Presidente Prudente (SP),

Apresentação da lição em power point

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Como era no passado?

Estava dando uma navegada e aparecem tantas bizarrices em nome do Evangelho. Como o pastor Carlos Padilha de Siqueira disse dias atrás: "Tem absurdos que eu não tenho coragem de falar em público!. Alguns até dá: enganos, roubos, conchavos, meninices, radicalismo, oposição, tribalismo, divisões entre outros, principalmente aqueles "contrários" a Palavra.

Como eram as igrejas nas décadas anteriores? 

  • Havia mais reverência? 
  • Tantos escândalos? 
  • As conversões eram genuínas? 

Os estranhos eram os "do mundo". Lembro-me quando ouvi esta expressão pela primeira vez. Parece que foi ontem. Um amigo meu me chamou para ir ao culto, mas era oração de mocidade. Fiquei olhando para eles e ao final na conversa falaram isto várias vezes:

"Quando eu era do mundo, quando eu era do mundo, quando eu era do mundo"

Não preciso retomar meu testemunho de conversão, arregalei os olhos e dá-lhe perguntas: "Porque vocês falam desta forma"?

Realmente os  do mundo eram diferentes, prova disto é que a primeira intenção de irmos a igreja nasceu por uma aposta. A irmãzinha era bonitinha, naquele dia eu jurei para um amigo meu: 

"Eu vou lá, fingo que sou igual a eles e tiro ela de lá, vamos apostar?

Jesus fez diferente. Hoje como tudo está mudado. Teorias, defesas de fé, que na verdade não defendem nada, muito menos a fé, somente interesses politicos (tomara que eu esteja enganado), materialistas, denominacionais e outros. 

Enquanto isto na India, Oriente e vilarejos pelo mundo afora, tradições e costumes escravizando e matando muitos, pois estamos ocupados demais defendendo nossos pensamentos.

Por: Ailton da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário