Presidente Prudente (SP),

Apresentação da lição em power point

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Gnosticismo: Relembrando o que estudamos no 3º trimestre de 2004

É uma filosofia herética que tenta explicar algo (tudo) por meio do conhecimento (gnosis), mas como sempre, explica nada sobre o tudo e seus ouvintes, pensando que estão aprendendo mais, aprendem cada vez menos.

Estes ensinamentos atacaram a igreja nos dois primeiros séculos da era cristã. O apóstolo Paulo combateu estas heresias em pelo menos oito de seus livros, mas a prevenção serve também para a igreja hodierna e o alarme deve ser soado, pois eles ainda existem sob diversas formas de corrupção da são doutrina. O cuidado deve ser extremo: nova era, teosofia (filosofia + religião + ciência), logosofia (evolução consciente que conduz ao conhecimento de si mesmo), culto e adoração aos anjos, flagelos, isolamentos do mundo material, libertinagem espiritual, esoterismo, legalismo, falsas visões, falsa humildade, calendário escravizante (atualíssimo) entre outros tantos.

A filosofia dos gnósticos (negação da divindade, supremacia e obra de Cristo);
• Jesus não era humano, pois um ser celestial jamais poderia encanar-se na matéria humana má. Esta filosofia é defendida por aqueles que negam a vinda de Cristo em carne;

• A morte de Jesus na cruz foi apenas aparente, portanto a salvação, segundo eles, está atrelada ao conhecimento secreto que apenas alguns conseguem obter;

• Como Jesus não se fez carne, não morreu, logicamente a ressurreição também é ignorada. A morte foi aparente e a ressurreição espiritual;

• O ascetismo como filosofia religiosa que ensinava que o corpo era essencialmente mau e que deveria ser severamente punido. Rigorosos costumes, regras, flagelos, “greves de fome” e desprezo pelo mundo material.

Referencia Bibliografia:
RENOVATO, Elinaldo. Colossenses. A perseverança da Igreja na Palavra nestes dias difíceis e trabalhosos. Lições Bíblicas. Faixa Jovens e Adultos. 3º trimestre de 2004. Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 2004.

Por: Ailton da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário