segunda-feira, 2 de agosto de 2021

Soterilogia - aula 3

8) OS TRÊS ELEMENTOS BÁSICOS PARA A SALVAÇÃO (Rm 3.24-25)

Graça, a fonte da salvação (Tt 2.11): Graça significa, primeiramente, favor, ou a disposição bondosa da parte de Deus, um favor não merecido. A graça de Deus aos pecadores revela-se no fato de que Cristo pagou toda a pena do pecado, por conseguinte, Ele pode perdoar sem levar em conta ou não os merecimentos humanos, por mais que não existam tais merecimentos. A graça manifesta-se independente das obras dos homens;

  • O Sangue, a base da salvação (I Jo 1.7): O sangue de Jesus Cristo nos purifica de todo pecado. Em virtude do sacrifício de Cristo no Calvário, o crente é separado para Deus, seus pecados são perdoados e a sua alma purificada;
  • A Fé, meio para salvação (Ef 2.8-9): O homem reconhece, pela fé, a necessidade de salvação e é levado a crer em Cristo Jesus (Hb 11.6). A Fé nos conduz ao Salvador e coloca a verdade na mente e Cristo no coração. A Fé é a ponte que dá passagem ao mundo espiritual.

 

9) A SEGURANÇA DA SALVAÇÃO

É possível alguém que já aceitou à Cristo como Salvador se afastar da graça? Os que seguem a doutrina de Calvino (teólogo francês nascido em 1509) dizem que não e os que seguem a de Armínio (teólogo holandês nascido em 1560) dizem que sim.

 

No Calvinismo a salvação é inteiramente de Deus e o homem nada tem a ver com salvação (Rm 8.35). Sem a ajuda de Deus o homem não pode se arrepender (Ef 1.4-5). A doutrina calvinista ensina que Deus predestinou alguns para serem salvos e outros para a perdição eterna. A predestinação é o eterno decreto de Deus, pelo qual Ele decidiu o que será de cada um.

 

No Arminianismo, a vontade de Deus é que todos os homens sejam salvos, porque Cristo morreu por todos (I Tm 2.4). As Escrituras ensinam uma predestinação, mas não individual. Ele predestina a todos os que querem ser salvos (Tt 2.11). O homem pode escolher aceitar a graça de Deus, ou pode resistir-lhe. Seu direito de livre arbítrio sempre permanecerá.    

 

10) SOTERIOLOGIA DOS REFORMADORES

A reforma protestante, datada de 31 de outubro de 1517, exaltou grandes verdades bíblicas que formam e sustentam a evangelização, manifestas em cinco grandes pontos apontados e defendidos pelos reformadores:

  • Sola gratia (só a graça): O pecador é justificado somente pela graça de Deus, mediante a fé em Jesus Cristo. A Graça, favor divino que o homem não merece, é dada por Deus. O homem a recebe de mãos vazias, pois em nada depende dele, por isso deve se dispor a recebê-la. O conceito de “só pela graça” é um duro golpe contra o orgulho humano, autossuficiência e arrogância;
  • Solo Christus (só Jesus): Os reformadores defenderam a mensagem cristocêntrica (Jo 14.6; At 4.12). O Cristo revelado nas Escrituras é o único mediador entre Deus e os homens, e exclui todos os que resistem à graça de Deus. É o Logos eterno, sustentador dos céus e terra, associado eternamente com o Pai e com o Espírito, o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o “que é, que era e que há de vir”, o Todo-poderoso Senhor. O Cristo manifestado no tempo e no espaço, na plenitude da história humana, inserido em um contexto geográfico, histórico, social e cultural, feito homem, nascido e identificado com a humanidade, o profeta, o arauto do Deus Pai, o Sacerdotes e Grande Juiz;
  • Sola fide (só a fé): “O justo viverá pela fé” (Rm 1.17), esta foi a grande descoberta de Lutero e se tornou uma de suas bandeiras na reforma. A fé é muito mais do que um mero exercício intelectual, é confiar em Cristo e admitir nossa incapacidade diante das situações, enfim é deixar-se salvar por Ele, por isso, não se trata de uma fé isolada, mas sim acompanhada de responsabilidades;
  • Sola scriptura (só as Escrituras): As Escrituras foram adotadas como norma objetiva e única, a autoridade final, autenticada por Jesus. Os apóstolos também se apoiaram na autoridade do Antigo Testamento e a Igreja primitiva aceitou ambos os Testamentos e teve assim um cânon mais extenso ao qual apelar para suas decisões de fé e prática. Esse principio tem sido ameaçado e desafiado, ao longo da história, pela presunção de homens que teimam em induzir a humanidade às suas interpretações. Para os reformadores o importante era a livre consulta e não a livre interpretação;
  • Soli deo gloria (glória somente a Deus): Segundo o principio do Soli Deo Gloria, o homem havia sido criado para glória de Deus, por isso toda glória deve ser destinada a Deus e não a seres humanos, que em nada seriam dignos de glória. A vida do cristão deve ser vivida diante de Deus sob sua autoridade. Isso é para a glória de Deus. 

Fonte: Apostila Curso Básico de Teologia do SETEM – Seminário Teológico Manancial. Elaboração: Pb. Ailton da Silva

Por: Ailton da Silva - 11 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário