quinta-feira, 17 de junho de 2021

Neemias: como sair do anonimato - Capítulo 9


1)  A OBRA NÃO FOI PARALISADA:

A única forma dos inimigos terem êxito em suas tentativas de paralisarem a obra seria uma patética união entre eles (4.7-8). Na teoria poderia dar certo, mas na prática o resultado seria bem diferente. Irados, se aliaram, planejaram uma infiltração para distraírem, confundirem e desestabilizarem os judeus. Os inimigos utilizaram artilharia pesada e vários artifícios para impedirem a execução da obra:

  • Desagrado (2.10);
  • Zombaria (2.19);
  • Ira, indignação e escárnio (4.1)
  • Humilhação (4.2);
  • Incitação a violência (4.8)
  • Boatos (4.12);
  • Conspiração contra Neemias (6.2);
  • Levantaram falsas acusações (6.6-7);
  • Subornaram (6.12);
  • Espionaram (6.17-19).

Neemias recebeu um convite para descer ao Vale de Ono, mas não queria perder tempo ou desviar seu foco, pois aquilo poderia representar um retrocesso em sua vida espiritual.

Suas respostas à estes convites foram firmes e sábias. Nunca pensou em interromper a obra para se encontrar com os opositores e inimigos. O seu trabalho era mais importante no momento. Tinha certeza da grandeza de sua missão, por isto não quis desviar o seu foco. Ele entendeu a urgência da obra, por isto corria contra o tempo.

A intenção do inimigo era justamente distrair, negociar e paralisar a obra. Aquela não seria uma simples conversa ou encontro para festejarem, era algo mais. Os acontecimentos que se seguiram revelaram os objetivos daqueles convites:

  • Distração – queriam retirar o foco da obra (6.2);
  • Dialogo e negociação – barganha, sutileza e engano, pois enquanto estivesse negociando imaginaram que a obra pudesse ser paralisada ou esperavam obter alguma vantagem (6.2);
  • Maldade – o plano era afastar Neemias das proximidades da cidade para tentarem contra a sua vida (6.2).
  • Cansaço – queriam vencer Neemias pelo cansaço e pelo muito falar (6.4);
  • Boataria – o objetivo era denegrir a imagem do líder (6.5-7);
  • Medo – espalhariam boatos de possíveis ataques (6.9).

Os inimigos não dariam tréguas (4.9), por isto Neemias animou e mobilizou o povo não somente para a oração, mas também para a vigilância. Trabalho e vigilância ao mesmo tempo, para não serem pegos de surpresa.

Em nenhum momento se deixou intimidar pelas ações dos seus inimigos, antes pelo contrário, se fortalecia a cada ataque, pois a sua liderança se destacava em cada uma de suas decisões. Como um autêntico líder sabia que não teria condições de fugir destas investidas.

Mas será que por alguns momentos Neemias não pensou em desistir e voltar para a sua antiga função?

continua...

Por: Ailton da Silva - 11 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário