sábado, 1 de maio de 2021

Anticristo. A solução material com implicações espirituais - Capítulo 1

O ANTICRISTO

E AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES 

O Anticristo, opositor, imitação e arqui-inimigo de Cristo, a personificação do mal, estará a serviço de Satanás e receberá o poder para governar o mundo durante a vigência da última semana de Daniel, conhecia como o período da Grande Tribulação ou “fim dos tempos”.

Será o principio das dores para a humanidade, mas não terá nenhum efeito sobre a Igreja, uma vez que a eleita de Deus será retirada antes do inicio deste período (2 Pe 2.5-7; 1 Ts 1.10; 5.9; Ap 3.10), tal como ocorreu com Enoque e Elias, que foram retirados antes do diluvio e antes da deportação e da queda dos reino do Sul e Norte, respetivamente.

Sobre o Anticristo, muitos imaginam que possa ser um político famoso mundial, sagaz, agradável, popular, caloroso, incentivador, porém será um imoral, homem comum, com ideais malignos, nascido de mulher e de origem gentia[1], um príncipe de outro povo (Dn 9.26). A Bíblia o descreve como “um pequeno chifre” (Dn 7.8; 8.9). Isso indica que será uma figura relativamente insignificante, até que assuma o controle mundial.

Será um ditador, que deixará à vista sua mão de ferro, principalmente nos últimos três anos e meio de seu governo. Controlará todo o sistema de comércio e comunicações e exercerá uma ditadura sobre os campos político, social, espiritual e econômico. Uma pessoa inteligente, capaz de persuadir (Dn 7.8,20; 8.23), entendido em intrigas, sutil e que usará de falsidade para atingir seus objetivos (Mt 21.11-24; Ap 13.13-14).

Seu espírito já opera na Terra, distorcendo as Sagradas Escrituras, alterando a configuração política das nações e se apossando de organismos internacionais de controle[2].

Pela Bíblia pode ser identificado como simplesmente a besta (Ap 17.8,16), ou como a besta que subiu do mar (Ap 13.1) e também como a besta escarlate (Ap 17.3), bem como será conhecido como o filho da perdição, o homem do pecado, o iníquo (2 Ts 2.3,4,8), o homem violento (Is 16.4), o príncipe que há de vir (Dn 9.26), o mentiroso (1 Jo 2.22), o enganador (2 Jo v7), o que virá em seu próprio nome (Jo 5.43).

O seu caminho está sendo preparado inconscientemente pela humanidade[3] e conscientemente pelos que detém o controle na atualidade. Toda esta preparação se fundamenta na estratégia montada pelo maior interessado em sua manifestação, o Maligno.

Ninrode, Nero, Tito, Napoleão, Stalin, Hitler, entre outros, com suas ações e ideais deram base e contribuíram para a instalação do projeto maligno do Anticristo na Terra.

O Anticristo operará inúmeros prodígios durante o período de sua administração, para que através destas ações a humanidade creia em suas mentiras (2 Ts 2.9-12).

Um de seus maiores trunfos se dará logo no inicio, quando se intitulará o único capaz de resolver os problemas e apresentará soluções[4] fantásticas para a economia, desemprego, falta de habitação, fome, através de ideias nunca vistas ou pensadas. Isto o colocará nos braços do povo e lhe renderá autoridade e poder. Neste período, o Anticristo buscará a paz, mas indiretamente estará promovendo a guerra. Será bem sucedido neste assunto, por isto será destemido e indestrutível.

No inicio de sua administração poderão ser ouvidos júbilos[5] de alegria, no entanto, após a revelação de sua verdadeira identidade, se ouvirá gritos de pavor e aflição.

O Falso Profeta será seu porta voz, uma espécie de marqueteiro religioso e a globalização instalada previamente se mostrará como o cenário perfeito para sua atuação. Então todas as atenções se voltaram para a Terra e o foco sairá do céu[6].

A missão do Anticristo se resume a alguns pontos primordiais, que o levará ao controle mundial, sua meta:

  • Estabelecer uma economia única e centralizada em torno de si, através da marca da besta (Ap 13.17,18);
  • Criar uma religião para o Maligno ser reverenciado;
  • Destruir as bases da religião divina, para que todos creem em suas mentiras;
  • Enganar e destruir Israel, fingindo ser o seu Messias;
  • Impedir a conversão durante a Grande Tribulação e destruir os que não aceitarem sua marca;
  • Multiplicar a iniquidade esfriando definitivamente o amor no mundo;
  • Implantar o domínio de Satanás em todo o mundo, a fim de que este seja transformado no Reino das Trevas.

A base da doutrina do Anticristo também estará visível após a revelação de sua verdadeira identidade. Sua intenção em substituir Deus pelo Maligno não encontrará dificuldades, pois o embrião deste projeto já está em execução no mundo.

O Anticristo tentará iludir Israel, se fingindo ser o seu esperado Messias, se auto introduzindo no Templo em Jerusalém, a fim de profaná-lo. Por fim tentará concretizar o maior desejo do Maligno, que é se colocar no lugar de Deus. Este personagem maligno será o maior exemplo de rebelião e blasfêmia contra Deus.

[1] Origem gentia: um não judeu.

[2] Organismos que estão trabalhando no desenvolvimento de sistemas de controle em escala mundial. Projetos que parecem inofensivos, mas que darão sustentação à administração do Anticristo.

[3] Vide capitulo 3

[4] Os crentes, pelo arrebatamento, deixarão casas, carros, dinheiro e seus empregos. O Anticristo oferecerá tudo aos que ficarem

[5] Tal como Moisés e Josué ouviram quando desciam do Monte de Deus com as tábuas da Lei. Não era júbilo de guerra, era gritos de derrotados (Êx 32.16-17).

[6] O arrebatamento se tornará, por muitos dias, o assunto na Terra, depois esquecerão.

Por: Ailton da Silva - 11 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário