Apresentação da lição em power point

quinta-feira, 29 de março de 2012

Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo. Plano de aula

APOCALIPSE – O TEMIDO
ECLESIOLOGIA OU ESCATOLOGIA?
UMA REVELAÇÃO PARA OS TRÊS POVOS
QUEM TEM OUVIDOS, OLHOS E ENTENDIMENTO?
JOÃO: AFASTADO DA IGREJA, MAS NÃO DE DEUS
1ª VINDA – O FILHO REVELOU O PAI AO MUNDO
2ª VINDA – O PAI REVELARÁ O FILHO AO MUNDO
APOCALIPSE: ESCRITO EM PATMOS, MAS REVELADO BEM LONGE

PROPOSTA DA LIÇÃO:
• Gênesis, o começo. Apocalipse o recomeço;
• Sua finalidade é somente descortinar o mundo?
• João escreveu uma versão do Evangelho, 3 cartas e a revelação;
• Apocalipse, mensagem destinadas para todas as épocas;
• Escrito em algum paraíso fiscal? Nas ilhas do Mediterrâneo?
• Tema: revelação de Jesus, visões, símbolos e figuras;
• Cartas, selos, trombetas, taças, a besta, o Cordeiro, Sião...
• Divisão: “As que vês (Cristo). As que são (cartas). As que serão (fim);
• Objetivo: correção de distorções, consolo, revelação e alerta;
• Era difícil conseguir um exemplar no passado. Hoje é difícil a leitura.

INTRODUÇÃO
O Apocalipse é um dos livros mais belos, fascinantes e temidos livros da Bíblia. Os símbolos e figuras mostra-nos como serão os últimos dias da humanidade. Ao contrário de como muitos pensam, o Apocalipse, mesmo revelando a consumação, trata também do recomeço, quando se refere a Nova Jerusalém descendo dos céus.

Este livro nos revela um Jesus triunfante, exaltado e poderoso, que vencerá todos os seus inimigos. Desta forma, compreendemos que o último capítulo da história da humanidade não será composto pelo triunfo do mal e do vilão, mas sim pela vitória do Rei dos reis. É a revelação, o desvelamento do poder de Deus, no que tange ao controle da situação de tudo.

Esta revelação, desvelamento ou abertura (do grego apokalypsis) de uma realidade jamais imaginada por qualquer ser humano. Através dela foi exposto os acontecimento pós primeira vinda e pré segunda. As cartas foram dirigidas às igrejas do primeiro século, localizadas nas sete cidades da província romana da Ásia (Ap. 1.4-11), pois tais igrejas estavam vulneraveis aos falsos ensinos da época (Ap. 2.5,15), enfrentando perseguições (Ap. 2.10,13), se comprometendo com o paganismo, idolatria e imoralidade (Ap. 2.14-20-21) e pela conivência espiritual (Ap. 3.1-3,15,17).

Mesmo que, as sete igrejas tenham sido as primeiras a serem contempladas, é bom observarmos que a mensagem se aplica a todas as épocas, pois os perigos que rondavam aquelas igrejas sempre estiveram e estão presentes na vida espiritual de todos aqueles que professaram ou professam a fé em Jesus.

a) Formas de interpretação do Apocalipse:
• Preterista: as profecias já se cumpriram, boa parte delas durante a perseguição do império romano;
• Histórica: as profecias se cumpriram ou cumprirão com o passar dos tempos;
• Simbólica, espiritual ou idealista: visões figuradas ou quadros simbólicos de verdades perpetuas;
• Futurista: as profecias pertencem aos últimos dias.

b) Particularidades do livro:
• 22 capítulos, 404 versículos, 12000 palavras e 9 perguntas: (5.2; 6.10,17; 7.13; 13.4 (duas vezes); 15.4; 17.7; 18.18);
• Mensagens específicas para judeus, gentios e igreja, os três povos mencionados na Bíblia (I Co 10.32), sendo que os dois primeiros foram tratados no Antigo Testamento, enquanto que o terceiro foi diligentemente tratada no Novo Testamento.

I. O LIVRO DO APOCALIPSE
1. APOCALIPSE, O ÚNICO LIVRO PROFÉTICO DO NT.
Somente o Apocalipse pode ser considerado um livro rigorosamente profético, mesmo que haja profecias em outros livros, por isso faz parte da “literatura apocalíptica”, como também. Nos livros de Ezequiel, Daniel e Zacarias também contém visões com muitos elementos simbólicos.

Do grego, apocalupsis, sendo “apo” (desde dentro para fora) e kalupsis (cobertura ou véu), nos remete a idéia de remoção do véu, que está estendido sobre algo para que aquilo que está oculto seja conhecido urgentemente.

Os escândalos, a violência, nos levam a imaginar que a humanidade caminha a passos largos para a sua própria destruição, mas o livro de Apocalipse nos mostra algo bem diferente, um fim glorioso, que culminará com a vitória do bem sobre o mal (Ap 21:1), pois Deus está no controle da situação. O vilão será aniquilado.

2. UM LIVRO DE ADVERTÊNCIAS E CONSOLAÇÕES.
A função deste livro não é apenas descortinar o futuro ou revelar a situação atual ou para a qual caminha, pelo contrário, ele nos adverte, ensina, estimula a esperança e santidade, encoraja e exorta os cristãos de todas as épocas a esperarem a manifestação de Jesus, conforme a ordem estabelecida no próprio livro.

Deus se revela ao homem, concede informações valiosíssimas e desconhecidas até então, tais como: quem Ele é, o que faz e o que fará no futuro. Tornou-nos conhecidos os seus planos.

O Apocalipse não revela somente o juízo aos incrédulos, mas também relaciona uma serie de bênçãos para os vitoriosos. São muitos os males que assolaram a igreja e a assolam, com muita freqüência, nos dias de hoje, entre os quais destacamos o esfriamento, perseguição, heresia, imoralidade, presunção e apatia, mas assim como as igrejas, que receberam as cartas foram advertidas, os cristão também são assistidos e atendidos por Jesus.

II. AUTORIA, DATA E LOCAL
1. AUTORIA.
João, filho de Zebedeu, é o autor do Apocalipse (Ap 1.1,4,9; 22.8), por ordem de Jesus. Além deste livro, ele escreveu também uma das quatro versões do Evangelho e três das sete epístolas universais.

João trabalhou durante muitos anos em Éfeso, na região onde ficavam as igrejas que receberam as cartas. O Imperador Domiciano o exilou na ilha de Patmos (1.9), local onde escreveu tudo o que lhe foi permitido ver. Morreu farto de dias, como um bom e velho patriarca da igreja (Gn 25.8; 35.29; 49.33; 50.26).

2. DATA.
O Apocalipse foi escrito em uma época de perseguição, entre os anos de 90 e 96 d.C., durante o governo de Domiciano, um dos três mais odiados, perversos e sanguinários governantes de Roma, os outros foram Nero e Calígula. O livro foi direcionado a sete igrejas da Ásia Menor (Ap 1.4-11).

3. LUGAR.
João escreveu o Apocalipse durante sua “estadia” em Patmos (Ap 1.9), uma pequena ilha da Grécia, a 55 quilômetros da costa sudoeste da Turquia, no mar Egeu, que servia de reclusão para os inimigos do Império Romano. Atualmente a ilha está sob controle grego.

O livro foi escrito em Patmos, mas a revelação se deu em lugar, pois Deus lhe abriu os céus para lhe mostrar as coisas que em breve aconteceriam, portanto de nada adiantou a tentativa do império do mal, para impedir que recebesse a revelação de Deus. Conseguiram afasta-lo por um momento da convivência da igreja, mas não impediram que entrasse na presença do Senhor.

III. APOCALIPSE, O LIVRO PROFÉTICO DO NOVO TESTAMENTO
1. TEMA DO APOCALIPSE.
Até mesmo o tema do livro o autor fez questão de deixar bem claro, logo no inicio. Não se tratava ali de visões ou pontos de vista humanos, achismos, adivinhações ou outro artifício qualquer (Ap 1.1).

Uma série de visões, imagens, símbolos e figuras, que revelam os conflitos do povo de Deus e a sua vitória final sobre o império das trevas. A conclusão foi toda reservada aos redimidos, que desfrutarão de todas as eternas bênçãos. Será o triunfo da igreja, a noiva do Cordeiro, diante da derrota do Maligno, anticristo e o falso profeta.

2. DIVISÕES DO APOCALIPSE.
Divisão do livro:
• “As coisas que tens visto” (passado): Cristo glorificado no meio dos sete candelabros (cap. 1). É a mais rápida de todas, talvez pela simplicidade e clareza das coisas de Deus. Jesus se revelou e pronto, quem tem ouvidos ouça, quem tem olhos vejam e que entenda aqueles que tem entendimento;
• “As que são” (presente): cartas enviadas por Jesus, por intermédio de João, às sete igrejas da Ásia Menor. Historicamente é o periodo de maior duração, pois compreende toda a trajetória da igreja, desde o seu aparecimento até ao arrebatamento;
• E as coisas “que depois destas hão de suceder” (futuro): Anticristo, a Grande Tribulação, o Milênio, o Julgamento Final e a nova Jerusalém Eterna e Celeste. Rapidez e reações em cadeia para que tudo se cumpra.

Segundo o Dicionário de Profecia Bíblica (CPAD), encontramos outra divisão do livro:
• As sete cartas às igrejas da Ásia Menor (1-3);
• Os sete selos (4.1 a 8.1);
• As sete trombetas (8.2 a 11);
• As sete figuras simbólicas, a saber: a mulher vestida de sol, o dragão, o menino, a besta que saiu do mar, a besta que se levantou da terra, o Cordeiro no monte Sião e o Filho do Homem sobre a nuvem;
• O derramamento das sete taças (15-16);
• A condenação eterna dos ímpios (17-20);
• As glórias da Nova Jerusalém (21-22.5);
• Epílogo (22.6-21).

3. OBJETIVOS DO APOCALIPSE.
a) Tirar o véu que cobre o mundo, para que a glória e poder de Jesus sejam conhecidos por todos;

b) Corrigir as distorções e desvios doutrinários da igreja. Jesus iniciou o primeiro julgamento pelas sete igrejas (1-3), antes de manifestar o seu juízo ao mundo (I Pe 4.17, cfe Ap 4-22);

c) Consolar os perseguidos, de qualquer época, pois as lágrimas serão vistas por Deus (7.17; 21.4). As orações serão ouvidas (8.3-4). As mortes serão preciosas aos olhos do Pai (14.13). A vitória será certa (15.2). Os sangues dos inocentes serão vingados (6.9; 8.3). O governo de Cristo será favorável (5.7-8) e a volta é inevitável, urgente e necessária (22.17);

d) Mostrar aos santos como serão os últimos dias da humanidade e alertá-los quanto a brevidade da volta de Jesus;

e) Revelação do Filho ao mundo, pelo Pai, pois na primeira vinda, Jesus se esvaziou de sua glória, veio ao mundo para revelar o Pai (Jo 17.6), já na segunda será o Pai quem revelará o Filho (Ap 1.1), de uma forma bem diferente como a vista anterior:
• Não será mais como o servo que lavou os pés de seus discípulos;
• Tampouco como a ovelha muda que se encaminhou para o matadouro;
• Muito menos como Aquele como os homens escondiam o rosto;
• Humilhado, pregado na cruz;
• Cabelos alvos como a neve e não mais manchados de sangue;
• Olhos como chama de fogo e não inchados;
• Pés semelhantes ao latão reluzente e não mais marcados e manchados pelo sangue;
• Voz como de muitas águas e não mais rouca, devido a sede;
• Mãos fortes, que todo este tempo seguraram a igreja e não mais aquelas furadas e manchadas pelo sangue;
• Rosto brilhando como o sol e não como aquele visto na cruz, desfigurado.

IV. A LEITURA DO APOCALIPSE
1. A PRODUÇÃO DE LIVROS NO PERÍODO DO NOVO TESTAMENTO.
Como era difícil ter um exemplar desta obra de João. Os escribas cobravam pelo serviço e eram poucos os que poderia ter uma cópia para sua meditação diária. Hoje está tão fácil!

Talvez o preço alto tenha sido pela dificuldade na produção dos papiros ou pergaminhos, ou foi pela riqueza da revelação da obra? Algo nunca visto até então.

E porque hoje a facilidade é maior? Produção em massa? Descrédito? Ou descaso dos que deveriam valorizar?

2. A LEITURA DAS ESCRITURAS SAGRADAS.
Na liturgia judaica, nas sinagogas, a leitura dos livros era o ponto máximo do culto, por isto havia entre eles a reverencia pela leitura, a fim de todos fossem edificados.

Bem aventurado é aquele que lê, ouve e guarda as palavras da profecia (Ap 1.3), então eles estavam no caminho certo. Mesmo que estivessem a cada dia se distanciando do Templo, não desprezavam a boa leitura da Palavra (At 13.15).

a) A necessidade da leitura das Escrituras:
• Para não esquecermos o primeiro amor (Éfeso);
• Para confessarmos a Cristo (Esmirna);
• Para não nos associarmos ao mundo (Pérgamo);
• Para não sermos tolerante ao pecado (Tiatira);
• Para não morrermos espiritualmente (Sardes);
• Para praticarmos o amor perfeito (Filadélfia);
• Para fugirmos da mornidão (Laodicéia).

3. A LITURGIA DA PALAVRA.
Mesmo com todas as facilidades que temos ao acesso à Bíblia Sagrada é necessário que voltemos a liturgia da Palavra, o nosso alimento, alicerce, fundamento de nossa esperança, certeza da nossa vitória, revelação dos mistérios de Deus.

CONCLUSÃO E OBJETIVOS DA LIÇÃO
Não menosprezemos o Apocalipse, alegando tratar-se de um livro difícil e enigmático, pois jamais o Noivo enviaria uma carta que sua noiva não fosse capaz de entender.

1) Definir: O Apocalipse como uma revelação divina.
• Apocalipse: a revelação de Deus aos homens. Vitória do bem.

2) Conhecer: Autoria, data e local do livro.
• Autor: João, filho de Zebedeu;
• Data: escrito entre os anos de 90 e 96 d.C. Governo de Domiciano.
• Lugar: Escrito em Patmos, mas revelado em outro lugar.

3) Saber: A leitura do Apocalipse é edificante.
• Bem aventurado é aquele que lê, ouve e guarda;
• Leitura para evitar os erros das 5 igrejas e acertarmos como as 2.

REFERÊNCIAS:
BARBOSA, José Roberto. Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo. Disponível em: http://subsidioebd.blogspot.com.br/2012/03/licao-01.html. Acesso em 28 de mar. 2012.

BARBOSA, Francisco A. Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo. Disponível em: http://auxilioebd.blogspot.com.br/2012/03/licao-1-apocalipse-revelacao-de-jesus.html. Acesso em 28 de mar. 2012.

Bíblia de estudo aplicação pessoal. CPAD, 2003

Bíblia Sagrada: Nova tradução na linguagem de hoje. Barueri (SP). Sociedade Bíblica do Brasil, 2000

Bíblia Sagrada – Harpa Cristã. Baureri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 2003.

CARNEIRO FILHO, Geraldo. Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo. Disponível em: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com.br/2012/03/2-trimestre-de-2012-licao-n-01-01042012.html. Acesso em 28 de mar. 2012.

LOURENÇO, Luciano de Paula. Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo. Disponível em: http://luloure.blogspot.com.br/2012/03/aula-01-apocalipse-revelacao-de-jesus.html. Acesso em 26 de mar. 2012.

REDE BRASIL DE COMUNICAÇÃO. Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo. Disponível em: http://www.redebrasildecomunicacao.com.br/licoes-biblicas/index/. Acesso em 28 de mar. 2012.

SILVA, Severino Pedro. Apocalipse - Versículo por Versículo. CPAD.

Por: Ailton da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário