sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Neemias: como sair do anonimato - Capítulo 16

b) Segunda fase – resgate do Ministério:

Após o termino daquela grande obra, Neemias estava livre de qualquer obrigação, poderia ir embora, mas resolveu ficar por alguns dias.

No inicio contemplou um povo, desgarrado, sem pastor, totalmente descrente e entendeu que sua missão não era somente material, tinha mais por fazer naquela cidade.

Estabeleceu porteiros, cantores e levitas, pois já estava preocupado com o ministério deles (7.1). Orientou quanto ao fechamento das portas durante a noite e a abertura ao amanhecer (7.3).

Fez uma justa homenagem genealógica aos que retornaram do cativeiro. Foram quarenta e duas trezentas e sessenta judeus, que com seus servos e servas, totalizaram quase cinquenta mil. Vitoriosos que acataram a ordem do retorno e que acreditaram na proposta de Neemias (7.66). Esta foi uma forma bonita e singela de demonstrar sua gratidão.

Quando o povo implorou pela leitura da Lei (8.1), muitos obreiros foram resgatados e colocados a retaguarda de Esdras (8.4) e todos os levitas se misturaram ao povo para ensinar e explicar o sentido das palavras que estavam ouvindo.

 

c) Terceira fase – resgate do fervor religioso:

Realmente Neemias poderia ter ido embora ao final da primeira fase, mas entendeu que não era somente o muro o grande problema de Jerusalém. Ao final da segunda fase, pensou da mesma forma, pois de que adiantaria a cidade cercada, em segurança, os obreiros animados a seus postos, se o povo continuava disperso, desatento, desinteressado e incrédulo.

O resgate do fervor religioso do povo, na verdade, foi a mola propulsora para que os sacerdotes e levitas recobrassem os seus ânimos, pois no momento em que imploraram pela leitura da Lei, alguns dos responsáveis por este trabalho se apresentaram (8.4). Isto reavivou os dois lados naquele dia, tanto o povo quanto os sacerdotes e levitas (8.9-12).

Após o momento de exposição da Palavra, com a leitura, ensino, explicação, entendimento e aplicação, restava somente ao povo um caminho a trilhar, o concerto, é claro, antecedido pelo arrependimento e confissão dos pecados (9.1-2).

A assinatura ao final, de todos (9.38), dava a Neemias a garantia de que permaneceriam na obediência e temor. Então poderia ir embora, pois realmente a sua missão havia chegado ao fim.

Então Neemias poderia ter ido embora, mas deve ter visto tudo aquilo e imaginado que faltava algo para marcar definitivamente todas as gerações que se seguiriam.

Uma grande comoção na cidade, pois foram convocados e todos se reuniram. Povo, sacerdotes e os levitas (12.27), os responsáveis pela administração da festa.

A grande alegria (12.43) foi ouvida ao longe pelos vizinhos idólatras e pelos inimigos. A fortaleza foi reerguida e os judeus orgulhosamente diziam: “Contemplem a nossa riqueza reconstruída (Ed 6.15 e Ne 6.15), ai mesmo do lado de fora, pois agora estamos protegidos”. A proteção era pelos muros erguidos e portas fechadas? Não, era pela fé em Deus que foi restaurada.

Todos participaram, ninguém ficou em suas casas, também como poderiam diante de tanta alegria. Se fosse hoje, certamente alguns assistiriam confortavelmente em suas residências, por transmissão via satélite, tv paga, internet, 5G, Wi-fi, ou por telões, data-show. Certamente o público alcançado seria maior e todos os judeus espalhados pelo mundo se regozijariam. Quantas caravanas não chegariam à cidade nos dias posteriores. O próximo resgate poderia ser o comercial e turístico.

O serviço no Templo restaurado, sacerdotes e levitas trabalhando com alegria e o povo servindo a Deus no temor. Não tinha mais o que ser feito naquela cidade. Neemias não era um conquistador como Davi (II Sm 7.9), tampouco diplomata como Salomão (I Re 3.1; 5.1; 10.1), então a sua missão terminava naquele momento. A festa de dedicação dos muros serviu também como despedida para aquele bom homem.

Anos mais tarde, Neemias retornou a Jerusalém e encontrou o caos, mas nada que uma atitude de homem de Deus não pudesse resolver.

 

Por: Ailton da Silva - 12 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário