sábado, 15 de janeiro de 2022

Os patriarcas. Coincidências ou repetições da história? – Capítulo 17

O recolhimento dos patriarcas

Abraão:

Foi congregado ao seu povo aos cento e setenta e cinco anos, farto de dias. Foi sepultado pelos seus dois[1] filhos, Isaque, o unigênito e Ismael, o primogênito, que depois perdeu esta posição.

 

Isaque

Foi recolhido ao seu povo aos cento e oitenta anos, velho e farto de dias, após ver a reconciliação entre Jacó e Esaú. Foi sepultado pelos dois filhos.

 

Jacó

Foi congregado ao seu povo aos cento e quarenta e sete anos, farto de dias, alegre por ter reencontrado seu filho predileto e por estar usufruindo da estadia egípcia, uma recompensa de Deus para a sua família. Era também uma espécie de pagamento pelos serviços prestados por José. Seus filhos o sepultaram.

Antes de sua morte, fez José prometer que o sepultaria no mesmo lugar onde estavam Abraão, Sara, Isaque, Rebeca e Léia.

José que não havia descido para Canaã, para buscar seu pai, iria agora para levar o seu corpo para ser enterrado junto aos outros grandes patriarcas de Israel. Pediu autorização ao grato Faraó dizendo que se tratava de um juramento, por isto teria que ir até aquelas terras. “Vai em paz, bom homem e cumpra o seu juramento”, esta foi a resposta que ouviu.

Foi um enterro digno de chefe de Estado, pois envolveu três nações, os hebreus que sofriam com a dor da perda do pai, os egípcios que se lamentavam pela tristeza de José e os cananeus que observavam de longe, curiosos por saberem o que Jacó havia feito para comover tanto as duas nações. Porque tanta reverência?

continua...



[1] Para Deus, Isaque era o unigênito, mas Ismael não havia perdido contato com o pai.

Por: Ailton da Silva - 12 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário