37), portanto para comprovar a duplicidade da porção era necessário que houvesse outro caso de ressuscitação, como realmente aconteceu (2 Rs 13.21). Depois deste milagre não houve mais ocorrência de milagre através da vida de profetas em Israel, nem mesmo João Batista, o maior nascido de mulheres (Lc 7.28). O primeiro milagre, pós Eliseu, feito por intermédio de um profeta foi pelas mãos de Jesus, em Caná da Galiléia (Jo 1.11; cf Dt 18.18).

C) O SUMIÇO DE ELISEU
Um dos filhos dos profetas foi encarregado de ungir Jeú rei sobre Israel (2 Rs 9.1-4) e após esta ordem, o profeta Eliseu saiu de cena, por quase 45 anos, contando os 28 anos de reinado de Jeú (2 Rs 10.36) e os 17 de seu filho Jeoacaz (2 Rs 13.1). Tanto Eliseu quanto Elias souberam agir com instrumentos nas mãos de Deus, mas também souberam reconhecer e aceitar o momento em que deveriam “dar um tempo, saírem de cena, deixarem os holofotes e esperarem novas ordens”. Neste período se cumpriu a profecia a respeito de Hazael, rei da Síria (2 Rs 8.7), que causou muitos problemas para Israel (2 Rs 19.32).

O rei Jeú exterminou o culto a Baal, mas permitiu que os cultos aos bezerros continuassem. Eliseu teve ciência disto e continuou preparando os filhos dos profetas, pois entendeu que o ministério de confronto a apostasia ainda não havia terminado. A restauração de Israel ainda não havia acontecido. O rei teve fé para combater Baal, mas não teve fé para destruir os bezerros de ouro.

D) O RETORNO DO PROFETA
O rei Jeoás, neto de Jeú, assumiu o trono e “lembrou-se” de que ainda existia ministério profético em Israel e que Eliseu era um homem de Deus. Ele estava muito doente naquele dias, mas ainda teve condições de receber a visita real e foi visitado pelo rei (2 Rs 13.14).

A mesma frase que disse no início de seu ministério, ele ouvi do rei: “meu pai, meu pai, carros de Israel e seus cavaleiros”. Aquilo soou para ele como um renovo, a certeza de que o seu ministério ainda tinha continuidade e que poderia fazer muito por Israel. Ele estava quase morrendo e Deus os fez lembrar destas palavras.

E) A PORÇÃO DOBRADA – IDA DOBRADA:
Eliseu recebeu porção dobrada, porque então não foi uma vez para o céu, como Elias e depois retornou para então subir pela segunda vez? A teoria da ida dobrada!

Elias não morreu porque ele deveria mostrar que Deus era o Senhor (conforme significado de seu nome). Ele foi levado para o céu, pois fazia parte de seu ministério provar que Deus era o Senhor da vida e que se desejasse poderia poupar da morte, quem Ele desejasse.

Eliseu, (Deus é salvação) ficou no lugar de Elias. Deus estava mostrando que Ele deveria morrer para salvar a humanidade e a doença de Eliseu antecipava a profecia de Isaias, pois já ficava certo que as nossas enfermidades seria levadas por Ele.

Por: Ailton da Silva - Ano IV

Nenhum comentário:

Postar um comentário