quinta-feira, 2 de setembro de 2021

Neemias: como sair do anonimato - Capítulo 13

2) CASAMENTOS MISTOS – UNIÕES REPROVADAS:

Deus preparou Israel durante a caminhada no deserto para que não se misturassem aos imorais que habitavam em Canaã (Js 23.1-13). Isto não era preconceito racial, mas sim um cuidado doutrinário, para que a relação entre Israel e Deus não fosse afetada.

Os casamentos mistos poderia se tornar uma porta para a apostasia. Esta foi a preocupação de Esdras (Ed 9.1-3), Neemias (13.23- 29), Malaquias (Ml 2.10-16) e alguns exemplos de casamentos mistos nos prova que realmente eram maléficos para Israel e seus antecessores:

  • Os filhos dos sacerdotes que se casaram com mulheres estrangeiras (Ed 10.18);
  • Um dos filhos de Joiada, filho do sumo sacerdote Eliasibe (3.1) que havia se aparentado a Tobias (13.4), casou-se com uma filha de Sambalate, o grande opositor a toda aquela obra (13.28).

Esdras já havia trabalhado este tema entre os judeus durante seu ministério (Ed 9.12,14), mas novamente aderiam a esta prática. A decisão de se afastarem foi traumática, porém necessária (10.28).

Neemias, em seu retorno a Jerusalém contemplou muitos nesta prática, pois se aparentaram com outros povos, mesmo com aqueles, que desde o inicio se mostravam contrários a reconstrução da cidade. Será que não se lembraram que os asdoditas (4.7) apoiaram o trio opositor? 

a) As consequências do casamento misto:

Os maiores prejudicados nesta história foram justamente os filhos, que deveriam crescer segundo os costumes e tradições judaicas, no entanto, cresciam perdendo as referências culturais e espirituais, além de testemunharem conflitos conjugais e étnicos. A influência das mães estrangeiras era bem maior que a dos pais (13.24), por isto a perda se iniciava pela língua pátria. No futuro colheriam o fruto deste erro.

Os filhos, frutos dos casamentos mistos, falavam em línguas estranhas, mas que eram entendíveis aos estrangeiros. E os velhos judeus compartilhavam aceitavam de bom grado ou reprovavam? Não tiveram forças para impedirem, até o dia em que Deus reenviou o pastor zeloso que amava aquelas ovelhas e colocou ordem novamente na congregação de Israel.

A indignação de Neemias aumentou quando observou que até mesmo a família do sumo sacerdote se entregando a esta prática e justamente com Sambalate, o opositor (13.28). 

b) A dolorosa separação – sombra de coisa futura:

Que outra reação poderíamos ter esperado de Neemias? Conivência com o erro? Era sabedor que jamais as bênçãos de Deus seria direcionadas ao povo caso continuassem daquela forma. Uma ação enérgica e dura era necessária (13.25).

Como os povos envolvidos receberam esta decisão dos judeus? Assombro, descrença ou indiferença? Laços familiares sendo desfeitos, planejamento e sonhos bruscamente interrompidos. Tudo em nome da pureza e cuidado doutrinário, mas acima de tudo, tiveram ciência de que nada daquilo estaria acontecendo caso tivessem sido fieis a Deus.

Não havia entre eles filhos para serem entregues as suas filhas e vice versa (Jz 14.3)? Tiveram tanta necessidade de recorrerem à beleza pagã? Os primeiros casamentos foram acontecendo e não viam manifestação contrária de Deus e assim foram se acostumando, abrindo as portas para a apostasia e sincretismo.

 

3) COMENTÁRIOS ADICIONAIS:

  • Todos deveriam guardar o sábado, o cidadão israelita, filhos, servas, empregados, animais e estrangeiros;
  • No Egito Deus não cobrou a guarda do sábado, pois o opressor não permitira. Não guardavam o sábado na liberdade, imaginem na escravidão;
  • O por do sol, as sextas feiras, sinal da fidelidade de Deus, era como se ouvissem a voz de Deus dizendo: “Eu ainda sou fiel a vocês”;
  • Se a Lei fosse uma exigência ou condição para salvação não deveria ser guardada em sua totalidade?
  • Quem teria coragem e ânimo para vender algo em Jerusalém na miséria e desprezo? Não tinham ferreiros sequer para fazer enxadas para manterem suas “hortinhas”;
  • Na miséria e desprezo será que as moabitas e amonitas fizeram filas para se casarem com os judeuzinhos bonitinhos e cheios de vida?
  • Quem estava em Jerusalém via aquela alegria e renovo como uma prosperidade espiritual, mas quem estava fora via somente a prosperidade material;
  • Neemias disse somente uma vez: “Nunca mais voltem aqui no sábado” (Ne 13.21). Ficaram com medo dele. O pastor desta congregação é muito bravo, não volto mais aqui;
  • Os oportunistas mercadores cortavam voltas com suas riquíssimas comitivas enquanto a cidade estava na miséria e pobreza. Agora estavam todos ouriçados (Ne 12.43);
  • Neemias não estava apresentando para Israel nenhum mandamento novo. Apenas estava relembrando o que estava escrito na Lei;
  • Neemias contendeu, arrancou os cabelos e espancou alguns, não poderiam reclamar disto, pior seria se Neemias tivesse agido como Moisés, que ordenou a morte aos idólatras (Nm 25.4, Nm 25.7-8);
  • Um pouquinho só de cananeus era necessário para levedar toda a massa de judeus; 
  • A luta de Israel não era contra o sangue e carne, mas sim contra a beleza das amonitas e moabitas;
  • Como os estrangeiros tinham forças para tirar um judeu do verdadeiro culto e estes não tinham forças para trazer aqueles para a sua congregação? Sombra de coisas futuras?
  • Segundo Êxodo? Sair de Israel para entrar no mundo do vizinho?
  • A missão de Israel quando chegasse em Canaã era eliminar os habitantes, jamais deveriam se misturar;
  • Será que as moabitas e amonitas eram pagas para se casarem com judeus? Ou realmente também se fascinavam com a beleza dos homens hebreus? Não tinha homens nas terras de moabe e amom? Da mesma forma, não havia mulheres para os judeus? 

Por: Ailton da Silva - 11 anos (Ide por todo mundo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário