domingo, 26 de setembro de 2021

Os patriarcas. Coincidências ou repetições da história? – Capítulo 11

José: Como você conseguiu? Quem mudou sua vida? 

Descobrir que José estava vivo e que era um homem poderoso, criou em Jacó uma expectativa[1] e ansiedade por revê-lo e abraçá-lo. Esse foi o momento de maior alegria de sua vida, bem diferente de quando soube da morte de seu filho, o que acabou com a sua vontade de viver.

Pela segunda vez o filho provocava uma mudança na vida do pai, a primeira foi no seu nascimento, momento em que Jacó sentiu desejo de retornar para Canaã e a segunda vez foi quando, avisado do ressurgimento de seu filho que julgava morto, saiu de suas terras e foi para o Egito (Gn 45.17-18)

Esta seria a terceira viagem de Jacó, mesmo em sua avançada idade. Na primeira saiu de mãos vazias, solitário, pobre, fugindo da casa paterna, consequência de seus erros, na segunda saiu com bens e família, fugindo de seu sogro e temeroso diante de um possível encontro com Esaú, mas para o Egito a história seria outra, não estava mais fugindo, estava cumprindo a vontade de Deus, que lhe confirmou a sua ida, uma espécie de recompensa.

Mas esta viagem seria diferente, pois iria ao encontro do “algo mais” que Deus havia preparado.

Quando ordenou que seus filhos fossem ao Egito em busca de alimentos, orou para que fossem guardados e que voltassem em paz com os mantimentos, jamais imaginou que voltariam com notícias de José e com um convite do próprio Faraó para que fossem morar na capital do império, tampouco imaginou uma mudança brusca de vida em tão curto espaço de tempo. Realmente recebeu uma benção extraordinária. Era merecedor? Fez por onde? Do outro lado estava José que, devido a sua ocupação e importância no Egito, não desceu para buscar seu pai, ficou esperando a bênção em tuas mãos, da mesma forma que seu avô Isaque, quando recebeu Rebeca como esposa.

Será que o desejo de rever o pai, após tantos anos, não torturou o coração de José? Em nenhum momento pensou em buscá-lo? Qual a sua preocupação? Muito trabalho? Medo de recolocar seus pés em suas terras? Receio de que sua autoridade não fosse reconhecida fora do Egito? Ou por que atribuiu aos irmãos a tarefa de desfazerem a mentira do passado[2]? O que se passou na cabeça daquela grande homem somente Deus soube. Havia um propósito para sua decisão.

A ansiedade era grande, mas o que lhe fatalmente preocupava seria uma possível reação de desaprovação do pai ao vê-lo vestido e misturado aos egípcios. Na mente de Jacó ainda estava gravada a imagem de José usando sua túnica colorida. Poderia explicar que estava a trabalho, que não havia se contaminado com o politeísmo religioso da nação, mas temeu pela reação do pai, que poderia, no mínimo, estranhar a conduta do filho.

Ao longe, ansioso e temeroso, avistou a comitiva e correu ao seu encontro lançando-se[3] ao pescoço do pai, chorando muito. Esta sua atitude de reverência deixou bem claro que a maior autoridade naquelas terras era seu pai e não ele.

Este foi o segundo encontro desta natureza que Jacó participava, o primeiro havia sido com seu irmão Esaú, quando se prostrou implorando seu perdão, agora era seu filho que reconhecia a sua autoridade e importância no plano de Deus.

Jacó, avançado em idade, recebeu um valiosíssimo presente e todo orgulhoso pela posição de José, estendeu seus braços para recebê-lo. Por muito tempo havia acreditado na perda do filho e agora recebia toda sua família[4]. O que mais poderia esperar de bom da parte de Deus?

A interação entre pai, filho e irmãos após aquele encontro, foi necessário para que todas as mágoas, dores e ressentimentos fossem esquecidos para sempre, mas o momento principal daquele entrelaçamento foi a conversa que se desenrolou entre eles. Como foi gratificante para todos ouvirem as histórias reais de José, que então estufou o peito, se alegrou e disse: “os sonhos de Deus se cumpriram na minha vida e vocês serão os maiores beneficiados”.

Estavam curiosos por saberem como havia chegado aquela posição. Estudo, influência, amizades, sorte, envolvimento na cultura ou política egípcia? Como poderia ter feito uso destes mecanismos se havia chegado aquela nação como um escravo? Mentes férteis que demoraram para entender o agir de Deus.

A sua explicação foi longa, compreensiva, aceitável e de uma forma bem descontraída deixou claro que a sua vitória não poderia ser medida apenas pela sua condição atual.

Deus abençoou sua vida no início daquela prova através do controle demonstrado durante os momentos em que permaneceu na cova, aguardando a mudança da decisão de seus irmãos.

A mesma reação foi vista enquanto caminhava como escravo, durante o tempo em que trabalhou na casa de Potifar e por fim nos dias em que ficou encarcerado. Nada pode desabonar a sua vitória ou desqualificar a vida de José, pois em todos os momentos se portou como um digno homem de Deus. Que fortaleza foi aquela diante de tanto sofrimento?  A resposta é simples:

  • Deus estava com José, que se tornou próspero, mesmo sendo um simples trabalhador da casa de Potifar, a ponto de seu senhor observar e exaltar sua conduta irrepreensível;
  • Até mesmo no cárcere José sentiu a presença de Deus e foi abençoado com a confiança do carcereiro;
  • Diante de Faraó, José se portou como um digno servo de Deus.

José foi o canalizador de bênçãos para toda sua família. Após esta conversa Jacó teve uma audiência com Faraó, que se mostrou interessado pela sua história e idade.

Os cento e trinta e sete anos de Jacó eram poucos se comparados aos de seus antepassados, mas porque fez questão de chamá-los de anos maus? Não estava alegre com o reencontro de seu filho?



[1] Jacó não estava preparado para ouvir o impossível? Não estava preparado para receber o que Deus havia preparado.

[2] José deu aos irmãos a possibilidade deles matarem o que estava matando eles por muito tempo, a mentira. Eles iniciaram toda aquela história, então deveriam terminar. A verdade sobressairia sobre a mentira.

[3] Jacó havia se prostrado quando reencontrou Esaú e agora era reverenciado.

[4] Esposa egípcia e seus dois filhos.

Por: Ailton da Silva - 11 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário