segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Libertação e batalha espiritual - aula 2

6) CAUSAS DE MALDIÇÕES

Causas de maldição são pecados ou iniquidades de âmbito familiar ou territorial diretamente ligados à pessoa. Todo pecado não redimido produz maldição. Cada pecado impõe um certo castigo, principalmente aqueles que não foram arrependidos. Portanto existem três tipos de maldições:

  • Maldições do presente: relativas aos pecados praticados pessoalmente e ainda não resolvidos suficientemente pela cruz;
  • Maldições do passado: relativas às iniquidades praticadas e não resolvidas do passado genealógico ou pela verbalização de pragas ou palavras de rejeição lançadas pelos antecedentes;
  • Maldições territoriais: relativas aos pecados praticados que contaminam a terra legalizando a instalação dos espíritos territoriais.

 

7) CAUSAS DE MALDIÇÕES MAIS FREQUENTES

a) Iniquidade dos pais – herança familiar

Iniquidade embute dois conceitos básicos: pecados não resolvidos ou nunca confessados que se repetem a cada geração e também o castigo que esses pecados acarretam para as gerações futuras. 

“E vossos filhos serão pastores no deserto quarenta anos, e levarão sobre si as vossas infidelidades, até que os vossos cadáveres se consumam neste deserto" (Nm 14.33). 

Em Gênesis 12 vemos a passagem em que Abraão, orientado por Deus, deixa a terra dos caldeus, Ur, e vai até Canaã. Ficou em Betel e veio grande fome, deixando de lado os planos de Deus e desceu para o Egito. Ali ele se complicou, pois mentiu para Faraó e depois voltou para Canaã, mas o mesmo aconteceu com seus descendentes: 

“Então disse o Senhor a Abraão: sabe com certeza que a tua descendência será peregrina em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos” (Gn 15.13). 

O erro de Abraão custou à sua descendência quatrocentos anos de escravidão no Egito. É exatamente isso que a Bíblia está afirmando. A tendência é endossar a visitação pecaminosa, como podemos ver no exemplo da idolatria do rei Jeroboão, quando Israel se separou de Judá. Todos os reis foram sucessivamente repetindo o pecado de Jeroboão: Nadabe, Baasa, Onri, Acabe, Acazias, Joacaz, Jeoás, Jeroboão, Zacarias, Pecaia. Depois vem o reinado de Oséias e Israel é levado a cativeiro e na destruição da nação. Até hoje estas dez tribos que formavam a nação de Israel encontram-se dispersas!

b) Quebra de aliança

Quebra de aliança no casamento: o pecado do adultério e divórcio traz consequências desastrosas. 

“Portanto, guardai-vos em vosso espírito, e que ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade. Pois eu detesto divórcio, diz o Senhor de Israel, e aquele que cobre de violência o seu vestido; portanto cuidai de vós mesmos, diz o Senhor dos exércitos; e não sejais infiéis” (Ml 2.16).

 

No caso de Abraão e Hagar, a poligamia causou uma desestrutura familiar e desencadeou um conflito entre os descendentes de Ismael e Isaque, que continuam até hoje, ameaçando a paz mundial. Quando Davi adulterou com Bate-Seba, trouxe uma maldição mortal sobre sua família e descendência.


“Agora, pois, a espada jamais se apartará de sua casa, porquanto me desprezaste e tomaste a mulher de Urias, para ser tua mulher” (Sm 12.10).

 

c) Quebra de aliança com Deus

A apostasia é um dos mais graves níveis de quebra de aliança. É denominada por Oséias e Paulo como prostituição espiritual. Em Deuteronômio 28 temos uma lista com mais de 50 versículos de maldições que vêm com desobediência a Deus. É a consequência de erros, pecados fazendo a quebra da aliança.

 

d) Idolatria

A maldição da idolatria é que a pessoa se torna tal como ídolo. Há uma permutação de identidade. O ídolo para a pessoa passa a andar, falar, ouvir, etc., e a pessoa se torna insensível espiritualmente embrutecida como o ídolo, sem perceber.

 

“Maldito o homem que fizer imagem esculpida, ou fundida, abominação ao Senhor, obra da mão do artífice, e a puser em um lugar escondido. E todo o povo, respondendo, dirá: Amém” (Dt 27.15).

“Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Tem boca, mas não falam; tem olhos, mas não veem; têm ouvidos, mas não ouvem; têm nariz. Mas não cheiram; Tem mãos, mas não apalpam, têm pés, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta. Semelhantes a eles sejam os que fazem, e todos os que neles confiam“ (Sl 115.4-8).

 

É comum vermos pessoas que tiveram grande envolvimento com idolatria ou que também carregaram imagens em procissões terem problemas de fraturas, fortes dores nas juntas, dores e peso na coluna, extrema cegueira espiritual, etc. Tornam-se rígidas, quebradiças e insensíveis como as imagens que adoram e confiam.

 

e) Rebelião contra os pais

A rebelião contra os pais gera uma série de maldições:

  • Sequidão, miséria e esterilidade: “... E, havendo ele dissipado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a passar necessidade (Lc 15.14); 

Essa foi a maldição do filho pródigo:

  • Cegueira e perdição: “O que amaldiçoa a seu pai ou a sua mãe, apargar-se-lhe-á a sua lâmpada e ficará em trevas densas" (Pv 20.20);
  • Morte prematura: “... visito a iniquidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem” (Ex 20.5). Além da pessoa ficar perdida em relação ao propósito da sua existência, outros morrem cedo ou experimentam um estado de sobrevivência lastimável em relação a muitas áreas da vida.

 

f) Pecado encoberto

Ocultamento de pecados também destrói a estrutura de vida, pois a vida passa a ser extremamente dura para a pessoa. Ao invés de experimentar misericórdia, está sempre sendo espancada na vida. Um pecado não é perdoado, enquanto estiver encoberto. “Enquanto calei o meu pecado, consumiram-se os meus ossos pelo bramido durante o dia todo" (Sl 32.3).

 

“O que encobre as suas transgressões nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia” (Pv 28.13). Traz ruína espiritual e falta de prosperidade.

 

g) Falta de perdão

Esse é um ponto extremamente relevante. O grande trunfo de Satanás é a falta de perdão mediante injustiças sofridas. Se oferecermos aos outros uma graça inferior à que recebemos de Deus, praticamos injustiça. A própria salvação corre risco, pois a falta de perdão anda de mãos dadas com a apostasia.

 

“Então o seu senhor, chamou-o á sua presença, disse-lhe: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste; não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, assim como eu tive de ti? E, indignado, o seu senhor o entregou aos apresentadores, até que pagasse tudo o que lhe devia. Assim vos fará meu Pai celestial, se de coração não perdoardes, cada um a seu irmão” (Mt, 18.32-35).

 

h) Jugo desigual

Jugo desigual é uma aliança espiritual com demônios, consolidada através de sociedades ou casamentos com pessoas ímpias. Se você se casa com uma pessoa que não é filha de Deus, terá por sogro um deus estranho e em vez de trazer Deus para abençoar, você estará trazendo demônios para amaldiçoar seu casamento. Essa foi a transgressão de Salomão.

 

“Não pecou nisto Salomão, rei de Israel? Todavia entre muitas nações não havia rei semelhante a ele, e ele era amado de Deus, e Deus o constituiu rei semelhante a ele, e ele era amado do seu Deus, e Deus o constituiu rei sobre todo Israel. Não obstante isso, as mulheres estrangeiras o fizeram cair no pecado" (Ne 13.26).

 

i) Palavras proferidas por pais e autoridades

Estas foram as palavras de Josué após a destruição de Jericó:

 

“também nesse tempo Josué os encorajou, dizendo: maldito diante do Senhor seja o homem que se levantar e reedificar esta cidade de Jericó. E, com a perda do seu primogênito afundar a, e com a perda do seu filho mais novo de colocar as portas” (Js 6.26).

 

Séculos depois essa palavra não havia perdido o seu vigor. “Em seus dias, Hiel, o betelita, edificou Jericó. Quando lançou os seus alicerces, morreu-lhe Abirão, seu primogênito; e quando colocou as suas portas, morreu-lhe Segube, seu filho maus moço; conforme a palavra do Senhor, que ele falara por intermédio de Josué, filho de Num" (1 Re 16.34).

 

j) Todo envolvimento com espiritismo, feitiçaria e satanismo

Sofrimento multiplicado, perda de filhos e viuvez precoce, distanciamento de Deus, destruição, morte e todo tipo de miséria constituem as maldições do envolvimento com o ocultismo.

 

“As dores se multiplicarão aqueles que fazem oferendas a outro deus" (Sl 16.4).

“Não se achará no meio de ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro, nem encantador, nem quem consulte um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz essas coisas é abominável ao Senhor, e é por causa destas abominações que o senhor teu Deus os lança fora de diante de ti” (Dt 18.10-12).

 

Tudo que foi recebido no espiritismo precisa ser radicalmente renunciado. É muito comum vermos pessoas em posições estratégicas de intercessão ministrando com dons espíritas na igreja. Essa distorção acarreta confusão e maldições.

 

k) Invocação do espírito de morte

  • Toda vez que uma tentativa de suicídio é praticada, a pessoa torna-se ainda mais deprimida e com profundo sentimento de fracasso em relação ao motivo pelo qual desejou tirar a sua própria vida. Suicídio traz um legado de depressão e fracassa para a linhagem;
  • O aborto, além de trazer um legado de morte sobre a descendência, também enclausura a pessoa em um contexto de esterilidade, em áreas específicas da vida, sucesso profissional, financeiro, espiritual, sentimental etc. O espírito de morte interrompe a geração de frutos e a realização pessoal sob vários aspectos;
  • Rezar e prestar devoção a santos católicos ou ortodoxos ou cultuar um morto. A invocação de mortos é um ato de feitiçaria. Cada vez que isso ocorre, a pessoa está caindo do engano da necromancia. Entidades demoníacas camuflam-se através da identidade dos santos, operando exatamente o oposto. “O homem ou a mulher que consultar os mortos ou for feiticeiro, certamente será morto. Serão apedrejados, e o seu sangue será sobre eles” (Lv 20.27). Por exemplo, cidades que têm como padroeiro o “santo” Antônio, que é o famoso santo casamenteiro, são detentoras do maior índice de divórcio, mães solteiras e solteironas. Devotos de São Judas Tadeu, o santo das causas impossíveis, estão sempre enfrentando desastres e perdas irreversíveis. Tudo isto induz a pessoa a uma dependência maior ainda da entidade.

 

l) Roubo

A prática do roubo traz uma maldição na prosperidade, pessoas ficam escravas de dívidas, sempre passando necessidades. Basicamente é necessário mais que o arrependimento. Tem de acontecer a confissão e também a restituição, quando possível. Para aplicar esses princípios, o mais importante é estar genuinamente sob a orientação do Espírito Santo. O enriquecimento ilícito é uma forma direta de vender a família e da mesma forma que a pessoa enriquece, acaba perdendo tudo. O diabo, nesses casos, permite que a pessoa tenha riquezas para servir a seus interesses. São riquezas dadas e tiradas a partir do momento em que a pessoa ameaça mudar seus valores espirituais.

 

m) Perversão sexual

Amon e Moabe são ícones da perversão sexual. São os filhos de uma relação incestuosa entre Ló e suas filhas. Alugaram Balaão contra Israel. O Conselho de Balaão.

 

“Nenhum amonita e nem moabita entrará na Assembleia do Senhor; nem ainda a sua décima geração entrará jamais Assembleia do Senhor; e por quanto alugaram contra ti a Balaão, filho de Petor, da Mesopotâmia, para te amaldiçoar” (Dt 23.3,4).

 

A sensualidade e o sexo como idolatria é uma ponte para o ocultismo. A perversão sexual gera maldições de caráter hereditário, impondo uma extrema resistência para que a pessoa não consiga permanecer no corpo de Cristo. É fundamental fazer um desligamento de alma em relação a todas as pessoas com quem você manteve relação sexual ilícita. A prostituição amaldiçoa simultaneamente a vida sexual e financeira. Tudo o que é adquirido com o dinheiro da prostituição vem com uma terrível dose de contaminação espiritual.

 

“Não traz o salário da prostituta nem o aluguel do sodomita para casa do Senhor teu Deus por colocar voto, porque uma e outra coisa são igualmente abomináveis ao Senhor teu Deus” (Dt 23.18). 

A homossexualidade destrói a identidade sexual, levando aos níveis mais abomináveis de corrupção importação. 

”Se um homem se deitar com outro homem, como se fosse com mulher ou, ambos terão praticado abominação; certamente serão mortos; os seus sonhos será sobre eles” (Lv 20.13). 

A bestialidade se caracteriza pela prática sexual com animais. A maldição da bestialidade é confusão, pois em toda relação sexual existe um compartilhamento de identidade. Os envolvidos na relação tornam-se uma só carne. É muito comum pessoas que praticaram bestialidade começarem a desenvolver hábitos dos animais com quem se relacionaram. 

“Se uma mulher se chegar a algum animal, para ajuntar-se a ele, matará a mulher e bem assim o animal" (Lv 20.16).

 

n) Incesto:

Envolvimentos entre pais e filhos, acarretando uma profunda marca na alma da pessoa ferida.


continua...
Por: Ailton da Silva - 11 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário