sábado, 3 de abril de 2021

O sumiço dos ateus. A sincera comoção de Jesus. Mistério inexplicável

O sumiço dos ateus

Engraçado que os ateus, diante do Mar Vermelho aberto, atravessaram correndo, até esqueceram suas ideologias. Lembrando que para saírem do Egito, Deus não requereu fé dos hebreus, pois O Grande Eu Sou havia decidido e ponto final. O mesmo não podemos dizer da entrada em Canaã, lá entrou os fiéis, portanto qualquer um pode sair do Egito, mas somente os fiéis entraram em Canaã, tal como acontece hoje, "muitos são chamados, poucos os escolhidos', ou como dizem: "para entrar em igreja não existe porta, mas para sair as paredes não impedem".


A sincera comoção de Jesus

Jesus não foi hipócrita, se comoveu diante de um defunto. Ele sabia que o ressuscitaria. O que motivou seu choro foi a tristeza e dores da mãe. Jesus se submeteu as emoções humanas (Lc 7.11-17).

 

Mistério inexplicável

“Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho.(Lc 24.39). Porque somos membros do seu corpo, da sua carne, e dos seus ossos.” (Ef 5,30).

Logicamente não se trata de um corpo de carne e ossos corruptíveis como o nosso. Esta condição se refere a um tipo de matéria, não acessível ao nosso entendimento, capaz de atravessar paredes e ao mesmo tempo capaz de comer, ou seja, um corpo apto para viver na Terra como no céu (Lc 24.41-43). Um tipo de corpo que não está sujeito ao tempo e espaço. 

Mesmo porque Jesus não poderia ter ressuscitado em carne e sangue, sua condição anterior à ressurreição, pois isto invalidaria o seu Sacrifício, uma vez que havia prometido que os daria, carne e sangue, em resgate ao homem (Jo 6.51; Mt 20.28).

Isto explica o fato de os discípulos terem visto e tocado no corpo de Jesus, mesmo estando em uma dimensão espiritual, uma vez que mesmo as criaturas espirituais são capazes de assumir forma humana, (Gn 18.1; Jz 13.15-21).

Por: Ailton da Silva - 11 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário