terça-feira, 5 de outubro de 2021

Escatologia - aula 2

IV – DOUTRINAS ESCATOLÓGICAS

1) DISPENSAÇÕES

Dispensação é um período de tempo, longo ou curto, pelo qual Deus prova a humanidade. É método mais antigo de estudar a Palavra de Deus. Cada dispensação é dado ao homem uma prova ou responsabilidade específica e cada uma termina com fracasso humano e juízo correspondente.                

“Distinga as épocas e as Escrituras se harmonizam” (Agostinho) 

Trata-se de ações de Deus na história em diferentes períodos que são por Ele administrados em bases diferentes e envolve uma interpretação literal da Escritura, uma distinção entre Israel e a Igreja. 

"O termo faz referência à mordomia ou à administração de tarefas. No sistema teológico refere-se a um período de tempo no qual Deus lida com a raça humana de um modo distinto" (I Co 9.17; Ef 1.10; 3.2,9; Cl 1.25; Lc 16.2-4). Isso aponta para a presença de Deus, que guia os atos pessoais e os acontecimentos históricos, com suas revelações, intervenções, recompensas, castigos e instruções e também aponta para as provisões divinas quanto à própria natureza, sustentando-a e guiando-a (Rm .17; 11.36; Cl 1.16).

a) Inocência

  • Destaques: Adão e Eva (positivo no início, negativo depois);
  • Propósitos: Povoar e subjugar a Terra, para o proveito humano. Ter domínio sobre a criação animal. Zelar o jardim. Comer ervas e frutas. Abster-se de comer da árvore da ciência do bem e do mal;
  • Circunstâncias favoráveis: Não tinham conhecimento do pecado. Não tinham doenças. Tinham perfeita liberdade. Escolhiam qualquer coisa para comer. Não havia trabalhos forçados. Não tinham inimigos. Tinham vida espiritual. Tinham domínio sobre toda a criação;
  • Início, término e duração: Iniciou-se no Jardim do Éden (Gn 2.7 a 3.24) com a criação e terminou com a expulsão do homem. Sua duração é indefinida;
  • Elemento estranho: Satanás, cujo desejo era introduzir confusão no ambiente de paz. O ardil usado foi a "Dúvida" que conseguiu introduzir na mente da mulher, por meio de insinuação muito disfarçada;
  • Fracasso: Foram vencidos pelo desejo da carne, pelo desejo dos olhos e pela vanglória da vida (1 Jo 2.16; Gn 3.6; 1 Tm 2.13-14). Adão que foi constituído como chefe da criação, se sujeitou a Satanás. O homem viu, cobiçou, tomou, escondeu, transmitiu e morreu;
  • Juízo: Maldição para a criação e para a Terra (espinhos, cardos, frio, calor). Suor para conseguir o pão (para o homem) e dores ao conceber filhos e submissão da mulher ao marido. Mortes (física, espiritual e eterna). Expulsão do paraíso;
  • Situação do homem após o fracasso: Conhecimento do mal. A perda da comunhão com Deus. Separação de Cristo. O espírito do homem ficou em estado de morte. A perversão da natureza moral. O homem tornou-se escravo do pecado e de Satanás e perdeu muito de sua inteligência;
  • Curiosidades da dispensação: Por misericórdia, Deus expulsou Adão e Eva do Jardim e proibiu o acesso à árvore da vida, para não amargarem uma existência eterna em pecado. Era preferível a sujeição à morte física, pois a mesma serve para conduzir o homem a Cristo.

 

b) Consciência

  • Destaques: Adão, Eva, Caim (negativos). Abel, Sete, Enos e Enoque (positivos);
  • Propósitos: o homem deveria obedecer e oferecer sacrifícios (Gn 3.21-22);
  • Circunstâncias favoráveis: O homem tinha a promessa da redenção de Deus. Adão adorava a Deus e oferecia holocaustos;
  • Início, término e duração: Começa com a queda do homem e vai até ao dilúvio (Gn 4.1 a 7.23). Durou 1656 anos;
  • Elemento estranho: Coração aberto para a corrupção. Maldade;
  • Fracasso: Caim fracassou, primeiro por não trazer uma oferta de sangue no altar de Deus (Gênesis 4.3-7), em segundo lugar fracassou por matar a seu irmão, Abel;
  • Juízo: Dilúvio universal (Gn 6.7). A descendência de Caim terminou com o dilúvio;
  • Situação do homem após o fracasso: Diminuição do tempo de vida (Adão, 930 anos; Sete, 912 anos; Enos, 905 anos; Cainã, 910 anos; Maalelel, 895 anos; Jerede, 962 anos, Enoque, 365 anos; Metusalém, 969 anos; Lameque, 777 anos; Noé, 950 anos). Os homens estavam em um estado de iniquidade desenfreada; 
  • Curiosidades da dispensação: A redenção prevista por Deus foi a arca de Noé. Enoque escapou por ser arrebatado por Deus. Pelo pecado na primeira dispensação o homem perdeu a "Consciência de Deus" e ganhou a "consciência de si mesmo", ou seja, ele começou a prestar conta de seus próprios atos, estado e caráter.

 

c) Governo humano

  • Destaques: Noé e sua família (positivo). Ninrode (negativo);
  • Propósitos: o homem deveria povoar e se espalhar e deveriam se desvincular da consciência corrompida da dispensação anterior;
  • Circunstâncias favoráveis: Noé possuía uma experiência natural e espiritual e recebeu um novo pacto de Deus (Gênesis 9.9). Adoravam ao Deus verdadeiro com liberdade (Gn 8.20-21; 9.1-7). Tiveram permissão para formar um governo humano e governar-se a si mesmo. Podiam comer carne animal. Não tiveram que obedecer a consciência doente como anteriormente. Deus deu conselhos sobre assassinatos e como punir o assassino e sobre a ingestão de sangue;
  • Início, término e duração: Do dilúvio a Abraão (Gn 8.15 a 11.9);
  • Elemento estranho: Desejo do homem em ser adorado e engrandecido. Embriaguez;
  • Fracasso: A construção da torre de Babel (Gn 10.8-10) se deu durante o governo de Nimrode. Foi construída com o propósito de rebelião, orgulho e para adoração ao líder humano;
  • Juízo: Confusão de línguas. Cam e seus descendentes foram destinados a servos (Gn 11.5-9; 9.25). A maldição caiu sobre Canaã, o filho mais moço de Cam, e não sobre seu pai, e desde então os Cananitas foram adversários do povo de Deus;
  • Situação do homem após o fracasso: Homem sujeito a maldições, dispersos após a confusão de línguas e reunidos em pequenos grupos que falavam ou se entendiam pelo idioma;
  • Curiosidades da dispensação: Foi uma aliança incondicional entre Deus e Noé (especificamente) e Deus e a humanidade (em geral). Depois do dilúvio, Deus prometeu à humanidade que nunca mais destruiria toda a vida na Terra com um dilúvio (2 Pe 2.5).

 

d) Promessa ou Patriarcal

  • Destaques: Abraão, Isaque, Jacó, José e Moisés (positivos);
  • Propósitos: Deviam permanecer em Canaã. Tinham que depositar sua fé no Salvador prometido que viria;
  • Circunstâncias favoráveis: Abraão recebeu uma benção incondicional e não teve dificuldade para construir um altar (Gn 12.7). Seria o canal pelo qual viria o Salvador de toda humanidade, por isso é que essa dispensação se chama da "Promessa";
  • Início, término e duração: Começou no chamado de Abraão (Gênesis 12.1) e terminou no Êxodo de Israel do Egito (Ex 19). Durou cerca de 430 anos;
  • Elemento estranho: Medo e falta de fé diante da seca por parte dos patriarcas;
  • Fracasso: Abraão partiu da terra da preferência de Deus, devido a seca, e foi para o Egito. Isaque e Jacó também foram para o Egito e Pada-Arã, respectivamente devidos aos problemas;
  • Juízo: Escravidão (Ex 1.4-8) no Egito por cerca de 400 anos;
  • Situação do homem após o fracasso: Moraram no Egito e se afastaram aos poucos de Deus, foram esquecendo as obras de Deus;
  • Curiosidades da dispensação: É chamada de Dispensação da Promessa, pois para os hebreus serem livres, foi enviado um Libertador (Moisés) e um sacrifício pela culpa.

 

e) Lei

  • Destaques: Moisés, Sacerdotes, Profetas, Reis e juízes (positivo);
  • Propósitos: Tinham que obedecer aos mandamentos, juízos e ordenanças (EX 19.5-8);
  •  Circunstâncias favoráveis: A proteção, providência e milagres no deserto se estenderam por quarenta anos. Com a entrega da Lei se conheceu a completa vontade de Deus;
  • Início, término e duração: Começou no monte Sinai e terminou com a morte de Jesus na cruz. Durou cerca de 1711 anos;
  • Elemento estranho: Murmuração e ídolos;
  • Fracasso: Violaram a Lei e rejeitaram a Cristo (Mt 27.23). Murmuraram, adoraram ídolos e se deram aos pecados morais e espirituais;
  • Juízo: Cativeiro permanente das 10 tribos (Reino do Norte) e cativeiro em Babilônia de Judá (Reino do Sul). Dispersão mundial (Dt 28.63-66; Lc 21.24) e destruição de Jerusalém;
  • Situação do homem após o fracasso: Os sacerdotes estavam totalmente mergulhados no legalismo e ritualismo;
  • Curiosidades da dispensação: A Lei foi dada verbalmente (Ex 20.1-17) e estava dividida em três partes, os 10 mandamentos como expressão da vontade de Deus, os juízos relacionado com o governo da vida social de Israel e as ordenanças, que se preocupavam com a vida religiosa de Israel. Eram exigências impossíveis aos homens.

 

f) Graça

  • Destaques: Discípulos, apóstolos, Paulo e Igreja primitiva (positivos);
  • Propósitos: Receber a Cristo pela fé e andar em espírito (Jo 1.12). O propósito desta dispensação é "chamar" de fora ou formar deles a um povo, a Igreja (At 15.13-18);
  • Circunstâncias favoráveis: Jesus, a voz de Deus aos homens (Hb 1.1-3), iniciou esta dispensação (Jo 17.1-5). Ele destruiu todas as obras do Diabo ao fazer obras maiores, trouxe liberdade pelo Evangelho e estabeleceu uma Igreja, revestindo-a com poder para continuar a obra (Mt 8.17; 18.188; Jo 14.16; At 1.1-2; 2.1-4);
  • Início, término e duração: Da primeira à segunda vinda de Jesus; começa na crucificação e termina na primeira fase da segunda vinda;
  • Elemento estranho: Incredulidade, rejeição, apostasia e perseguição.
  • Fracasso: Rejeição a Cristo (Jo 5.40, At 3.19-26) e apostasia da Igreja visível (II Tm 3.1-8);
  • Juízo: Grande Tribulação (Mt 24.21). O fim desta dispensação será o juízo de Deus sobre todos os incrédulos e nações durante a Grande Tribulação e o reino do Anticristo;
  • Situação do homem após o fracasso: Homem destituído da Graça de Deus;
  • Curiosidades da dispensação: Tal qual Moisés foi mediador da aliança mosaica, assim Cristo é o Mediador da Nova Aliança (Hb 8.6; 9.15; 12.24). Com a vinda de Jesus, a Antiga Aliança terminou (Rm 10.4; Gl 3.19). Na Dispensação da Graça, Deus fez uma aliança, uma aliança superior às outras, por intermédio do próprio Filho enviado por Deus à humanidade. Toda e qualquer tarefa da Igreja depende exclusivamente da Graça.

 

g) Reino milenial

  • Destaques: Jesus, Igreja (positivos) e Maligno (negativo).
  • Propósitos: Obedecer e adorar a Jesus (Is 11.3-5). Recepção de Cristo como Rei da vida natural e na alma para a vida espiritual e eterna. Obediência às leis divinas do governo do Messias. A humanidade na dispensação Milênio será provada, como nas outras dispensações anteriores;
  • Circunstâncias favoráveis: Cristo reinará com ajuda dos santos (Is 4.2-3; 9.6-7; 11.1-9; Jr 23.5-8; Ap 11.15). O Maligno será amarrado no abismo (Ap 20.1-13). O governo será perfeito em Justiça. Os santos de todos os tempos terão parte no reino (Os 3.5; Jr. 30.9; Ez. 34.10). A terra estará livre da maldição. Haverá uma única capital, Jerusalém. Pecadores estarão no reino, mas estarão obrigados a obedecer as leis do reino (Is 2.2-5; Sl 2.7-9; Mq 4.3; I Co 15.25-28; Ap 20.1-10; Zc 14.16-21). Haverá um novo templo. Cristo será seu construtor (Zc. 6.9-15);
  • Início, término e duração: Desde o juízo das nações ao juízo final (Is 11.3-9; Ap 20). Começa com a vinda de Cristo em glória e terminará com o Juízo Final, ou Grande Trono Branco. Durará 1.000 anos;
  • Elemento estranho: Facilidade com que o Maligno seduzirá as nações após ser solto;
  • Fracasso: Como nos períodos anteriores esta dispensação terminará em fracasso. Quando Satanás for solto, muitos que aparentemente obedeciam as leis divinas, se unirão ao Maligno em seu ultimo esforço para vencer a Cristo;
  • Juízo: O grande Trono Branco e o inferno (Ap 20.7-9);
  • Situação do homem após o fracasso: Condenação ao Lago de fogo;
  • Curiosidades da dispensação: Será um reino literal e universal (Dn 2.34,35). Jerusalém será a capital do reino (Jr 3.27; Is 24.23; Ez 48). Os animais serão dóceis (Is 11.6-9; 65.25; Os 2.18). Época de justiça e paz (Is 9.6,7; 11.4; Zc 9.10; SI 96.13). A terra ficará mais fértil (Is 35.1; Am 9.3,6). A vida humana será prolongada (Is 65.20,22; Zc 8.4,5). O Maligno estará aprisionado neste tempo (Ap 20.20,22,23). 

continua...

Fonte: Apostila Curso Básico de Teologia do SETEM – Seminário Teológico Manancial. Elaboração: Pb. Ailton da Silva

Por: Ailton da Silva - 12 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário