Presidente Prudente (SP),

Apresentação da lição em power point

quarta-feira, 18 de julho de 2012

27) A blasfêmia dos fariseus. Segundo os 4 evangelistas

MATEUS 12.22-32
  • 22 – Trouxeram um endemoninhado cego e mudo, que foi curado por Jesus;
  • 23 – A multidão atestou a realeza de Jesus, “filho de Davi”. Era o reconhecimento público;
  • 24 – Mas os da “casa de Acabe” apareceram para mudarem a opinião pública, ou pelo menos tentaram (I Re 18.18). Murmuravam entre si, pois receavam pela reprovação da multidão e de Jesus;
  • 25 – Jesus conhecia o pensamento deles (cfe Mc 2.8), pois não havia necessidade das palavras (Sl 139.4). Jesus respondeu por parábolas. Reino dividido contra si mesmo, talvez fosse alusão a divisão do reino de Israel após a morte de Salomão (I Re 12.16). Nunca mais a nação se fortaleceu ou foi a mesma (cfe Is 7.1);
  • 26 – Satanás lutando contra si mesmo?
  • 27 – Belzebu expulsando seus companheiros? E os filhos dos fariseus? Se fizessem algo semelhante, um dia, seria em nome de quem? Quanta inveja!
  • 28 – Se reconhecessem que a ação de Jesus era pelo Espírito de Deus então entenderiam que o reino de Deus já havia chegado;
  • 29 – Como poderia alguém roubar a casa de um valente sem amarrá-lo primeiro? Jesus estava ganhando terreno, por isto o Maligno atuava na vida dos fariseus para impedir que isto acontecesse;
  • 30 – Quem não é com Ele é contra e quem não ajunta, espalha;
  • 31 – Todo pecado e blasfêmia são perdoados, exceto a blasfêmia contra o Espírito Santo;
  • 32 – Qualquer palavra dita contra o “Filho do homem” é perdoada, mas não a falada contra o Espírito Santo, seja aqui ou no provir.

MARCOS 3.20-30
  • 20 – A multidão se ajuntou ao redor de Jesus que até O impediu de alimentar-se;
  • 21 – Os parentes de Jesus quando souberam que Ele estava sendo acusado de estar fora de si, endemoninhado, foram buscá-lo, conforme (BNLH);
  • 22 – Os escribas (outra raça que fazia parte da “casa de Acabe”), que tinham a lei gravada na mente, acusaram Jesus de estar dominado pelo príncipe dos demônios;
  • 23 – 24 – idem Mt 12.25;
  • 25 – idem Lc 11.19. Lucas falou de filhos e Marcos de casa;
  • 26 – idem Mt 12.26;
  • 27 – idem Lc 11.21;
  • 28 – idem Mt 12.31;
  • 29 – idem Mt 12.32
  • 30 – disseram que Jesus tinha espírito imundo, verdadeiramente eram da “casa de Acabe”.

LUCAS 11.14-23
  • 14 – Jesus expulsou um demônio de um mudo e maravilhou a multidão que o seguia;
  • 15 – Os fariseus acusaram Jesus de expulsar demônios por Belzebu, príncipe dos demônios;
  • 16 – Alguns pediram um sinal (Mateus não falou acerca deste pedido, apenas citou o reconhecimento da multidão. “não é Ele o filho de Davi” – Mt 12.24);
  • 17 – 19 – idem Mt 12.25-27;
  • 20 – Mt 12.28;
  • 21 – 23 – Mt 12.30;
  • 24 – 26 – Outro assunto (o sinal de Jonas);
  • 27 – 28 – Bem aventurado quem gerou, carregou e amamentou Jesus? Ou bem, aventurado quem ouve e guarda a Palavra de Deus?
JOÃO
  • Não há registros.
PRÓXIMO ASSUNTO: O sinal do profeta Jonas

Fonte:
Bíblia de estudo aplicação pessoal. CPAD, 2003

Bíblia Sagrada: Nova tradução na linguagem de hoje. Barueri (SP). Sociedade Bíblica do Brasil, 2000

Bíblia Sagrada – Harpa Cristã. Baureri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 2003.

Por: Ailton da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário