Apresentação da lição em power point

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Laodicéia, uma igreja morna. Plano de aula.


COMO É FÁCIL MENTIR PARA SI MESMO
AS CONSEQÜÊNCIAS DO AUTO-ENGANO
AS CONSEQUENCIAS DA AUTO-SATISFAÇÃO
FILADÉLFIA – EU ABRO A PORTA PARA VOCÊS!
LAODICEIA – OUÇA A VOZ, ABRA A PORTA E ENTRAREI

TEXTO AUREO:
“Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33).

VERDADE PRÁTICA:
A igreja que não busca os interesses do Reino de Deus está fadada ao fracasso, ao esquecimento e à indigência espiritual.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE – Ap 3.14-22.
14 - E ao anjo da igreja que está em Laodiceia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus.
15 - Eu sei as tuas obras, que nem és frio nem quente. Tomara que foras frio ou quente.
16 - Assim, porque és morno e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.
17 - Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta (e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu),
18 - aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças, e vestes brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os olhos com colírio, para que vejas.
19 - Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê, pois, zeloso e arrepende-te.
20 - Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo.
21 - Ao que vencer, lhe concederei que se assente comigo no meu trono, assim como eu venci e me assentei com meu Pai no seu trono.
22 - Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

PROPOSTA DA LIÇÃO
  • Cidade comercialmente próspera. A igreja seguia o mesmo caminho;
  • Não sentia falta de nada, tinha bens em abundância;
  • Muitas riquezas temporais e poucos bens eternos;
  • Igreja que tinha a cara do mundo. Vivia de aparências e mentiras
  • O frio busca aquecimento, o quente cumpre sua missão e o morno?
  • Anjo da igreja: soberbo, arrogante, próspero, não tinha falta de nada;
  • Desgraçado, pobre, cego e despido dos trajes de gala;
  • Laodiceia foi um caso perdido? Jesus não desistiu de sua igreja;
  • Receita: ouro refinado pelo fogo, vestes brancas e colírio.
INTRODUÇÃO:
Cidade:
  • Uma das mais prósperas cidades da época imperial romana;
  • Fundada por Antígono II, governador da Síria, que a nomeou em homenagem à sua esposa Laódice. Atual Denizli;
  • Localizada no entroncamento entre as principais estradas da região, por isto se tornou um importante centro comercial;
  • Possuía um sistema bancário e se destacava pelo comércio de lã negra e manufaturamento de vestimentas comuns e caras;
  • Famosa pela produção de um colírio eficaz para os olhos, que era fabricado na escola de medicina;
  • Ficava próxima a Colossos, conhecida por suas fontes de água fria, Hierápolis, conhecida por suas fontes de águas termais e terapêuticas, mas as águas mornas de Laodicéia eram intragáveis;
  • Enfrentava problemas com o abastecimento de água, tanto que foi construído um aqueduto para transportar águas térmicas vindas de Hierápolis, porém a água chegava morna e provocava vomito;
  • Possuía teatros, um estádio e um ginásio equipado com banhos.

Igreja:
  • Como as anteriores, provavelmente, foi fundada por Paulo (At 19.10) durante seu trabalho missionário (Cl 2.1; 4.13-16) com o auxílio de Epafras (Cl 4.12-13);
  • Recebeu a mais severa das cartas. Não foi elogiada;
  • Na carta não foi citada a presença de doutrinas erradas, pecados de imoralidade ou tampouco práticas idólatras. O problema era outro;
  • Considerava-se rica e forte, por isto foi criticada por este seu orgulho;
  • Não tinha falta de nada, mas aos olhos do Senhor era pobre, cega e miserável. Era muito rica, mas estava desprovida de bens espirituais:
  • A igreja tinha a cara da cidade e em vez de transformá-la, se conformou, se tornou transigente;
  • Sua riqueza empobreceu o mundo, bem diferente de Filadélfia que enriqueceu pela sua pobreza;
  • Representa as igrejas que se desmoronam como Reino de Deus para se reerguerem como impérios humanos;
  • Seus membros eram frouxos, sem entusiasmo, débeis de caráter, comprometidos com mundo, satisfeitos com sua vida espiritual e indiferentes à Palavra de Deus.

A situação de mornidão daquela igreja foi forçada pelo homem, como resultado da mistura. O resultado foi catastrófico e danoso para a igreja.

Laodiceia era uma igreja arrogante, influenciada pela cidade, que não estava agradando a Deus, a ponto de não ter suas obras mencionadas na carta. Era um cristianismo apático, mas mesmo nestas condições foi possível ver a manifestação da graça de Jesus, pois a declaração “estou pronto a vomitar-te da minha boca”, nos garante que isto não havia ainda acontecido. Aquilo era um aviso que deveria ser entendido pela igreja. Era o tempo para que houvesse o arrependimento.

I. A IDENTIFICAÇÃO DE JESUS
1. A TESTEMUNHA FIEL E VERDADEIRA.
À igreja de Laodicéia, Jesus se apresentou-se como a Testemunha Fiel (Ap 1.5; 3.14) e Verdadeira, nada mais original para impactar um povo que vivia de mentiras, aparências, ceticismo, incredulidade e tolerância.

A intenção era despertar s igreja para que se levantasse, a fim de sustentar a Verdade. O Amém, também utilizado para identificação serviu para atestar sua posição e o conteúdo da carta, ou seja, verdadeiramente ou certamente aquela igreja precisava de uma correção e o único digno para tal era Jesus.

A Testemunha Fiel e Verdadeira seria o único capaz de apresentar a vontade, a advertência e a promessa do Pai, ou seja, alguém que tinha conhecimento do que estava falando, assim como havia acontecido com as igrejas anteriores. Em suas palavras há verdade, confiabilidade e devem ser observadas.

2. O PRINCÍPIO DA CRIAÇÃO DE DEUS.
O próprio anjo da igreja em Laodiceia ignorava a suficiência Divina e delirava em presunções. “Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta” (Ap 3.17). Jesus, como o princípio da criação de Deus, mostrou que é dono de todas as coisas, porque tudo foi criado por Ele (Jo 1.3). Então não sobrava nada para Laodicéia?

Igreja rica não é aquela que tem ouro e prata, mas aquela que ainda pode declarar no poder do Espírito Santo: “Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda” (At 3.6).

Ao declarar-se como o principio da criação de Deus, Jesus estava se apresentando como:
  • Criador (Gn 1.26);
  • Eterno (Jo 1.1; Ap 1.18);
  • O Primeiro e o Último (Ap 1.17);
  • Deus conosco (Mt 1.23);
  • O Deus que encarnou (Jo 1.14);
  • O Eu Sou (Ex 3.14; Jo 8.24);
  • Senhor dos senhores e Rei dos reis (Ap 17.14).
Jesus é o Criador, por isto se apresentou como o principio da criação de Deus. Ele não veio a existir, não foi a primeira criatura (sentido passivo da expressão), mas sim Ele deu inicio a criação, foi o principio, o preeminente (sentido ativo da expressão).


II. A SITUAÇÃO ESPIRITUAL DA IGREJA DE LAODICEIA
1. MORNIDÃO ESPIRITUAL.
Laodicéia vivia de aparências e mentiras e foi desmascarada pela Testemunha Fiel e Verdadeira, que conhecia a situação daquela igreja, assim como conhecia a das anteriores, estava entre elas (Ap 1.13,20; 2.1). Era uma igreja morna e indiferente a Deus, por isto não buscava o calor do avivamento. Enganava-se a si mesma, com a sua mentira. A aparência era de uma igreja forte, avivada, independente, mas era fraca, sem frutos, sem vigor espiritual, sem valores, sem visão.

Portanto o problema não era teológico ou muito menos moral. Ali não foi constatado a presença física de falsos mestres, heresias, imoralidade, engano e perseguições. Talvez aquela situação fosse resultado das passagens de tais elementos ou consequências da abertura da porta e tolerância da igreja, no passado, que estavam, naquele momento, então produzindo seus efeitos. O certo é que algo aconteceu com aqueles cristãos em algum momento de sua história, pois este estado de mornidão não é produzido pela natureza, mas sim pelo homem, fruto da mistura entre o puro e impuro, o limpo e o imundo, o santo e o pecaminoso. Abominação para os olhos do Senhor (Ez 2.26).

Uma igreja com o coração ardente (Lc 24.32) agrada a Jesus e a fria certamente buscará (Mt 24.12) o avivamento, pois sentirá a sua necessidade espiritual, mas como age a morna (Ap 3.16)? Laodiceia foi aconselhada a agradar a Deus ou então que definitivamente permitisse o esfriamento, já que a mornidão é um estado muito pior que o anterior.

2. ARROGÂNCIA ESPIRITUAL.
Além da indiferença às coisas de Deus, o anjo da Igreja em Laodiceia era soberbo e arrogante. A prosperidade material levara-o ao orgulho fatal, a ponto de desprezar as providências Divina. Somente um tolo agiria desta forma. O mesmo ocorreu com o querubim ungido ao apostatar-se de sua posição junto ao trono do Altíssimo (Is 14.13-14). Deus não estava contente com este estado de auto-suficiência e falsa confiança.

Em Laodicéia a opinião do povo era mais respeitada e ouvida que a própria Palavra de Deus. Esta aparente democracia produziu segurança, justiça e satisfação própria, mas por outro lado propiciou o aparecimento da arrogância, petulância e altivez espiritual, ainda mais fortalecido pelo fato de terem reconstruído a cidade sem a ajuda do império romano, logo após o terremoto no ano de 62 a.C.

a) O resultado da auto-satisfação e auto-engano:
Era uma igreja rica, que se enriquecia constantemente, que amava sua riqueza e se vangloriava por não precisar de coisa alguma, fosse de quem fosse. Esta auto-satisfação não permitia que tivessem consciência de sua condição;
Laodicéia se considerava rica e Sardes se imaginava viva, mas eram morna e morta respectivamente. Enganavam a si mesmas e não contemplavam suas situações decadentes.

3. FALTA DE PERCEPÇÃO DO PRÓPRIO EU.
Laodicéia se imaginava tão rica, sem falta de nada, vestida e não reconhecia a miserabilidade de sua situação (Ap 3.17). O anjo da igreja não se portou como Adão, que após a queda percebeu-se nu e providenciou aventais de figueira. Seus olhos foram abertos e ele teve a percepção de sua nudez, bem diferente dos cristãos de Laodicéia que se viam vestidos em verdadeiros trajes de gala, por isto houve necessidade de que sua situação fosse revelada através da carta.
A declaração da igreja, de que era rica e que não sentia falta de nada, não condizia com a sua real situação. Ela estava mentindo e enganado a si mesma.

III. COMO REAVIVAR UMA IGREJA MORNA – ABRA A PORTA
1. OURO REFINADO PELO FOGO.
Laodicéia não era um caso perdido, mesmo que parecesse, haja vista ter sido incluída no rol de destinatárias das cartas. Poderia muito bem ter sido ignorada ou tratada com a mesma indiferença com aqueles ditos cristãos tratavam as coisas de Deus.

Jesus não havia desistido dela, pois junto com a reprimenda e a censura, Ele enviou a receita para um grande e poderoso avivamento (Ap 3.18). Coube ao anjo a responsabilidade de adquirir os tesouros da sabedoria e da ciência em Cristo (Cl 2.2-3), para que não continuassem a levar a vida miserável, mas como adquirir tais tesouros? Somente em Cristo.

Mas não era uma igreja rica, capaz de comprarem simpatia e respeito? Seus cofres não estavam lotados? Não sentiam falta de nada? Mas foram aconselhados, e não ordenados, a comprarem ouro refinado pelo fogo, pois toda aquela aparente riqueza não era capaz de comprar o perdão dos pecados ou tampouco transformá-los.

2. VESTIDURAS BRANCAS.
Nossas vestes manchadas pela iniqüidades, outrora, tornaram-se alvas mais que a neve (Is 1.18), pois fomos redimidos pelo Sangue do Cordeiro. Laodicéia já havia ultrapassado este estágio e novamente estava enfrentando problemas com suas vestes.

Como se orgulhavam de sua condição de grande centro comercial, produtores de caríssimas e finas roupas, mas foram aconselhados a comprarem vestes melhores e mais duráveis.

Não obstante a cidade ser famosa, pelas roupas que produzia, a igreja carecia de vestes e urgente. A esta compra damos o nome de santificação (Lv 20.7; I Pe 1.16), que deve ser contínua, progressiva e sem fim até o dia da nossa glorificação (Ap 22.11).

3. COLÍRIO.
A cegueira espiritual era o grande problema da igreja em Laodiceia, pois não conseguia ver a própria miséria ou muito menos percebia a sua nudez, por isto aconselhou ao anjo da igreja para que comprasse os elementos anteriores e o colírio para que pudesse enxergar (Ap 3.18), já que era famosa por cuidar da visão material de boa parte do mundo, porque então a igreja não poderia se preocupar com a sua própria visão espiritual.

O colírio material era produzido na escola de medicina, onde era preparado um pó famoso para a cura de infecções oculares, mas o colírio espiritual somente poderia vir de Jesus, o único capaz de curar a cegueira espiritual que afligia a igreja. Durante seu ministério terreno, Jesus se deparou com semelhante situação, pois constatou este problema entre os fariseus (Mt 15.14; 23.25-26).

CONCLUSÃO
Embora abastada, próspera e orgulhosa, Laodiceia não era rica diante de Deus, pois viviam em meio a riqueza, luxo, ostentava coroa, mas não carregava a cruz. Confiavam mais em suas opiniões do que propriamente na própria Palavra. Se preocupavam muito com o corpo, que caminhava para o pó e acumulavam tesouros na terra e não no céu. Semelhante aos dias atuais.

1) Descrever: A situação espiritual da Igreja de Laodiceia.
          O problema era mais grave que os vistos nas anteriores;
          Igreja morna e arrogante. Não percebia os próprios erros.

2) Conscientizar-se: A riqueza está em manter a comunhão.
          Segurança, justiça e satisfação próprias? Ajudou?

3) Saber: Como manter a igreja fervorosa espiritualmente.
          Ouro refinado – reconheçam o valor da salvação;
          Vestes brancas – santificação contínua e progressiva;
          Colírio – visão espiritual para enxergarem os erros.

REFERÊNCIAS:
Allan, Dennis. A carta à igreja em Laodicéia. Disponível em: http://www.estudosdabiblia.net/d135.html. Acesso em 21 de maio de 2012.

BARBOSA, José Roberto A. Laodicéia, uma igreja morna.  http://subsidioebd.blogspot.com.br/2012/05/licao-09.html. Acesso em 23 de maio de 2012.

BARBOSA, Francisco A. Laodicéia, uma igreja morna. Disponível em: http://auxilioebd.blogspot.com.br/2012/05/licao-9-laodiceia-uma-igreja-morna.html. Acesso em 23 de maio de 2012.

Bíblia de estudo aplicação pessoal. CPAD, 2003

Bíblia Sagrada: Nova tradução na linguagem de hoje. Barueri (SP). Sociedade Bíblica do Brasil, 2000

Bíblia Sagrada – Harpa Cristã. Baureri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 2003.

CARNEIRO FILHO, Geraldo. Laodicéia, a igreja morna. Disponível em: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com.br/2012/05/2-trimestre-de-2012-licao-n-09-27052012.html. Acesso em 23 de maio de 2012.

Junior, José Costa. Laodicéia, uma igreja morna. Disponível em: http://rxisaias.blogspot.com.br/2012_05_01_archive.html#5696047899348509327. Acesso em 24 de maio de 2012.

LOURENÇO, Luciano de Paula. Laodicéia, uma igreja morna. Disponível em: http://luloure.blogspot.com.br/2012/05/aula-09-laodiceia-uma-igrejamorna.html?showComment=1337640258093#c6397239710153779127. Acesso em 23 de maio de 2012.

SILVA, Severino Pedro. Apocalipse - Versículo por Versículo. CPAD.


Por: Ailton da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário