Presidente Prudente (SP),

Apresentação da lição em power point

domingo, 5 de agosto de 2012

lição 6 - pós aula


Certeza: se você ainda não conheceu a despensa vazia, se prepare, pois um dia isto acontecerá na sua vida, ou pelo menos algo semelhante. Já aconteceu nas melhores famílias e linhagens.

Grandes e pequenas igrejas não padecem necessidades, pois estão bem abastadas, prédios suntuosos, equipamentos, multimídia, moveis, mas o mesmo não podemos dizer da membrasia. Tem muitos irmãos sofrendo calados.

Acho que perdemos o costume da campanha do kilo”.

Conheci uma irmã que sujeitou a prostituição para saldar o aluguel de sua casa. Um dos irmãos disse a respeito disto: “certamente Deus permitiu que ela conhecesse este tipo de humilhação, para dar valor, buscar e confiar mais”, concordo.

O jovem que tinha 5 pães e 2 peixes estava preparado para aquela ocasião, ou foi por acaso que tinha este alimento em suas mãos?

O maná caia sempre pelas manhãs para socorro de Israel. Vinha embaladinho e nominal, mas havia uns engraçadinhos que teimavam em pegar os pacotinhos que não eram para eles.

Outros queriam diminuir os custos com os deslocamentos ou talvez permaneciam em suas casas, aproveitando o bom sono da manhã.

Testemunho de uma das alunas: Ela sempre teve receio de mendigos, mas um dia um bateu em seu portão e pediu um prato de comida. Quando se deu conta o seu filho (3 anos) estava sentado junto com o pobre homem, comendo e conversando com ele. No final o mendigo disse: “Dona, que Deus abençoe esta criança”. Depois disto sua visão e conceito mudaram.

O que adianta detectar as necessidades e não agir (Tg 2.14-17).

A miscelanêa de milagres de Jesus prova as suas inúmeras formas de trabalhar.

Não creio em gemidos fingidos, lágrimas forçadas, por isto que o socorro deve ser priorizado entre os domésticos da fé, pois fica fácil identificar a necessidade. Tem que ser muito artista para fingir.

Apesar que já contemplei um grupo de senhoras entregando uma cesta básica para uma vizinha, pois detectaram a necessidade, mas no fim de semana seguinte esta mulher que recebeu a cesta estava churrasqueando até altas horas da noite.

A viúva disse a Eliseu: “Se vira, resolve o meu problema, você é profeta”.

“Meu marido, teu servo [...], você sabe que ele temia a Deus”, não tinha como Eliseu ignorar aquela mulher.

O nosso olhar não denuncia a nossa necessidade.

A profecia de Elias atingiu todos em Israel, mas Deus havia reservado um lugarzinho especial para que ele vivesse aqueles terríveis dias. Que providencia bendita, mas um dia o ribeiro secou!

Então Deus ordenou que Elias fosse a Sarepta para ser sustentado por uma viúva pobre, mas será que ele não estranhou tal situação? Tirar o último alimento da boca da viúva e do filho. Teríamos coragem para tal? Mas era Deus que estava ordenando.

O crédito do falecido não serviu para ele no além, mas serviu para a família no aquém.

Por: Ailton da Silva (18) 8132-1510

Nenhum comentário:

Postar um comentário