domingo, 6 de junho de 2021

Os patriarcas. Coincidências ou repetições da história? – Capítulo 3


Continuação...

O mais importante e bonito destas inversões é que elas não foram simples troca de posições, pelo contrário, pois tiveram um significado bem mais profundo, uma vez que representaram a escolha de homens e a eleição de uma nação.

No caso de Isaque e Ismael, a intervenção de Deus foi necessária para que o erro de Sara, quando incluiu uma terceira pessoa no plano de Deus, fosse reparado.

A inversão da primogenitura ocorreu logo após Isaque ser desmamado, quando Agar e Ismael foram despedidos, por terem zombado do então filho único de Abraão, que foi contrário a expulsão, a principio, mas depois recebeu a confirmação de que era necessária aquela atitude enérgica.

Isto aconteceu antes do sacrifício imperfeito não consumado de Isaque no monte Moriá, fato que fatalmente amargurou os corações de Abraão e Sara, pois devem ter pensado que Deus estivesse cobrando deles, o fato de terem despedido mãe e filho.

No caso de Jacó e Esaú, os problemas foram motivados pelas disputas entre dois irmãos, que desde o ventre, já se mostravam rivais. Gêmeos separados por fração de segundos no nascimento deram valores diferentes a primogenitura, um desejava demais e o outro desprezava.

No caso de Jacó, a inversão da primogenitura dos filhos aconteceu devido a incapacidade explicita de criar seus filhos em condições iguais, por isto foi necessário que Deus agisse em duas fases, primeiro revelando a José que o exaltaria e depois retirando-o do meio deles.

No caso de Ruben, a inversão foi necessária, pois o primogênito profanou a casa de seu pai, por isto não reunia condições morais e psicológicas para herdar a maior de todas as bênçãos. Seu irmão Judá herdou este direito, mesmo se envolvendo com a sua nora Tamar, sem saber que estava disfarçada de prostituta. Na verdade, ela desejava somente prover a família de um herdeiro legítimo, já que seus maridos anteriores, Er e Onã, morreram sem gerar filhos. O resultado deste plano audacioso de Tamar foi a inclusão Perez, seu filho, na genealogia de Jesus.

No caso de Manassés e Efraim a inversão foi necessária, pois Deus quis mostrar que as nossas grandezas de tempo, espaço, convenções, determinações, escolhas, valores e principalmente esquemas não afetam a sua soberania, o seu caráter e, tampouco influenciam em suas decisões.

José, sabendo da limitação física de seu pai, preparou todo o plano antes, para que quando seus filhos entrassem no quarto do avô, recebessem as suas respectivas bênçãos. O primogênito ficaria a direita e o mais novo à esquerda, porém na hora de abençoar Deus permitiu que Jacó cruzasse seus braços e invertesse as bênçãos, para mostrar que não se sujeita aos esquemas humanos, e desta forma, Efraim recebeu as bênçãos reservadas ao primogênito.

Todas as inversões foram necessárias e nenhuma delas surtiu efeito contrário ao que Deus desejava, pois todos os objetivos foram alcançados.

A intenção de Deus era revolucionar o conceito de primogenitura, pois desde o inicio a humanidade não entendeu o seu real significado.

Uma valorização, desnecessária, para o primeiro filho em detrimento dos outros e um sentimento de inferioridade diante de uma situação irreversível, pelo menos para o homem.

Deus sempre primou pela igualdade entre os homens, tanto que sua intenção foi mostrar que o direito da primogenitura seria algo bem mais sério do que somente a ordem de nascimento.

A ordem de nascimento não era o que mais importava, o que Deus desejava era encontrar verdadeiros adoradores para agradá-lo.

 

Por: Ailton da Silva - 11 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário