Apresentação da lição em power point

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

O exercício ministerial na casa do Senhor. Plano de aula.

O EXERCÍCIO MINISTERIAL NA CASA DO SENHOR

O GATO SAIU E O RATO FEZ A FESTA
O MAL ALOJADO NO FRUTO DA OBRA
TOBIAS NÃO TINHA VERGONHA NA CARA?
O SEGUNDO ESTADO PIOR QUE O PRIMEIRO
INIMIGO NO TEMPLO E SACERDOTES NA RUA
TEMPLO NÃO É LUGAR PARA AMONITA E MOABITA
NÃO AJUDARAM NO PASSADO PORQUE PRIVILÉGIOS?
UMA AÇÃO (ELIASIBE) PROVOCOU A REAÇÃO (NEEMIAS)

PROPOSTA DA LIÇÃO
• Após o avivamento o povo voltou às velhas práticas;
• Como o arquiinimigo da reconstrução conseguiu privilégios no Templo?
• Tobias foi despejado do Templo por Neemias;
• O povo recobrou o ânimo, após a atitude de Neemias;
• Exemplo de Neemias: não tolerem a corrupção;
• “Até aos confins da Terra” – necessidade de recursos financeiros;
• Neemias se preocuparia com a origem dos recursos?
• Exemplo de administrador: Neemias.

INTRODUÇÃO
Foram doze anos de dedicação e serviços em Jerusalém, mas chegou o momento da separação para Neemias. Talvez o retorno para Susã tenha sido para renovar a licença concedida pelo rei ou por outro motivo qualquer, mas o certo é que o tempo em que permaneceu longe de Jerusalém foi suficiente para que o povo se deixasse corromper novamente. Neemias já havia advertido antes que a mistura abriria portas para adoração a deuses estranhos e para a corrupção moral e espiritual.

Neemias imaginava que os judeus fossem capazes de se manterem íntegros na presença de Deus, ainda mais após o avivamento, alegria e festividades. Certamente avançariam para novas conquistas. Qual grande foi a decepção do grande líder, quando no seu regresso a cidade, presenciou a ressurreição das velhas práticas imorais, verdadeiros abusos.

Quantas decepções para Neemias no seu retorno. Logo de inicio se deparou com Tobias na cidade e foi inteirado sobre o grau de parentesco com o sacerdote Eliasibe, mas nada que se compara a tristeza sentida quando soube que o opositor estava no interior do Templo.

a) Três decepções que os judeus provocaram em Neemias;
• Desprezaram o ministério dos levitas (13.10);
• Favorecimento dos amonitas e moabitas (13.1-3);
• Não observavam o dia do sábado (13.17);
• Deram-se novamente aos casamentos mistos (13.28).

I. A CONTAMINAÇÃO DO MINISTÉRIO
1. O sacerdote aparentado com o ímpio.
Mesmo com todos os fatos ocorridos, pós avivamento, o povo permitiu que o Templo fosse profanado, através do aparentamentos ilícitos e por concessões a homens que não deveriam, sequer, imaginar em tais condições. Tobias, o amonita, era um exemplo, pois pela sua origem não poderia adentrar ao Templo, quanto mais ocupar algum cômodo.

O compromisso assumido pelos lideres e povo foi público, notório e por escrito (9.38), mas depois de pouco tempo esqueceram e desprezaram tudo o que firmaram com Deus.

Mais uma vez, após a leitura da Lei, pela qual foram lembrados das atitudes hostis dos amonitas e moabitas, eles se apartaram da mistura, mas naquele momento o estrago já estava feito, pois Eliasibe já havia se aparentado com Tobias e provavelmente, devia lhe favores ou pelo menos deveria cumprir a aliança firmada. As portas ortodoxas do Templo foram abertas para outro tipo de ensino. Isto prova que sem Palavra o povo se corrompe,

Sambalate também foi agraciado com o aparentamento aos judeus, pois o neto do sumo sacerdote Eliasibe (13.28), se tornou genro deste que foi um ferrenho inimigo e opositor da obra da reconstrução. Segundo Josefo, ele foi expulso por Neemias e em Gerisim iniciou a construção de um templo pagão, talvez para se rivalizar ao de Jerusalém. Hoje uma comunidade de samaritanos puros se isolam neste monte (http://pt.wikipedia.org/wiki/Samaritano).

2. Privilégios abusivos (13.5).
Durante a primeira administração de Neemias é possível que já houvesse este tipo de pensamento entre os sacerdotes ou autoridades religiosas, mas a presença forte do líder inibiu qualquer tentativa.

Tão logo Neemias voltou para Susã, Eliasibe, o sacerdote, não somente concordou com o parentesco como também introduziu Tobias no Templo e para que este fosse acomodado confortavelmente foi necessário que fossem tirados o azeite, as ofertas e os dízimos dos cereais e azeite, o incenso, os utensílios, inclusive a santidade, a reverência e a espiritualidade tiveram que dar lugar ao arquiinimigo da reconstrução. Agora o segundo estado da cidade era pior que o primeiro. Neemias resolveu julgar o mal e não se deixou vencer por ele.

Eliasibe, em vez de usar sua influência como benção, a usou justamente para desestruturar a fé do povo. A parcialidade, o aparentamento ilícito, o favorecimento se tornaram falhas graves, verdadeira apostasia. Ele não somente se aliou ao inimigo como também o levou para dentro do Templo dando-lhe todas as condições para tirar-lhe as forças como minar a espiritualidade do povo.

II. A JUSTA INDIGNAÇÃO DO HOMEM DE DEUS
1. A firmeza de um líder.
A ausência momentânea de Neemias não se deu pelo fato do favorecimento de Tobias, mas sim por outros motivos, porém esta foi a causa principal de sua indignação, no seu retorno, quando se deparou com aquela cena e no ímpeto do desagrado tomou aquela radical atitude.

Que outro tipo de reação poderia Neemias ter demonstrado naquele momento? Aparentar-se também ao inimigo? Ser conivente com Eliasibe e aceitar novamente os casamentos mistos? Corajosamente tomou os móveis de Tobias e os lançou para fora do cômodo (13.7,8). Jesus também teve a mesma reação quando se deparou com os vendilhões no Templo (Jo 2.11-13). Os interesses pessoais devem estar às margens do centro da obra de Deus.

Novamente Neemias conseguiu incentivar o povo para que tomassem uma atitude para mudarem aquela situação. Foram ordenados a purificarem as câmaras e não encontraram dificuldades para isto, pois já estavam familiarizados com estes rituais, e ajudarem na recolocação dos utensílios e ofertas que não deveriam ter sido retirados daquele lugar.

2. A resposta do povo.
A decisão enérgica de Neemias despertou o povo e trouxe de volta para o Templo as contribuições e riquezas que a presença de Tobias havia tirado (13.12).

Neemias ganhou novamente a confiança do povo, restaurando o culto no Templo. Desta forma os judeus trouxeram suas ofertas e as depositarem justamente no aposento onde antes estava alojado o inimigo (13.12). A transparência da administração alegrou os sacerdotes, os levitas, o povo e os trabalhos prosseguiram (12.44).

3. O procedimento do líder cristão.
Assim como Neemias, devemos amar a Deus e zelar pela sua casa. A corrupção e desonestidade não podem ser toleradas, tampouco o abuso de autoridade como a que foi demonstrada pelo sacerdote Eliasibe.

A irritação de Neemias com o sacerdote Eliasibe não foi somente pelo fato de ter cedido um cômodo do Templo para uma pessoa que antes havia levantado barreiras para a reconstrução da cidade, injuriado, zombado, armado ciladas e ameaçado de morte, mas sim porque facilitou a entrada na casa de Deus de um homem que, pela Lei, era proibido até mesmo de se aproximar, quanto mais o acesso (Dt 23.3). Este erro do sacerdote afugentou os levitas e cantores, que retornaram para a vida dura do campo.

Neemias jogou fora todos os pertences de Tobias e tudo o que havia sido preparado para ele. Alguns judeus até poderiam estranhar esta atitude, mas tão estranho quanto a reação foi a ação, a permissão.

III. HONESTIDADE E TRANSPARÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO
1. A razão da necessidade dos recursos financeiros na igreja.
A expansão do reino de Deus demanda investimentos humanos e materiais, que devem ser administrados a com fidelidade e transparência.

Tobias, provavelmente com o passar dos tempos poderia subtrair bens ou alguns dos tesouros do Templo. A grande preocupação de Neemias era com o livre transito daquele incircunciso. Certamente se enriqueceria a custa das ofertas e dízimos da casa de Deus e faria uso conforme o seu bel prazer. Quem nos garante que isto não aconteceria?

Obreiros são despenseiros de Deus, tanto das coisas espirituais como das materiais e devem ser fieis (I Co 4.1-2).

2. A procedência dos recursos da igreja.
Estes recursos são originados dos dízimos e das ofertas dos santos e não de origem do Estado ou de qualquer outra fonte e devem ser administrados com responsabilidade, sinceridade e honestidade (Tt 1.7).

Neemias é um bom exemplo de administração dos bens que são utilizados para a expansão do reino de Deus.

3. Zelo pelos recursos da igreja.
A igreja primitiva sempre usou seus recursos financeiros com zelo, transparência e sabedoria para expansão do reino de Deus, através do cumprimento da grande Comissão e do socorro aos pobres e necessitados (At 4.32-37; 6.1-4).

CONCLUSÃO - OBJETIVOS DA LIÇÃO
Um dos opositores de Jerusalém foi levado para dentro do Templo. Justamente o que, desde o inicio, havia tentado impedir a reconstrução do muro. Não era judeu, não tinha autorização para adentrar aquele lugar, muito menor morar e tirar proveito. Foi preciso que Neemias, mais uma vez, mostrasse o povo a necessidade da apartação e do zelo pelas coisas de Deus.

1) Conscientizar-se: O líder deve ser comprometido com o Reino:
• Tobias e Sambalate se aparentaram aos sacerdotes;
• Neemias não permitiu privilégios e expulsou Tobias do Templo.

2) Saber: Os recursos e a transparência e fidelidade:
• Administração com responsabilidade, sinceridade e honestidade.

3) Compreender: As ofertas e dízimos e a expansão do Evangelho:
• A igreja primitiva usava os recursos para expansão do reino;
• Ela cumpriu a grande Comissão e socorreu os necessitados.

REFERÊNCIAS:
BARBOSA, Francisco A. O exercício ministerial na casa do Senhor. Disponível em: http://auxilioebd.blogspot.com/2011/11/licao-10-o-exercicio-ministerial-na.html. Acesso em 01 de dez. 2011.

BARBOSA, José Roberto A. O exercício ministerial na casa do Senhor. Disponível em: http://subsidioebd.blogspot.com/2011/11/licao-10.html. Acesso em 01 dez. 2011.

Bíblia de estudo aplicação pessoal. CPAD, 2003

Bíblia Sagrada: Nova tradução na linguagem de hoje. Barueri (SP). Sociedade Bíblica do Brasil, 2000

Bíblia Sagrada – Harpa Cristã. Baureri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 2003.

COSTA JÚNIOR, José. O exercício ministerial na casa do Senhor. Disponível em: http://rxisaias.blogspot.com/2011_11_01_archive.html#72
719471483 68525281. Acesso em 25 de nov. 2011.

GERMANO, Altair. O exercício ministerial na casa do Senhor. Disponível em: http://www.altairgermano.net/2011/11/o-exercicio-ministerial-na-casa-do.html

HENRIQUE, Luiz. O exercício ministerial na casa do Senhor 1pte lição 10, 4tr11; 2pte; 3pte; 4pte; 5pte. Disponível em: http://www.youtube.com/user/Henriquelhas. Acesso em 01 dez. 2011.

LOURENÇO, Luciano de Paula. O exercício ministerial na casa do Senhor. Disponível em: http://luloure.blogspot.com/2011/11/aula-10-o-exercicio-ministerial-na-casa.html. Acesso em 30 de nov. 2011.

Por: Ailton da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário