Apresentação da lição em power point

quinta-feira, 15 de março de 2012

A ÚLTIMA VISITA DE DEUS E AS SENTENÇAS


O inimigo ao final de sua empreitada, imaginou ter feito o trabalho com sucesso. O homem caído, Deus decepcionado com a sua criação. Agora não restava mais nada por fazer. Sua obra estava completa, faltava apenas o Criador boicotar e não visitar a sua criatura nos diários encontros na viração daquele fatídico dia.

O maligno amargou uma grande derrota, pois Deus, sempre fiel, se fez presente, como se nada tivesse acontecido. Pela onisciência, Ele sabia de todo o ocorrido, mas desejava revelar a sua misericórdia para a raça humana, que momento ideal.

Como eram prazerosas as visitas de Deus na viração do dia, mas aquela estava causando uma expectativa tremenda, um terror na mente do casal. Como de costume Adão foi chamado pelo nome e logo de início culpou a mulher pelo seu erro, mas audácia maior foi quando ele acusou o próprio Deus de ter lhe dado uma companheira para levá-lo a perdição. Já a mulher somente apontou para a serpente.

Estas foram as seqüências dos acontecimentos:
• Engano: partiu da serpente, depois atingiu a mulher e seduziu ao homem;

• Pecado: alcançou a mulher e depois o homem;

• Depoimento: o primeiro a depor foi o homem, depois a mulher e por fim a serpente ouviu a sua sentença sem demonstrar nenhum poder de reação;

• Sentença: a primeira a receber a sentença foi a serpente, depois a mulher e por fim o homem.

As sentenças foram dirigidas aos três, atribuindo-lhes dores, sofrimentos, perdas, deveres, novas rotinas, certeza da perdição e limitação do corpo humano:

• Serpente: sentença sobre o seu presente e futuro ;

• Mulher: submissão ao homem e acréscimo de dores em sua gestação;

• Homem: sustento através de seu suor, até que voltasse ao seu estado original (pó).

As consequências do erro, do homem, também foram sentidas sentidas por outra grandeza de Deus, a natureza, pois ao perceberam a nudez, desfolharam uma figueira e coseram túnicas provisórias, mas como se deteriorariam rapidamente, representando a superficial providência humana diante dos problemas, foi preciso que Deus cozesse túnicas de peles dos primeiros animais sacrificados no paraíso. A partir daquele momento nasceriam toda espécie de espinhos e cardos.

Mesmo diante de todo este cenário, a princípio, catastrófico, Deus reservou uma promessa especial à mulher, talvez por ela não ter culpado o homem ou ao próprio Criador, pelo seu erro. Ela foi a pessoa que saiu mais fortalecida de toda aquela história.

O inimigo esperava que o homem fosse desmoralizado por Deus. Os acontecimentos que se seguiram o decepcionaram sobremaneira. A expulsão do paraíso foi confirmada, pois a desobediência teria o seu ônus, mas ele desejava a condenação eterna.

Em nenhum momento, mesmo apresentando a sentença, Deus desmoralizou ou desesperançou totalmente a coroa da glória de sua criação, pelo contrário, lhe fez promessas grandiosas.

A situação pecaminosa do homem e a sua nudez, antes da sentença, foram reveladas, mas por quem? Pelo inimigo? Pela companheira? Ele mesmo percebeu? Ou foi a sua consciência que rapidamente traçou um paralelo entre a forma anterior e a atual e apontou a gritante diferença.

A túnica de figueira que coseram rapidamente, ao perceberem que estavam nus, era fraca, não resistiria por muito tempo, fora do paraíso. Precisavam de algo mais resistente, além do mais para encobrir tamanho pecado deveria ser muito mais do que simples folhas.

Quando Israel saiu do Egito coseram rapidamente bolos, que não duraram muito tempo, por isto Deus interviu de forma a providenciar alimentação para toda aquela multidão, durante longos quarenta anos. Mesmo com toda a preparação do primeiro casal, eles não se cobririam por muito tempo, assim como o povo no deserto não conseguiram se alimentar com apenas aqueles poucos bolos.

Talvez o inimigo tenha pensado em interferir pela última vez, antes que o homem fosse expulso do paraíso. Será que tentou colocar no coração do casal o desejo de rejeitarem aquela ajuda de Deus? Adão não seria capaz, agora, de criar algo para si mesmo? O certo é que já não tinha mais aquela sensação de dependência total, quem sabe não se imaginava auto suficiente, pelo menos para coser suas próprias roupas.

Mesmo assim Deus deu este presente a eles. Animais foram sacrificados para que o pecado fosse encoberto. Que animais? Os recém criados? Do paraíso ou de fora? Foram extintos? Isto abalaria a cadeia alimentar? Não interessa quais animais foram e o local onde estavam, o importante é que o amor e o plano de redenção da humanidade foram revelados.

O pecado provocou uma grande reviravolta na vida espiritual do homem, tornando-o vazio, portanto era preciso outra intervenção de Deus, a terceira, pois a primeira foi na sua criação, a segunda na formação da mulher e agora tornava-se necessário a restauração de sua obra prima para que ela tivesse condições de se tornar habitação e morada do Espírito Santo.

Extraído do livro: Terra. A preparada para o homem. Autor: Ailton Silva. Em fase de revisão 

Por: Ailton da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário